A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Índice de estações
...
Adão
Independência
...

Ramal de Independência - 1960
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: N/D
...
 
 
Rede de Viação Cearense (1961)
INDEPENDÊNCIA
Município de Independência, CE
Ramal de Independência - km 48   CE-4403
    Inauguração: 1961
Uso atual: sede de ONG   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
HISTORICO DA LINHA: A origem da linha Norte foi o trecho da E. F. de Sobral que ligava Sobral a Ipu (havia o trecho inicial, de Camocim a Sobral, que virou ramal). Em 1909, toda a E. F. de Sobral (Camocim-Ipu) foi juntado com a E. F. de Baturité para se criar a Rede de Viação Cearense, imediatamente arrendada à South American Railway. Em 1915, a RVC passa à administração federal. A linha da antiga E. F. de Sobral chega a seu ponto máximo em Oiticica, na divisa com o Piauí, em 1932, dezoito anos antes de Sobral ser unida a Fortaleza pela E. F. de Itapipoca (1950). Esses dois trechos passam então a constituir a linha Norte. Em 1957 passa a ser uma das subsidiárias formadoras da RFFSA e em 1975 é absorvida operacionalmente por esta. Em 1996 é arrendada juntamente com a malha ferroviária do Nordeste à Cia. Ferroviária do Nordeste (RFN). Trens de passageiros percorreram a linha Norte até o dia 12 de dezembro de 1988, sobrando depois disso apenas cargueiros e trens metropolitanos no trecho Fortaleza-Boqueirão.
 
A ESTAÇÃO: A implantação e construção do trecho ferroviário Crateús a Piquet Carneiro remonta aos anos de 1951/1952. A portaria 336 de 28/5/1952 aprovou o projeto para os 48 km de Crateús a Independência. Os estudos desse trecho foram feitos pelo Dr. Francisco Aires Coelho Cintra, entre outubro e novembro de 1951 e locado por Durval Borges. A execução dos serviços foi feita pelas construtoras Castro & Ferreira e Langer. O trecho total teria 181 km e o trecho até Independência foi concluído em 1964 (abaixo consta 1960). No pátio da estação, além de uma estação de 3ª classe (Independência), existiam os seguintes imóveis: armazém, depósito, alojamento e uma casa de força e luz, além de uma casa para o agente, uma casa para mestre de linha, quatro casas para trabalhadores e uma caixa d'água para 35.000 litros. A 26/11/1975 (??? - esta data parece bastante errada, visto que a inauguração do trecho ocorreu em 1961 - ver abaixo) o 1º Grupamento de Engenharia de Construção entrega à RFFSA o pátio e o trecho. Na época da conclusão, na estação existia o seguinte letreiro: IV EXÉRCITO - 1º GRUPAMENTO DE ENGENHARIA - 4º BATALHÃO DE ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO - 2ª COMPANHIA DE CONSTRUÇÃO INDEPENDÊNCIA (ué, não eram as duas construtoras acima que o construiriam?). Efetivamente, esse batalhão ficou

ACIMA: Mapa de 1924, que já mostra o projeto do ramal Crateus-Girau, mas chegando não a esta última, mas a Girau - hoje Piquet Carneiro. Notar que não havia menção a uma estação entre Crateus e Independência (Adão, no caso), mas existiria uma em Benjamin Constant, próxima a Girau (Cessão Daniel Gentili).
sediado na cidade durante a construção. Em 1960, a estrada de ferro foi concluída até Independência. Deu-se a inauguração em 1961, com a vinda de um trem lotado de Crateús. Na época, teria sido Jânio Quadros como presidente da República que botou abaixo o plano de expansão da ferrovia. O nosso ramal, em bem menos tempo, perdeu todos os trilhos e dormentes. Os prédios do Adão foram destruídos. "Durante anos a estação ferroviária de Independência ficou esquecida pelo o poder público, abandonada por todos e sem o devido reconhecimento histórico, sofreu o desgaste do tempo. Somente em 2007 que os jovens membros da ONG História Viva assumiram o prédio com a missão de o transformar em uma Casa da Memória e Biblioteca" (Vangleso Pedrosa, 2008).
(Fontes: Thiago O. Assis; Daniel Gentili; Roosevelt Reis; Vangleso Pedrosa; Padre Machado; Coaraci Camargo; /www.independenciano.com.br; http://onghistoriaviva.blogspot.com; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação em 2009, Foto Thiago O. Assis
 
     
Atualização: 23.07.2010
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.