A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Indice de estações
...
Prudente de Morais
Sete Lagoas
Wenceslau Braz
...

Linha do Centro - 1931
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: S/D
...
 
E. F. Central do Brasil (1896-1975)
RFFSA (1975-1996)
SETE LAGOAS
Município de Sete Lagoas, MG
Linha do Centro - km 684,335 (1928)   MG-0532
Altitude: 771 m   Inauguração: 14.09.1896
Uso atual: museu ferroviário (2017)   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: 1896
 
 
HISTORICO DA LINHA: Primeira linha a ser construída pela E. F. Dom Pedro II, que a partir de 1889 passou a se chamar E. F. Central do Brasil, era a espinha dorsal de todo o seu sistema. O primeiro trecho foi entregue em 1858, da estação Dom Pedro II até Belém (Japeri) e daí subiu a serra das Araras, alcançando Barra do Piraí em 1864. Daqui a linha seguiria para Minas Gerais, atingindo Juiz de Fora em 1875. A intenção era atingir o rio São Francisco e dali partir para Belém do Pará. Depois de passar a leste da futura Belo Horizonte, atingindo Pedro Leopoldo em 1895, os trilhos atingiram Pirapora, às margens do São Francisco, em 1910. A ponte ali constrruída foi pouco usada: a estação de Independência, aberta em 1922 do outro lado do rio, foi utilizada por pouco tempo. A própria linha do Centro acabou mudando de direção: entre 1914 e 1926, da estação de Corinto foi construído um ramal para Montes Claros que acabou se tornando o final da linha principal, fazendo com que o antigo trecho final se tornasse o ramal de Pirapora. Em 1948, a linha foi prolongada até Monte Azul, final da linha onde havia a ligação com a V. F. Leste Brasileiro que levava o trem até Salvador. Pela linha do Centro passavam os trens para São Paulo (até 1998) até Barra do Piraí, e para Belo Horizonte (até 1980) até Joaquim Murtinho, estações onde tomavam os respectivos ramais para essas cidades. Antes desta última, porém, havia mudança de bitola, de 1m60 para métrica, na estação de Conselheiro Lafayete. Na baixada fluminense andam até hoje os trens de subúrbio. Entre Japeri e Barra Mansa havia o "Barrinha", até 1996, e finalmente, entre Montes Claros e Monte Azul esses trens sobreviveram até 1996, restos do antigo trem que ia para a Bahia. Em resumo, a linha inteira ainda existe... para trens cargueiros.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Sete Lagoas foi inaugurada em 1896.

A Central do Brasil possuía ali oficinas, incluindo uma rotunda.

Em 1985, a RFFSA informava no boletim "Conheça a sua ferrovia" que nesta estação se executava o carregamento de calcário e ferro gusa em gôndolas tipo GFD na média mensal de 30.000 toneladas para os seguinte clientes: Cia. Siderúrgica Belgo Mineira, Cia. Siderúrgica Tubarão, Interbras, Vetorial e Della Volpe.

Com a
construção de uma variante costeando a cidade, em 1992, a estação ficou sem os trilhos e preservada no centro da cidade, como museu ferroviário. Um pátio para manobras foi construído na linha nova.

O último trem de passageiros passou na estação de Sete Lagoas exatamente em 17 de dezembro de 1992. Talvez pelo fato de a estação ter já pronta a variante ao redor da cidade... ou simplesmente por má vontade da RFFSA de não continuar com esse transporte. Ele era, na verdade, o Trem do Sertão, apelido do trem que fazia a linha Belo Horizonte-Monte Azul na bitola métrica - nesta última cidade ele seguia
viagem para Salvador, BA.

O vídeo que pode ser assessado aqui por este link
fala em "último trem do sertão", mas na verdade não foi. Esse trem continuou existindo até abril de 1996 fazendo apenas o trecho Montes Claros a Monte Azul.

(Veja também SETE LAGOAS-NOVA)
Leia sobre a explosão de fogos no trem entre Sete Lagoas e Prudente de Moraes em 1925 - Folha da Manhã, 9/8/1925
ACIMA: O carro administração da Central em Sete Lagoas a caminho da estação de Pirapora (A Careta, 4/6/1910).

Veja a rotunda do pátio de Sete Lagoas clicando sobre a fotografia acima

ACIMA: Em frente à estação, a velha locomotiva a vapor Linke-Hofmann que pertenceu ao Exército Imperial Alemão (bitola 60 cm) passa seus dias de aposentadoria exposta ao público do museu que hoje existe na estação (Foto José Herbert da Silveira em julho de 2009).








À ESQUERDA: Notícia sobre a inauguração da estação de Sete Lagoas em jornal de 1896 (Orgão Oficial dos Poderes do Estado, 16/9/1896).
(Fontes: Pedro Paulo Resende; Alex Lima; Decio Marques; José Herbert da Silveira; Marcello Tallamo; Daniel Gentili; Regina Perez: Inventário das Locomotivas a Vapor no Brasil, Memória Ferroviária, 2006; A Careta, 1910; Orgão Oficial dos Poderes do Estado, 1896; Arquivo Público Mineiro; Max Vasconcellos: Vias Brasileiras de Communicação, 1928; RFFSA: Conheça a sua ferrovia - Treinamento, DECOM-BH, março de 1985; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação de Sete Lagoas em 1908. Acervo Arquivo Público Mineiro

A estação, sem data. A Careta, 4/6/1910

A estação de Sete Lagoas em 2003. Foto Pedro Paulo Resende

A estação de Sete Lagoas em 2003. Foto Pedro Paulo Resende

A estação em 7/2009. Foto José Herbert da Silveira

A estação em 2016. Foto Alex Lima

A estação em 02/2017. Foto Decio Marques

A estação em 02/2017. Foto Decio Marques
 
     
Atualização: 12.02.2017
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.