A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Indice de estações
...
D. Vasconcelos
Lima Duarte
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: N/D
...

 
E. F. Central do Brasil (1926-1974)
LIMA DUARTE
Município de Lima Duarte, MG
Ramal de Lima Duarte - km 340,840 (1928)   MG-1260
Altitude: 703 m   Inauguração: 01.03.1926
Uso atual: pavilhão para exposições (2016)   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
 
HISTORICO DA LINHA: O ramal de Lima Duarte, em bitola de 1,60m, foi aberto ao tráfego em 1914 até a estação de Penido e somente em 1924 chegaria à estação seguinte, Valadares. Em 1926 alcançou sua extensão máxima, em Lima Duarte - 56 km. O projeto previa bitola métrica e para tanto foi construída bitola mista entre as estações de Juiz de Fora e de Benfica, na linha do Centro, pois o trem partia da primeira. Porém, acabou sendo aberto com bitola larga. O ramal deveria alcançar Bom Jardim de Minas, na linha da RMV, mas nunca foi completado, e por isso deveria ter a bitola métrica, que era a da RMV. Em 01/09/1974, o ramal foi suprimido. Porém, aparentemente já desde 1970 os trens de passageiros não mais circulavam no ramal.
 

A ESTAÇÃO: A estação de Lima Duarte foi aberta em 1926, nove meses antes da inauguração da "parada Lima Duarte".

"A Parada Deocleciano de Vasconcellos servia ao centro da cidade. Porém, como o terreno ali não oferecia condições para a instalação de um pátio ferroviário amplo, este foi construído 2.600 metros adiante, onde se erigiu a estação dita de Lima Duarte, no Bairro Barreira, inaugurada 4 anos mais tarde (*), em 1930, sem a presença do Governador Benedito Valadares, em terreno pertencente ao Senhor Nominato de Paiva Duque, então Intendente Municipal. Esse fato gerava confusão, já que era muito comum passageiros passarem direto e descerem na Barreira, julgando ter enfim chegado a Lima Duarte, quando na verdade teriam que retornar dois quilômetros e meio para chegar ao centro. Valadares não compareceu, como afirma o filho do intendente da época, Hélio de Paula Duque" (Marco Antonio da Silva, 11/11/2009).

A estação foi ponta do ramal até a desativação deste, em 1974, embora o projeto inicial fosse de levar o ramal até Bom Jardim de Minas, na Rede Mineira de Viação. Tal nunca aconteceu, embora o leito tenha sido preparado em muito do percurso - com cortes e até viadutos de concreto. O último trem de passageiros vindo de Juiz de Fora ali teria parado em 1972.

A estação hoje serve de pavilhão para exposições. "O edifício da estação de Lima Duarte é eclético, como grande parte das estações ferroviárias brasileiras. São características desse estilo: a proporção, a simetria, platibanda, janelas altas e amplas, o uso de tons pastéis (geralmente de 3 a 5 cores, os tons mais escuros na parede, nos ornamentos um tom mais claro e um terceiro nas esquadrias). Através da foto enviada pela Vicentina, do acervo do Afrânio de Paula, que infelizmente não sabemos a data é percebido esse uso do tom mais escuro na parede e mais claro nos ornamentos, já hoje percebemos o contrário: ornamentos escuros e parede clara. Apesar da foto antiga não pegar toda a extensão do edifício, pude perceber que atualmente existe uma janela que muito provavelmente não existia antigamente. A característica simétrica do ecletismo corrobora essa ideia de que essa janela foi feita posteriormente" (Ana Luisa Delgado, julho de 2016).
(*) Nota do autor do site: Pode ser que a estação de Lima Duarte tenha sido realmente construída em 1930, mas em 1928 já existia pelo menos o caminho do trem até lá e uma parada; Max Vasconcellos percorreu-o, e cita a data de 1926 como sendo a da inauguração. Já a parada D. Vasconcellos tem a data oficial de inauguração como sendo nove meses após a estação terminal, em dezembro de 1926.

ACIMA: Foto da cidade de Lima Duarte nos anos 1950. Nota-se a linha férrea fazendo uma curva a centro-esquerda da tomada, não muito longe da igreja (Foto Tibor Jablonski). ABAIXO: Vista da cidade tomada de outra posição em 2011. O antigo pátio está em primeiro plano, como Parque de Exposições. Dá para se ver o prédio da estação, a casa do mestre de linha e a casa do chefe da estação (Foto Ronisch Baumgratz; cessão Marco Antonio da Silva).


ACIMA: Mapa da região de Lima Duarte, vendo-se o triângulo de reversão, no fim da linha (esquerda), a estação da cidade (assinalada com a seta à esquerda) e a parada Deocleciano, assinalada com outra seta (à direita) (1939 - Autor desconhecido).

À ESQUERDA: Em nota durante a Revolução de 1930, o abastecimento de leite para a capital mineira era um problema (Folha da Manhã, 8/10/1930).

TRENS - De acordo com os guias de horários e outras fontes, os trens de passageiros pararam nesta estação de 1926 a 1970. Ao lado, um destes trens em Lima Duarte, em 1952. Clique sobre a foto para ver mais detalhes sobre a foto.Veja aqui horários em 1964 (Guias Levi).
(Fontes: Jorge A. Ferreira; Ana Luisa Delgado; Afranio de Paula; Marco Antonio da Silva; Ronisch Baumgratz; Tibor Jablonski; Cláudio Fabiano Kloss; Folha da Manhã, 1930; Max Vasconcellos: Vias Brasileiras de Comunicação, 1928; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960)
     

A estação, sem data. Notar que ela tinha uma jaenal a menos do que hoje (ao lado esquerdo da última janela da esquerda na foto). Acervo Afranio de Paula

A estação em 2002. Autor desconhecido

A estação em 06/2003. Foto Cláudio Fabiano Kloss

A estação em 02/2009. Foto Jorge A. Ferreira

A estação em 02/2009. Foto Jorge A. Ferreira
 
     
Atualização: 17.10.2016
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.