A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Indice de estações
...
Pau D'Alho
Carpina
Tracunhaém
...
Saída para o Ramal de Limoeiro: Lagoa do Carro
...

Linha Norte - 1940
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: N/D
...
 
Great Western (1881-1950)
Rede Ferroviária do Nordeste (1950-1975)
RFFSA (1975-1996)
CARPINA
(antiga CHÃ DE CARPINA e FLORESTA DOS LEÕES)
Município de Carpina, PE
Linha Norte - km 60 (1960)   PE-3313
    Inauguração: 20.10.1881
Uso atual: moradia   com trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
 
HISTORICO DA LINHA: A linha que originalmente unia a estação de Brum, no Recife, a Pureza, próximo à divisa entre Pernambuco e Paraíba, foi aberta de 1881 a 1883 pela Great Western do Brasil, empresa inglesa que tinha a posse e a concessão da E. F. Recife ao Limoeiro. Esta linha avançou até Pilar, na antiga E. F. Conde D'Eu, incorporada à GW em 1901, onde sua linha, aberta em 1883, entre outros ramais, avançava até Nova Cruz, já no Rio Grande do Norte e da E. F. Natal a Nova Cruz, que também passou à GW, na mesma época. Para ligar estas duas últimas, a GW construiu em 1904 um trecho de 45 km, formando então o que veio a ser chamado de Linha Norte. Quando ocorreu a venda da GW para a Rede Ferroviária do Nordeste, no entanto, o trecho do RN já não mais pertencia à GW, mas foi incorporado à RFN, e em 1957 tudo isso foi uma das formadoras da RFFSA. A linha está ativa até hoje sob o controle da CFN, que obteve a concessão da malha Nordeste em 1996, mas trens de passageiros não circulam mais por essa linha desde os anos 1980.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Chã de Carpina foi inaugurada em 1881. Desde essa época, já era a bifurcação de linha, com uma seguindo

Acima, mapa parcial do município de Carpina, nos anos 1950. De sudeste para o norte, a linha Recife-Natal. Para o oeste, bifurcando-se na estação de Carpina, o ramal de Bom Jardim. (Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, IBGE, volume IV, 1958). ABAIXO: Em 1906, o presidente eleito Affonso Penna, que tomaria posse em 15 de novembro, viaja pelo Nordeste e posa com o trem presidencial na estação de Floresta dos Leões (Revista da Semana, 12/8/1906).
para Limoeiro e outra para a Paraíba. O ramal de Limoeiro, depois chamado de ramal de Bom Jardim, acabou sendo extinto em 1968. Por algum tempo, a estação e a cidade se chamaram Floresta dos Leões. Em 1938, a estação passou a se chamar definitivamente Carpina. Até pelo menos março de 1980, ainda havia trens de Recife para Carpina: o US-21, 23 e 25, ida, e US-22, 24 e 26, volta, eram três todos os dias. No final do mesmo ano, os trens seguiam somente até São Lourenço da Mata (Diário de Pernambuco, 2/3 e 30/12/1980). A estação ainda está de pé, bem conservada externamente. "A estação de Carpina hoje é ocupada por um antigo ferroviário da RFFSA, que ocupou 2/3 da estação e no outro 1/3 montou uma Lan House. A estação ainda assim serve de ponto de apoio ao pessoal de manutenção de linha e sempre aparecem por lá para descansar e almoçar. Apesar disso um empregado da CFN disse que ela não é utilizada pela mesma, o ponto de apoio desse pessoal de manutenção da via é a estação de Nazaré da Mata. À frente da estação existe outra plataforma intermediária de embarque, onde apenas o esqueleto da antiga coberta ainda permanece de pé. Carpina é a divisão de fronteira entre esse grupo e o que faz a manutenção de Recife até esse ponto. Mesmo assim esse funcionário me informou que não esta tão bem assim, a velocidade máxima permitida para a via por cargueiros é de 40km/h. Carpina possuía um girador e o mesmo estava acessível a bem poucos anos, mas foi enterrado, segundo um morador, "com tudo dentro". Ficava logo após a estação, que ainda preserva a sua caixa d'água para locomotivas, num terreno agora totalmente cercado, seu pequeno ramal também foi totalmente retirado mas a saída do desvio ainda permanece" (Sydney Correa, 02/2009).
(Fontes: Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960; Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, IBGE, volume IV, 1958; Guias Levi, 1932-1982; As ferrovias do Brasil, 2005, Carlos Cornejo e João E. Gerodetti; Sydney Correa, 2009; Mapas - acervo R. M. Giesbrecht; Diário de Pernambuco, edições entre 1980 e 1982)
     

A estação, ainda com o nome de Floresta dos Leões, em 1907. Foto do Livro As ferrovias do Brasil, 2005, de Carlos Cornejo e João E. Gerodetti

A estação em 2005. Autor desconhecido

A estação, pintada agora de verde, em 2008. Foto Sydney Correa
     
Atualização: 12.10.2012
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.