A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Indice de estações
...
Dom Modesto
Caratinga
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: N/D
...
 
 
E. F. Leopoldina (1931-1975)
RFFSA (1975-1994)
CARATINGA
Município de Caratinga, MG
Linha de Caratinga-km 628,717 (1960)   MG-1791
  Inauguração: 12.02.1931
Uso atual: unidade de saúde da Prefeitura   com trilhos
Data de construção do prédio atual: 1931
 
HISTORICO DA LINHA: Este trecho da Leopoldina na verdade era uma junção de várias linhas isoladas originalmente, construídas em épocas diferentes. O trecho entre Entre Rios (Três Rios e Silveira Lobo foi aberto em 1903 e 1904; o seguinte, até a estação de Guarani, ficou pronto em 1883 e havia sido construído e operado pela Cia. União Mineira, até a entrega à Leopoldina, em 1884; o trecho entre esse ponto e Ligação ficou pronto em 1886, enduanto daí para a frente, até Ponte Nova, foi entregue entre os anos de 1879 e 1886. Entre 1912 e 1926, entregou-se a linha até Matipoó (Raul Soares) e finalmente, em 1931, a linha chegou a Caratinga, de onde não passou. Havia um trem de Barão de Mauá, no centro do Rio de Janeiro, para Caratinga, via Petrópolis, todos os dias, desde que a linha completa foi entregue, em 1931. Sem trens de passageiros desde os anos 1980 (em 1980 ainda existiam trens mistos fazendo o serviço de passageiros entre Ubá e Caratinga, vindo de Recreio, na antiga linha-tronco da EFL), a linha foi erradicada em 1994 nos trechos Três Rios-Ligação e Ponte Nova-Caratinga; o trecho intermediário consta até hoje como tendo "tráfego suspenso".
 
A ESTAÇÃO: Em 13 de dezembro de 1930 foi provisoriamente aberto ao tráfego o prolongamento de Raul Soares até Caratinga, e, e em 12 de fevereiro de 1931, considerado oficialmente inaugurado. Caratinga era na época uma cidade de 5 a 6 mil habitantes, centro de zona riquíssima em café e suínos, além de apresentar um grande movimento de importação. (fonte: E. F. Leopoldina, 1938). A primeira locomotiva, no entanto, já havia chegado a Caratinga em 31 de agosto de 1930, "às 15 horas, aproximadamente, um silvar forte se fez ouvir (...) (pela) immensa massa humana desde cedo aglomerada nas cercanias do local onde estã sendo construída a estação Passageiros ainda desembarcaram na estação para presenciar a chegada da máquina (a vapor)" (Jornal O Município, 7/9/1930). Estação terminal da linha (embora houvesse planos para ligá-la a

ACIMA e ABAIXO: Pátio da estação de Caratinga, provavelmente anos 1950. Vagões estacionados. bastante movimento... um tempo que não voltará mais (Cessão: Geraldo Majela Batista, estraído de site sobre a cidade - www.zoz.com.br).


ACIMA: Saída do pátio de Caratinga, provavelmente anos 1940. Como em diversas cidades de Minas Gerais, a linha passava pelas ruas da cidade (Fotografia do site www.zoz.com.br)
Carangola), pelo menos até 1980 ainda recebeu trens mistos: mais ou menos nesta época, o tráfego de passageiros acabou. A estação ainda está de pé em 2008, e segundo descrição, assemelha-se ao modelo da de Viçosa, bem típica da Leopoldina. "Situado à praça Coronel Rafael Silva Araújo, s/n, construído no final dos anos 20, possui estilo colonial de construção em alvenaria. Sua importância justifica-se por ser o único vestígio do tráfego ferroviário no município. O prédio foi tombado através do decreto nº 10/98, e está sujeito a proteção especial de acordo com a Lei Municipal nº 2420/97" (*informação do site www.caratinga.mg.gov.br). (Fontes: Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960; Guias Levi, 1932-1980; E. F. Leopoldina; Amadeu Miguel Gomes; site www.caratinga.mg.gov.br; Jornal o Município, 7/9/1930; site www.zoz.com.br)
     

A estação de Caratinga em 2005.
Foto do site www.caratinga.mg.gov.br

A estação de Caratinga em 12/2006.
Foto Amadeu Miguel Gomes

A estação de Caratinga em 12/2006.
Foto Amadeu Miguel Gomes
 
     
Atualização: 21.02.2009
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.