Estados do Rio de Janeiro e do Espírito Santo

E. F. Leopoldina - Linha do Litoral
E. F. Leopoldina - Linha de Campos a Miracema
E. F. Leopoldina - Ramal de Glicério
E. F. Leopoldina - Ramal de S. Maria Madalena
E. F. Leopoldina - Ramal de Manuel de Morais
E. F. Leopoldina - Ramal de Campista
E. F. Leopoldina - Ramal de S. Amaro de Campos
E. F. Leopoldina - Ramal de Barão de São José
E. F. Leopoldina - Ramal de S. Maria Madalena
E. F. Leopoldina - Ramal de Cabo Frio (E. F. Maricá)
E. F. Itabapoana
E. F. Itapemirim (Linha Marataízes-Pça J. Pessoa)


HISTÓRICO DAS LINHAS: (NOTA: A história correta de todas as linhas no litoral do Estados do Rio de Janeiro e do Espírito Santo, na região de Campoe e Cachoeiro do Itapemirim, é bastante confusa e trruncada. Peço desculpas por possíveis erros na narrativa e mesmo nas datas e na ordem das estações por todas as linhas na região.)

LINHA DO LITORAL:
O que mais tarde foi chamada "linha do litoral" foi construída por diversas companhias, em épocas diferentes, empresas que acabaram sendo incorporadas pela Leopoldina até a primeira década do século XX. O primeiro trecho, Niterói-Rio Bonito, foi entregue entre 1874 e 1880 pela Cia. Ferro-Carril Niteroiense, constituída em 1871, e depois absorvida pela Cia. E. F. Macaé a Campos. Em 1887, a Leopoldina comprou o trecho. A Macaé-Campos, por sua vez, havia construído e entregue o trecho de Macaé a Campos entre 1874 e 1875. O trecho seguinte, Campos-Cachoeiro do Itapemirim,foi construído pela E. F. Carangola em 1877 e 1878; em 1890 essa empresa foi comprada pela E. F. Barão de Araruama, que no mesmo ano foi vendida à Leopoldina. O trecho até Vitória foi construído em parte pela E. F. Sul do Espírito Santo e vendido à Leopoldina em 1907. Em 1907, a Leopoldina construiu uma ponte sobre o rio Paraíba em Campos, unindo os dois trechos ao norte e ao sul do rio. A linha funciona até hoje para cargueiros e é operada pela FCA desde 1996. No início dos anos 80 deixaram de circular os trens de passageiros que uniam Niterói e Rio de Janeiro a Vitória. mapa do ramal em 1961

LINHA DE CAMPOS A NIRACEMA: A ferrovia ligando Campos a São Fidélis foi aberta em 1/8/1891, por uma concessão recebida por Edmundo Meinick e outros em 1876. Por outro lado, a E. F. Santo Antonio de Pádua, com uma concessão de 1879, havia estabelecido uma linha unindo Luca (São Fidélis) a Santo Antonio dos Brotos (Miracema), ferrovia esta aberta em 1880, de São Fidelis até Santo Antonio de Pádua, e em 1883, desta cidade até Miracema. Em 1884, este última foi vendida à E. F. Macaé a Campos. Em 1891, quando Miracema já estava ligada a Campos pela junção das duas ferrovias, ambas já pertenciam à Leopoldina. A linha era ligada até a linha do Manhuaçu próxima a Miracema, através do ramal de Paraoquena, que liga as estações dee Cisneiros, naquele ramal, com a de Paraoquena. Embora tenha parado de transportar passageiros desde o início dos anos 80 (em 1980 ainda trens mistos carregavam passageiros de Recreio a Campos), a linha está ativa até hoje para cargueiros da FCA. Nos últimos tempos, o trem de passageiros, e hoje os cargueiros, seguiam direto de Cisneiros, na linha do Manhuaçu, pelo ramal de Paraoquena até Campos, deixando o trecho Paraoquena-Miracema desativado. mapa do ramal em 1961

RAMAL DE GLICÉRIO:

RAMAL DE SANTA MARIA MADALENA E RAMAL DE MANOEL DE MORAIS: O ramal que ligava Entroncamento (Conde de Araruama) a Ventania (Trajano de Morais) teve a linha entregue em 1878 até Conceição e no ano seguinte até Triunfo (Itapuá) e Ventania, pela E. F. Barão de Araruama. Somente em 1896, já com as linhas de posse da Leopoldina, foi entregue a contihuação até Visconde do Imbé e em 1897 a Manoel de Morais. Antes disso, em 1891, o engenheiro Ambrosino Gomes Calaça havia aberto uma linha entre Ventania e Santa Maria Madalena, estabelecendo outro ramal. Logo após a inauguração, a linha foi vendida À E. F. Santa Maria Madalena, e em 1907 à Leopoldina. Dependendo da época, a linha principal era Conde de Araruama-Madalena, ou Conde de Araruama-Manoel de Morais, com o outro trecho sendo o ramal, ou seja, passando por baldeação ou espera em Trajano de Morais. Em 31/08/1965, o trecho Trajano-Madalena foi suprimido, e o trecho Conde de Araruama-Manoel de Morais foi suprimido em duas partes, antes e depois de Triunfo, em 31/05/1966 e 31/05/1967.
mapa do ramal de Santa Maria Madalena em 1961 mapa do ramal de Manoel de Morais em 1961

RAMAL DE CAMPISTA: A E. F. Campista foi constituída em 16/10/1894, e inaugurou a linha entre Campos e Atafona em 3/9/1897. Foi vendida à Leopoldina em 1902, passando a se chamar ramal de Campista.Os trens de passageiros rodaram até o final dos anos 60. A linha, ainda parcialmente assentada em diversos trechos em 1996, nunca foi oficialmente suprimida.
mapa do ramal em 1961

RAMAL DE BARÃO DE SÃO JOSÉ: A E. F. Campista era a detentora da concessão, de 1895, para a construção de uma linha ligando a estação de Martins Lage, na linha Campos-Atafona, a Colomins (Barão de São José). Em 1902, a concessão foi transferida à Leopoldina, que construiu e entregou o ramal de Colomins em 15/06/1908. Nos anos 40, o ramal e a estação terminal tiveram o nome alterado para Barão de São José. Os trens de passageiros rodaram até o final dos anos 60. A linha, ainda parcialmente assentada em diversos trechos em 1996, nunca foi oficialmente suprimida.
mapa do ramal em 1961

RAMAL DE SANTO AMARO: A Cia. E. F. Campos a São Sebastião foi criada em 1871, e em 1873 entregou o trecho até as estações de São Gonçalo e de São Sebastião. Em 1889, foi vendida à E. F. Macaé a Campos, que no mesmo ano a prolongou até Mineiros. A ferrovia, encampada mais tarde pela E. F. Leopoldina, em 1908 teve a linha renomeada como ramal de Santo Amaro e foi estendida até Santo Amaro, que se constituiu no seu ponto terminal. Os trens de passageiros rodaram até o final dos anos 60. A linha, ainda parcialmente assentada em diversos trechos em 1996, nunca foi oficialmente suprimida.
mapa do ramal em 1961

E. F. ITABAPOANA:

E. F. ITAPEMIRIM: A E. F. Itapemirim foi construída entre 1910 e 1920, inicialmente entre a estação da Barra, no porto da Barra do Itapemirim e a Usina Paineiras, depois completada até a Praça João Pessoa, em Cachoeiro. A ferrovia derivava de um projeto mais antigo que deveria ligar o porto da Barra a Castelo e Alegre, mais ao norte. Os trechos entre Cachoeiro e Castelo e Coutinho e Rive foram construídos nos anos 1880. O primeiro se transformou na E. F. Caravelas, e parte dele (Coutinho-Castelo) mais tarde foi o ramal de Castelo da Leopoldina. A E. F. Itapemirim foi finalmente extinta em meados dos anos 1960, quando já se estendia até a praia de Marataízes, uma estação além da Barra.

RAMAL DE CABO FRIO (E. F. MARICÁ): A E. F. Maricá teve o seu primeiro trecho aberto em 1888, ligando as estações de Alcântara e Rio do Ouro. Em 1889 chegou a Itapeba e somente em 1894 a Marica. Em 1901, chegava a Manuel Ribeiro. Nilo Peçanha, como Presidente da Província do Rio e também da República, conseguiu a união da linha com a Leopoldina na estação de Neves, construída para esse entroncamento, e do outro lado prolongou a linha até Iguaba Grande. Em 1912, entretanto, o capital dos empresários da região acabou e a linha foi vendida à empresa francesa Com. Generale aux Chemins de Fer. Em 1933, o Governo Federal encampou a ferrovia e a prolongou, em 1936, até Cabo Frio, onde se embarcava sal das salinas das praias. Em 1943, a E. F. Marica foi passada para a Central do Brasil. Em fins dos anos 1950, passou para a Leopoldina. Os trens passaram a sair da estação de General Dutra, em Niterói, entrando no ramal em Neves. Em 1965, somente seguiam trens de subúrbio ligando Niterói a Virajaba, com o resto do ramal já desativado. A ferrovia foi finalmente erradicada em 31/01/1966.

LINHA DO LITORAL
Niterói
(General Dutra)
 
Maruí    
Barreto    
Vila Lage >> >> RAMAL DE CABO FRIO -
antiga E. F. MARICÁ
 
Neves
Sete Pontes
Raul Veiga
Ipiíbas
Maracioba
Virajaba
Santa Eulália
Calaboca
Inoã
Buriche
Itapeba
Maricá
Manuel Ribeiro
Nilo Peçanha
Sampaio Corrêa
Bacaxá
Ponte dos Leite
Araruama
Iguaba Grande
São Pedro da Aldeia
Fonseca >> >> RAMAL DE MACAÉ
Buzios
Barra do São João
Rio das Ostras
Macaé >> LINHA DO LITORAL
Cabo Frio
Porto da Madama    
São Gonçalo    
Alcântara    
Guaxindiba    
Itambi    
Amaral  
Visconde de Itaboraí >> >> (entroncamento com a linha de Saracuruna e do Cantagalo)  
Porto das Caixas >> >> (entroncamento com a linha do Cantagalo)  
Venda das Pedras    
Tanguá    
Rio dos Índios    
Rio Bonito    
Sambé    
Cesário Alvim    
Silva Jardim    
Engenhoca    
Juturnaíba    
Poço da Anta    
Casimiro de Abreu    
Rio Dourado    
Rocha Leão    
Jundiá    
Califórnia    
Imboassica    
>>




Macaé


>>
>>
>> RAMAL DO GLICÉRIO
Mundéus

40 anos após ser desativada, a velha ponte ainda sobrevive no ramal do Glicério, como ponte rodoviária.
Foto Alvano A. Tomei em 2006
Glicério
>> RAMAL DE IMBETIBA
Imbetiba
>> RAMAL DE MACAÉ (E. F. MARICÁ)
Rio das Ostras
Barra do São João
Buzios
Fonseca
Cabiunas    
Carapebus    
Itaquira    
Conde de Araruama >> >> RAMAL DE STA MARIA MADALENA  
Macabuzinho
Conceição de Macabu
Triunfo
Leitão da Cunha
Trajano de Morais >> >> RAMAL DE MANUEL DE MORAIS
Santo Ignacio
Visconde de Imbé
Manuel de Morais
Doutor Loretti
Santa Maria Madalena
Dores do Macabu    
Guriri    
Cupim    
Campos >> >> RAMAL DE CAMPISTA  
>> LINHA DE CAMPOS A MIRACEMA Avenida >> >> RAMAL DE
SANTO AMARO DE CAMPOS
Dona Ana
Goitacazes
Taí
José Amaro (antiga Mineiros)
Saturnino Braga
Mussurepe
Baixa Grande
Santo Amaro de Campos
V V Martins Lage >> >> RAMAL DE
BARÃO DE SÃO JOSÉ
Cambaíba
Barão de São José
Seguro
Airizes
Barcelos
São João da Barra
Atafona
Santa Cruz
Itereré
Javarena
Fazenda da Pedra
Ernesto Machado
Sâo Fidélis
Grumarim
Pureza
Cambuci
Três Irmãos
Vieira Braga
Quartéis
Funil
Aperibé
Baltazar
Santo Antonio de Pádua  
Paraoquena (saída do ramal de Paraoquena)  
Campelo  
Miracema  
Campos-Cargas    
Travessão    
Guandu    
Conselheiro Josino    
Morro do Coco    
Guarataia    
Murundu >> >> (saída da Linha de Carangola)  
Santa Bárbara    
Santa Maria    
Santo Eduardo    
ESTADO DO ESPÍRITO SANTO    
Ponte de Itabapoana >> >> E. F. ITABAPOANA  
Apiacá
Iuru
Bom Jesus de Itabapoana
Dona América    
Inhuma    
Mimoso do Sul    
Muqui do Sul    
Atilio Vivacqua    
Herminio Soares    
Cachoeiro do Itapemirim >> >> saída para o ramal Sul do Espírito Santo  
>> E. F. ITAPEMIRIM
Praça João Pessoa
Felinto Martins
União
Safra
Prates
Ouvidor
Ribeira
Airizes
Paineiras >> >> E. F. do Litoral
Paineiras
Frade
Sapucaia
Rio Novo
Muqui
Perobas
Cerejeiras (antiga Lancha)
Itapemirim
Barra
Marataízes
Cobiça    
Salgadinho    
Soturno    
Salesianos    
Jaciguá    
Vargem Alta    
Guiomar    
Ipê-Açu    
Engano    
Matilde    
Iriritimirim    
Araguaia    
Rio Fundo    
Marechal Floriano    
Domingos Martins    
Pedra do Vento    
Jucu    
Viana    
Vitória    
     
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.