A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Torres Tibagi
Gopoúva
Vila Augusta
...

Cantareira-1950
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: 2008
...
 
Cia. Cantareira (1922-1941)
E. F. Sorocabana (1941-1965)
GOPOÚVA
Município de Guarulhos, SP
Ramal de Guarulhos-km 16,231 (1960)   SP-1955
Altitude: 779 m   Inauguração: 31.12.1922
Uso atual: demolida   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: 1922
 
 
HISTORICO DA LINHA: O ramal de Guarulhos começou como um ramal da E. F. da Cantareira, que, aberto em 15/11/1910, saía da estação do Areal e atingia o Asilo dos Inválidos, no Guapira (depois Jaçanã). Somente em 1913 foi aberta a primeira estação intermediária, Tucuruvi, e aos poucos outras estações passaram a ser abertas na linha, que atingiu Guarulhos em 1915. Em 1947 a linha teve a bitola ampliada de 60 cm para 1 metro, quando esta já atingia o aeroporto militar de Cumbica. Em 31/05/1965, o tráfego do ramal foi suprimido, um ano depois de o trecho Areal-Cantareira ter sido suprimido. Os trilhos foram retirados logo depois e diversas estações foram demolidas.
 
A ESTAÇÃO: "Relatório do Governador, Dr. Washington Luiz, apresentado ao Congresso Legislativo e referente ao ano de 1922, menciona que duas novas estações foram inauguradas: Villa Paulicéa. entre os Km 6 e 7 da linha Guapira-Guarulhos e outra em Gopouva" (Werner Vana, extraído do relatório com data 02/08/1923, pág. 153). "Minha família ia uma vez por mês visitar um casal muito doente que morava na então distante Gopoúva, era só mato por lá, até lagoa com jacaré havia perto da casa deles. Nunca soube direito como minha família "adotou" aquele casal e nem quem eram, só sei que todo mês lá ia a minha avó, meu pai e minha mãe me levando a reboque para a estação da rua João Teodoro carregados com comida, roupas e medicamentos. Eu adorava essa viagem mensal, enquanto o trem não saía eu ficava com o meu pai andando no meio das locomotivas que estavam paradas e, como os maquinistas eram gente boa, sempre podia dar uma sapeadinha no que eu chamava de "cabine do motorista" . Da viagem em si lembro que mal saia da estação e já cruzava sobre o Rio Tamanduateí, quase não tinha graça, mas logo depois chegava na ponte sobre o Tietê e aí era o êxtase, o barulho do madeiramento era incrível, parecia que ia despencar tudo, eu vibrava e minha avó e minha mãe rezavam. Em seguida, mais ou menos na altura de onde é hoje a estação rodoviária até curvar à direita na Ataliba Leonel ele ia no nível da rua, ao lado dos carros feito um bonde. Era um barato você ir andando lado a lado com um ônibus da empresa Parada Inglesa, da Viação Alto do Pari, da Vila Paiva ou mesmo da CMTC. Era literalmente lado a lado, no mesmo nível e encostadinho. Depois que virava à direita, como disse, isso acabava e ele passava em frente a Penitenciária, já em via isolada. Daí em diante era uma viagem sem grandes diferenças das demais. Hoje Guarulhos é como você deve conhecer, só prédios, mas naquela época era mato só e Gopoúva uma selva, por isso quando chegávamos lá a gente embarcava em uma carroça de aluguel das muitos que faziam ponto em frente a estação e íamos para o nosso destino final, a casa daquelas pessoas. Eles tinham lepra, seus corpos apresentavam algumas mutilações próprias da doença e haviam ficado cegos por conta dessa enfermidade mas chegar lá e estar com eles era o grande presente, maior do que andar na Cantareira. Eram duas pessoas que tinham luz própria, acolhedores e carinhosos, alto astral e nunca reclamavam da vida, ao contrário deixavam transparecer uma imensa alegria por haverem sobrevivido ao mal. Um dia eles partiram, a Cantareira foi desativada e eu nunca mais voltei lá, mas essa ferrovia ficou sendo para mim o sinônimo de um puxão de orelha sempre que, por qualquer besteira, eu me ponho a reclamar da vida" (Wanderley Duck, 06/2003). Massaimi Kichi conta que a estação era também chamada de Ilha de Gopoúva, pois o trem parava dos dois lados da estação, e que era ela a de maior movimento da linha, num bairro que não tinha outra alternativa de transporte. A estação de Gopoúva foi desativada em 1965, com o ramal e em seguida foi demolida.

ACIMA: Seis anos depois da instalação da estação, já se anunciavam loteamentos "a três minutos da estação" em Gopoúva - CLIQUE SOBRE A FOTO PARA VER EM TAMANHO MAIOR (Folha da Manhã, 9/6/1928). Com as inundações de 1929, os loteadores fizeram uma propaganda mais agressiva e disseram: "livre de inundação"! (Folha da Manhã, 16/2/1929).



ACIMA: A propaganda do lançamento do bairro foi massiva, sempre relacionando-o à estação do Tramway da Cantareira (Folha da Manhã, 22/4/1928). ABAIXO: Seis dias depois, mais uma (Folha da Manhã, 28/4/1928).

(Fontes: Massaimi Kichi; Wanderley Duck; Werner Vana; Folha da Manhã, 1928 e 1929; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação de Gopoúva, cerca de 1950. Foto Massaimi Kichi
   
     
     
Atualização: 13.03.2016
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.