A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Vila Augusta
Guarulhos
Cumbica
...

Cantareira-1950

Guia Levi-1962
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2003
...
 
Cia. Cantareira (1915 -1941)
E. F. Sorocabana (1941-1965)
GUARULHOS
Município de Guarulhos, SP
Ramal de Guarulhos - km 20,740 (1960)   SP-0762
Altitude: 729 m   Inauguração: 04.02.1915
Uso atual: guarda civil metropolitana (2003) - o prédio é uma replica do original, demolido c. 1968   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: réplica
 
 
HISTORICO DA LINHA: O ramal de Guarulhos começou como um ramal da E. F. da Cantareira, que, aberto em 15/11/1910, saía da estação do Areal e atingia o Asilo dos Inválidos, no Guapira (depois Jaçanã). Somente em 1913 foi aberta a primeira estação intermediária, Tucuruvi, e aos poucos outras estações passaram a ser abertas na linha, que atingiu Guarulhos em 1915. Em 1947 a linha teve a bitola ampliada de 60 cm para 1 metro, quando esta já atingia o aeroporto militar de Cumbica. Em 31/05/1965, o tráfego do ramal foi suprimido, um ano depois de o trecho Areal-Cantareira ter sido suprimido. Os trilhos foram retirados logo depois e diversas estações foram demolidas.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Guarulhos foi inaugurada em 1915, como terminal do ramal de Guarulhos. A partir da primeira metade dos anos 1940, passou a sair de lá um ramal - na verdade, a continuação da linha - para a Base Aérea de Cumbica. Esse ramal foi extinto aparentemente juntamente com o ramal de Guarulhos, em 1965. A estação de Guarulhos foi desativada em 1965, com o ramal. Também se fala que foi quase totalmente reconstruída. É uma estação de madeira que hoje serve de sede para a Guarda Civil Metropolitana, na Praça Quarto Centenário, no centro da cidade de Guarulhos. A estação foi demolida e depois reconstruída. Portanto, a que hoje está lá é uma réplica da original. Junto a ela, de um lado, uma casa amarela, que pertenceu à ferrovia, e que em 2016 era sede do arquivo municipal; do outro lado, uma locomotiva antiga, da Usina Tamoio, de Araraquara, que, segundo consta, estava num sucateiro da cidade e foi resgatada pela Prefeitura, que a deixou exposta em frente à plataforma da antiga estação.

ACIMA: Inauguração da estação de Guarulhos, em foto publicada em 13 de fevereiro de 1915 na revista O Pirralho (Acervo Paulo Castagnet). ABAIXO: A estação com um trem de passageiros, c. 1960 (Autor desconhecido - sigla na foto "embitt scan").



ACIMA: Estação de Guarulhos, logo após a retirada dos trilhos da Cantareira, por volta de 1966. Logo depois seria demolida (Autor desconhecido).
(Fontes: Ralph Mennucci Giesbrecht, pesquisa local; Edson Rodrigues; Paulo Castagnet; Massaimi Kichi; Carl Heinz Hahmann; Glaucia G. Carvalho; Arquivo Histórico de Guarulhos; O Pirralho, 1915; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960; Guia Levi, 1962; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação de Guarulhos, engalanada em 22/04/1947, na inauguração da bitola métrica do ramal. Foto Carl Heinz Hahmann

A estação de Guarulhos, provavelmente no final dos anos 1950. Foto Massaimi Kishi

A estação já funcionando como escola, nos anos 1980 (?). Acervo Arquivo Histórico de Guarulhos

A réplica da estação em 16/11/2003, vista no sentido de Cumbica. Do lado direito, ao fundo, a locomotiva. Foto Ralph Mennucci Giesbrecht

A réplica da estação em 16/11/2003, vista no sentido de Vila Augusta. Foto Ralph Mennucci Giesbrecht

A réplica da estação em 16/11/2003, vista no sentido de Cumbica. Foto Ralph Mennucci Giesbrecht

A "casa amarela", em frente à antiga fachada da réplica da estação. Foto Ralph Mennucci Giesbrecht

A locomotiva da Usina Tamoio, em 16/11/2003. Foto Ralph Mennucci Giesbrecht
 
     
Atualização: 29.05.2016
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.