A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Presidente Altino
Osasco
Comandante Sampaio
...

Tronco EFS-1935
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2017
...
 
Cia. União Sorocabana e Ytuana (1892-1907)
Sorocabana Railway (1907-1919)
E. F. Sorocabana (1919-1971)
FEPASA (1971-1994)
CPTM (1994-)
OSASCO
Município de Osasco, SP
Linha-tronco - km 15,886 (1931)   SP-0749
Altitude: 721 m   Inauguração: 08.1895
Uso atual: estação de trens metropolitanos   com trilhos
Data de construção do prédio atual: 1979
 
 
HISTORICO DA LINHA: A E. F. Sorocabana foi fundada em 1872, e o primeiro trecho da linha foi aberto em 1875, até Sorocaba. A linha-tronco se expandiu até 1922, quando atingiu Presidente Epitácio, nas margens do rio Paraná. Antes, porém, a EFS construiu vários ramais, e passou por trocas de donos e fusões: em 1892, foi fundida pelo Governo com a Ytuana, na época à beira da falência. Em 1903, o Governo Federal assumiu a ferrovia, vendida para o Governo paulista em 1905. Este a arrendou em 1907 para o grupo de Percival Farquhar, desaparecendo a Ytuana de vez, com suas linhas incorporadas pela EFS. Em 1919, o Governo paulista voltou a ser o dono, por causa da situação precária do grupo detentor. Assim foi até 1971, quando a EFS foi uma das ferrovias que formaram a estatal FEPASA. O seu trecho inicial, primeiro até Mairinque, depois somente até Amador Bueno, desde os anos 20 passaram a atender principalmente os trens de subúrbio. Com o surgimento da CPTM, em 1994, esse trecho passou a ser administrado por ela. Trens de passageiros de longo percurso trafegaram pela linha-tronco até 16/1/1999, quando foram suprimidos pela concessionária Ferroban, sucessora da Fepasa. A linha está ativa até hoje, para trens de carga.
 

A ESTAÇÃO: A primitiva função da estação de Osasco parece ter sido a de receber apenas trens de carga. Na verdade, ela foi construída por iniciativa do fundador de Osasco, Antonio Agu, que a queria para poder escoar a produção da sua olaria.

A cidade acabou por se estabelecer em volta da estação. Aliás, o seu nome tinha como motivo homenagear a cidade natal do fundador, que também se chamava Osasco, na Itália. Em 1894 já se lia sobre a estação nos relatórios da Sorocabana, mas sua inauguração como estação de passageiros somente teria ocorrido em agosto do ano seguinte: ela havia sido construída por Agu e entregue por ele à EFS em 1895.

Surgiram casas na rua da estação, um mercado de porcos e pequenas indústrias, além de plantações de frutas, cereais e eucaliptos. Em 1906, "foi construída uma casa para moradia do agente e duas outras para empregados e foi iniciada a construcção de uma nova estação, concluída no começo deste anno (no caso, 1907). Com as novas construcções em Osasco despendeu-se a importancia de Rs 25:017$305" (Relatório da E. F. Sorocabana para 1906). Esta "nova estação", na verdade, teria sido uma ampliação da estação original, já muito pequena.

A estação sofreu uma reforma em 1912. Somente em 1958, foi entregue um novo prédio que, no entanto, continuou pequeno para a demanda de passageiros. O prédio foi inaugurado em janeiro de 1958, mas, em setembro, contuava em obras (Folha da Manhã, 24/8/1958).

Em 1961, Osasco desmembrou-se de São Paulo como município. Com o aumento grande do movimento de passageiros dos trens de subúrbio da Sorocabana, a estação tornou-se muito acanhada, e acabou sendo demolida em 1976 para dar lugar à moderna estação que hoje está lá, aberta oficialmente em 25/1/1979, e que atende aos trens da CPTM. No período em que a velha estação estava no chão e a nova estava em construção, usou-se uma provisória que pode ser vista numa das fotos abaixo.

CLIQUE AQUI PARA VISUALIZAR A ESTAÇÃO VISTA DO SATELITE

"A estação ferroviária da EFS (em Osasco) foi construída em 1904 e reformada em 1912. Pois é este antiquado prédio que registra o maior movimento de passageiros da extensa ferrovia, com exceção da estação Julio Prestes de São Paulo" - assim escrevia Reinaldo de Oliveira, queixando-se na edição de 22/4/1953 do jornal Folha da Manhã. A data de 1904, citada pelo sr. Reinaldo, estava errada.

Em 1950, o então bairro de São Paulo reclamava que a empresa de ônibus paulistana, a CMTC, não levava suas linhas de ônibus até lá, afirmando que "na estação ferroviária, os passageiros que vinham de São Paulo não desciam da plataforma" - entende-se que ela seria muito curta (Folha da Manhã, 5/3/1950).

 







































1902
AO LADO: Leilão no bairro de Osasco. Note-se que já era bem movimentado (O Estado de S. Paulo, 1/7/1902).

ACIMA: Bairro de Osasco em 1903. Ao centro (horizontal), a linha da EFS e a estação bem à esquerda; Ao centro (vertical), a rua Primitiva Vianco. Ao fundo, a fábrica que hoje não mais existe e, abaixo, casinhas que também hoje não mais existem (Autor desconhecido - acervo Hagop Garagem).

ACIMA: Estação de Osasco, possivelmente anos 1910. Atrás, a cerâmica (Autor desconhecido).

ACIMA: A entrada do pátio da estação de Osasco, provavelmente anos 1920. A foto é tirada no sentido interior. Ao fundo, do lado esquerdo, a estação e alguns carros e vagões. Do lado direito da linha, a antiga cerâmica. Hoje, neste ponto, passa (por cima) o viaduto rodoviário que liga os lados sul (à esquerda da linha) e norte (à direita) (Acervo Museu de Osasco).

 

1931
AO LADO: Pede-se alteração dos horários dos trens em Osasco (O Estado de S. Paulo, 25/6/1931).

OBRAS OCORRIDAS NA ESTAÇÃO E SEU PÁTIO DE ACORDO COM RELATÓRIOS DA EFS: 1934 - Instalação de luz no posto de desinfecção de gaiolas;

 

1940
AO LADO: Acidente próximo à estação de Osasco (O Estado de S. Paulo, 22/3/1940).

ACIMA: A estação e sua plataforma e pátio possivelmente nos anos 1940 (Autor desconhecido).

ACIMA: Assalto na estação de Osasco (Folha de S. Paulo, 26/2/1974).


ACIMA: Antigas casas ferroviárias da Vila Dona Leonor - que é o que se lê no detalhe de uma delas, na foto À direita - hoje na avenida das Nações Unidas, e não estão longe da linha, que passa atrás delas a uma distância não muito grande (Fotos Ralph M. Giesbrecht, dezembro de 2008).

(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local; Carlos Roberto de Almeida; Adriano Martins; Robson Batista; Hagop Garagem; Museu de Osasco; O Estado de S. Paulo, 1902 e 1978; Folha da Manhã, 1950, 1953 e 1958; Museu da Cia. Paulista, Jundiaí; E. F. Sorocabana: Relatórios anuais, 1872-1969; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A primitiva estação de Osasco, na virada do século. Foto cedida por Adriano Martins

A primitiva estação de Osasco, na virada do século. Foto cedida por Robson Batista

Fachada da estação em 1923. Foto cedida por Adriano Martins


A estação em 1932. Foto cedida por Adriano Martins


A estação e arredores, em 1948. Foto cedida por Adriano Martins

Estação de Osasco em 1958. Ao fundo, a nova, sendo construída. A "nova" durou apenas 19 anos. Foto dos arquivos do Museu da Cia. Paulista, em Jundiaí, SP

A estação nos anos 1960. Créditos na foto

Vista aérea da estação "nova" de Osasco, em 1962. Ela durou apenas 19 anos, de 1960 a 1979. A anterior já havia sido derrubada. Foto cedida por Adriano Martins

Largo da estação em 1965. Foto cedida por Adriano Martins

Estação de Osasco por volta de 1970. Avervo Hagop Garage

A estação provisória de Osasco, em abril de 1978; a estação de 1962 já havia sido demolida, e a estação nova estava em construção. Foto Reginaldo Manente, do "O Estado de S. Paulo", 18/04/1978

A estação atual, provavelmente anos 1980. Cartão postal

A estação atual, em 21/06/1998. Foto Ralph M. Giesbrecht

A estação em 2014, em interminável reforma. À esquerda, a estação rodoviária. Foto Carlos Roberto de Almeida
 
     
Atualização: 08.09.2018
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.