A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Estações de Minas Gerais
...
RMV-Cruzeiro-Juréia
...
Nogueira
Espera
Pontalete
...
Saída para o ramal de Três Pontas: Três Pontas
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: N/D
...
 
E. F. Muzambinho (1895-1908)
E. F. Minas e Rio (1908-1910)
Rede Sul-Mineira (1910-1931)
Rede Mineira de Viação (1931-1965)
V. F. Centro-Oeste (1965-1966)
ESPERA
Município de Espera, MG
Linha Cruzeiro-Juréia - km 233,378 (1960)   MG-3267
Altitude: 758 m   Inauguração: 19.08.1895
Uso atual: submersa   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
 
HISTORICO DA LINHA: A linha Cruzeiro-Tuiuti (depois Juréia) era originalmente parte da E.F. Muzambinho, que iniciou as atividades em 1887, entre Três Corações e Muzambinho, e parte da E. F. Minas e Rio, que operava o trecho Cruzeiro-Três Corações desde 1884, e que em 1908 incorporou a Muzambinho. Em 1910, esta foi uma das formadoras da Rede Sul-Mineira, que por sua vez formou a Rede Mineira de Viação, em 1931. Em 1965 esta formou a Viação Férrea Centro Oeste e foi finalmente transformada em divisão da Refesa em 1971. Na linha que unia a estação de Cruzeiro, no ramal de São Paulo da EFCB, a Juréia, terminal do ramal de Juréia, da Mogiana, o trecho final entre esta estação e Varginha já não tem mais seus trilhos. Os trens de passageiros foram suprimidos em 1966 entre Varginha e Juréia e em 1983 entre Cruzeiro e Três Corações. De 1997 ao fim de 2001, operaram trens turísticos da ABPF a vapor entre Cruzeiro e Passa-Quatro e hoje esses trens trafegam entre o túnel (Estação Cel. Fulgencio) e Soledade de Minas. Cargueiros da FCA utilizaram a linha Três Corações-Varginha até cerca de 2010.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Espera foi inaugurada em 1895. "Em 1961 a represa de Furnas cobriu toda a cidade. Exatamente 27 metros de água sobre a 'velha Fama'. A cidade foi reconstruída ao redor, mas as memórias e a história de Fama certamente ficaram sepultadas. (...) Suas companheiras, Espera, Josino de Brito, Pontalete, Guapé, São José da Barra e outros trinta municípios tiveram a mesma sina. (...) O rio Sapucaí é hoje um lago quieto,

ACIMA: Estas ruínas seriam do pátio ferroviário de Espera, de acordo com o autor da foto. Seriam mesmo? É aparentemente uma construção não muito antiga, se levarmos em conta o tipo dos tijolos. Mas fica o registro (Foto Guilherme Sampaio, 9/5/2009).
soturno. (...) Ah, represa de Furnas... Não foram por água abaixo apenas algumas cidades do sul de Minas. Afogaram com ela todas as tardes, todas as lembranças, nossas saudades, os risos, vozes queridas. (...) Para nós este lago é só uma imensa lápide de uma cidade que amávamos. Lápide escura, sem nome, data, inscrição e flores
" (Isa Musa de Noronha, Uma Vida na Linha, 2005). Terá mesmo sido em 1961 a submersão, considerando-se que havia trens relatados até Juréia até 1964? E a plataforma com sua cobertura ainda está de pé quando aflora da água em época de seca. Sobre essa cobertura foi feita outra construção mais recente... por que? Na verdade, o prédio da estação aparece como sendo um prédio bem mais recente que a estação em si, que foi inaugurada em 1895. Dá para se ver que pelo menos a cobertura da plataforma foi feita em concreto armado. Deve ter funcionado por pouquíssimo tempo depois de construída. "A estação da Espera, inaugurada em 18/8/1895, era o ponto de entroncamento da E.F. Trespontana com a E.F. Muzambinho, na linha que ligava Três Corações com a Juréia. Posteriormente, a estação passou para a Rede Sul-Mineira e depois para a RMV. O tráfego de trens foi encerrado pela RMV em 1963 com a formação do reservatório de Furnas e a estação fica submersa quando o reservatório está cheio. A estação da Espera possuía duas plataformas muito sólidas, uma delas era coberta e a outra, não. A linha que vinha de Varginha usava o lado esquerdo da plataforma coberta, que é o lado mais perto do rio Verde. O lado direito, entre as duas plataformas, era usado pela E.F. Trespontana para baldear seus passageiros, cargas e malas postais. É possível que a segunda plataforma tenha sido construída pela E.F. Trespontana para receber seus trens. O prédio da estação e a morada do agente ficavam no lado direito. O local era bem movimentado, pois além da estação havia o prédio dos correios, uma venda e outras construções, todas demolidas. As plataformas estão em bom estado, apesar de quase 70 anos de uso e 50 anos submersas. As pilastras da parte coberta da plataforma usam trilhos leves com uma capa de concreto para suportar o teto de concreto armado. Isto significa que, provavelmente, a cobertura da plataforma não era originalmente uma lage de concreto, mas que foi reformada posteriormente. O dono das terras onde ficava a estação era o Sr. Lourival Mendonça, cujo apelido era "Barbaridade". Depois que a estação foi abandonada, ele construiu doze pilares de tijolos sobre a cobertura da plataforma e uma casa sobre os pilares. Quando o reservatório está cheio, os pilares de tijolos ficam cobertos pela água, mas as ruínas da casa ficam aparentes e podem ser vistas com o lago cheio. O Sr. Lourival usava então uma canoa para ir até sua pequena morada e completava a escalada usando uma escada de corda que ficava pendurada na casa. Seguindo a linha na direção de Gaspar Lopes e Juréia, existe um aterro longo à esquerda e depois uma ponte para que a linha pudesse passar sobre o Rio Espera. Logo depois da ponte a linha se bifurcava: para a direita seguia a linha da E. F. Trespontana para Três Pontas, para a esquerda seguia a linha da Muzambinho para a Juréia. Um guarda-chaves comandava o desvio e um pequeno trecho da linha era compartilhado pelas duas ferrovias, já que a linha da Trespontana não chegava diretamente na estação da Espera. Não consegui localizar um virador para as locomotivas da E.F. Trespontana, mas é provável que, na bifurcação da linha, logo depois do aterro, existia um triângulo de reversão, pois é fácil construir um triângulo neste local. No início do aterro podem ser vistas as ruínas da venda do Velho Miranda, que durante muitos anos forneceu mercadorias para os viajantes e moradores do local" (Fernando Villamarin, 2014).
ACIMA: A estação de Espera ressurge outra vez das águas em 2012 (Acervo Fabio Libanio/EPTV Sul de Minas).
(Fontes: Fabio Libanio; Fernando Villamarin. EPTV/Sul de Minas; Guilherme Sampaio; Isa Musa de Noronha: Uma vida na linha, 2005; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960; Guias Levi, 1932-1970)
     

Plataforma da estação aflora sobre a água, em 12/2010. A construção na foto maior acima realmente está sobre essa plataforma... foi feita depois, mas com que intenção? Foto Guilherme Sampaio
   
     
     
Atualização: 03.09.2014
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.