A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG

Pátio de Barra do Piraí
 
e. f. dOM pEDRO ii / E. F. Central do Brasil
rotunda de BARRA DO PIRAÍ
Município de Barra do Piraí, RJ
     
Uso atual: EM FUNCIONAMENTO    
 
ROTUNDAS são depósitos de locomotivas de forma circular ou semi-circular: variam geralmente de prédios construídos em 90 graus até prédios totalmente circulares, construídos em 360 graus. A distribuição das locomotivas para cada baia é feita por um girador, movido na maioria das vezes manualmente. Estes giradores são trilhos que giram dentro de um círculo com um poço, cujos trilhos são apontados para a baia que receberá a máquina. Não confundir girador (ou virador, ou giramundo) com rotunda.
 

Rotunda de Barra do Piraí - 360 graus

ACIMA: A rotunda antiga, a primeira, de Barra do Piraí, já com 180 graus, depois derrubada após a construção da rotunda atual de 360 graus, de 1891. Interessante notar à esquerda, quase junto a ela, a estação de Barra do Piraí da E. F. Sapucaí, encravada no terreno da E. F. D. Pedro II (Pedro Karp Vazquez: Nos Trilhos do Progresso, 2007). ABAIXO: Ainda a rotunda antiga, a primeira, em fotografia de 1881 (Colecção de 44 vistas photográphicas da Estrada de Ferro Pedro 2º, 1881).

ACIMA: A segunda rotunda de Barra do Piraí, no início do século XX (Autor desconhecido). ABAIXO: Interior da rotunda, já não em bom estado em 1930 (Autor desconhecido).


ACIMA: Pátio da rotunda, por volta de 2000 (Autor desconhecido). ABAIXO: Magnífico frontão com a forma de uma locomotiva a vapor e o ano da construção da rotunda - 1891 (Jore A. Ferreira).

Barra do Piraí teve duas rotundas, ambas da E. F. Central do Brasil (anteriormente nomeada como E. F. D. Pedro II), sendo que a atual (de 1891) é a segunda. A primeira - originalmente de 360 graus e depois reduzida a 180 graus - ficava aproximadamente no local onde hoje ainda está o prédio da subestação elétrica, junto ao triângulo formado pela Linha do Centro com a saída para o ramal de São Paulo. Ela ficava próxima, quase junta, da estação da E. F. Sapucaí, mas era da Dom Pedro II. Aquilo tudo era uma confusão só. A linha da bitola métrica cruzava sobre a bitola larga entre as duas estações, a da Central e a da EFS. A distância entre as duas devia ser de uns duzentos a trezentos metros. Ela tinha janelas retangulares. As duas rotundas conviveram por pelo menos 10 anos, pois o livro do Paula Pessoa menciona a existência das duas "casas de machinas" em Barra do Piraí.
(Fotos: Juan Rudolph; Eduardo Coelho; Jorge A. Ferreira; Colecção de 44 vistas photográphicas da Estrada de Ferro Pedro 2º, 1881)

     

anos 1960

1987 - Eduardo Coelho

1990 - Eduardo Coelho

1990 - Eduardo Coelho

2005 - J. A. Ferreira

2006

2006
 
     
Atualização: 18.04.2015
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.