A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Linha da E. F. Goiaz
RMV - Linha-tronco
...
Soldado José Francisco
Eng. Raul Gonçalves
Ipameri
...

IBGE - 1957
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: N/D
...
 
 
E. F. Goiaz (1913-1965)
V. F. Centro-Oeste (1965-1975)
RFFSA (1975-1976)
ENG. RAUL GONÇALVES (antiga IÇÁ)
Município de Ipameri, GO
Linha-tronco - km 136,724 (1960)
  GO-3586
  Inauguração: 10.12.1913
Uso atual: depósito de fazenda   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
HISTORICO DA LINHA: A linha-tronco da E. F. Goiaz foi aberta a partir de Araguari, onde já estavam os trilhos da Mogiana desde o ano de 1896, em seu primeiro trecho em 1911, até a ponte sobre o rio Paranaíba, na divisa entre os Estados de Minas Gerais e Goiás. A partir de então, foi aquela demora de sempre: avançando lentamente, atingiu Goiânia, capital do Estado de Goiás desde o início dos anos 1940, somente em 1950, e alguns anos mais tarde a linha foi prolongada em dois quilômetros até Campinas de Goiás. Aí parou. Com a entrada em operação da linha para Brasilia, a partir da estação de Roncador, o trecho até Goiânia perdeu em importância. Hoje boa parte da linha está em operação para trens cargueiros: trens de passageiros acabaram nos anos 1980.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Içá foi inaugurada em 1913. Em 1944, teve o nome alterado para Engenheiro Raul Gonçalves. Em 30 de novembro de 1976, o trecho Eng. Raul Gonçalves-Inajá, na variante Araguari-Pires do Rio, foi entregue pela 1a Companhia de Construção do Batalhão Ferroviário Mauá à RFFSA e a estação de Engenheiro Raul Gonçalves foi fechada, substituída pela nova, a 2 km, na variante. Fora e longe da variante, seus trilhos foram retirados. A estação está hoje servindo como depósito de uma fazenda. O prefixo era ERG. Está ainda em relativo estado de conservação porque fica bem próxima a uma sede de fazenda (também antiga) que a utiliza como depósito agrícola. Ainda traz o nome escrito nas paredes laterais. Fica na margem esquerda de um rio que parece ser o Vai-Vem. O mais impressionante são umas belíssimas ruínas 600 m abaixo, entre os trilhos e o rio: com grandes arcos plenos, uma construção provavelmente dos anos 1920, feita em tijolos aparentes e arquitetura esmerada com vários patamares, utilizava a força do rio e o transporte ferroviário. Segundo contam, foi uma importante fábrica de tecidos que acabou sendo incendiada por uma fagulha de locomotiva a vapor. Coordenadas da estação: 17°50'26.40"S 48°10'28.70"W (Veja também ENGENHEIRO RAUL GONÇALVES-NOVA)
(Fontes: Roberto Fonseca Dias, 2006-9; Glaucio Henrique Chaves, 2009; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960; Batalhão Mauá - Uma História de Grandes Feitos, Edmar César Alves, 2002)
     

A estação original de Engenheiro Raul Gonçalves em 25/11/2006. Foto Roberto Fonseca Dias

A estação original de Engenheiro Raul Gonçalves em 25/11/2006. Foto Roberto Fonseca Dias

A porta da estação original de Engenheiro Raul Gonçalves em 25/11/2006. Foto Roberto Fonseca Dias

A estação original de Engenheiro Raul Gonçalves em 25/11/2006. Foto Roberto Fonseca Dias

A estação original de Engenheiro Raul Gonçalves em 25/11/2006. Foto Roberto Fonseca Dias
 
     
Atualização: 14.03.2009
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.