A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Barretos
Amoreira
Adolfo Pinto
...

Tronco CP-1935
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 1999
...
 
Cia. Paulista de Estradas de Ferro (1926-1971)
FEPASA (1971-1998)
AMOREIRA
(antiga ALBERTO MOREIRA)
Município de Barretos, SP
Linha-tronco - km 470,626 (1958)   SP-0923
Altitude:   Inauguração: 14.07.1926
Uso atual: moradia   com trilhos
Data de construção do prédio atual: 1926
 
 
HISTORICO DA LINHA: A linha-tronco da Cia. Paulista foi aberta com seu primeiro trecho, Jundiaí-Campinas, em 1872. A partir daí, foi prolongada até Rio Claro, em 1876, e depois continuou com a aquisição da E. F. Rio-Clarense, em 1892. Prosseguiu por sua linha, depois de expandi-la para bitola larga, até São Carlos (1922) e Rincão (1928). Com a compra da seção leste da São Paulo-Goiaz (1927), expandiu a bitola larga por suas linhas, atravessando o rio Mogi-Guaçu até Passagem, e cruzando-o de volta até Bebedouro (1929), chegando finalmente a Colômbia, no rio Grande (1930), onde estacionou. Em 1971, a FEPASA passou a controlar a linha. Trens de passageiros trafegaram pela linha até março de 2001, nos últimos anos apenas no trecho Campinas-Araraquara.
 
A ESTAÇÃO: Inaugurada como Alberto Moreira, em 1926, mais tarde teve o nome trocado para Amoreira, como conseqüência da abreviação do nome como A. Moreira. Entre Barretos e esta estação, ainda sai um desvio que leva(va) para alguma fazenda ou indústria. Os trens de passageiros para Amoreira foram suprimidos em julho de 1978. A vila hoje é um distrito, ainda se chama Alberto

ACIMA: Casa ferroviária em Amoreira (Foto Rafael Corrêa, em dezembro de 2009).
Moreira, é pobre e pode-se chegar a ela por asfalto, desde Barretos, cerca de dezoito quilômetros antes. Em 1999, na estação

Alberto de Mandonça Moreira, Chefe de Linha da Cia. Paulista em 1918, o homenageado
moravam duas famílias, estando o prédio em muito más condições. Um dos moradores (Sebastião Francelino) sobrevivia fazendo artesanato e pagando R$ 35,12 de aluguel por mês, agora à RFFSA, dona do patrimônio. Os bambus escoravam a cobertura da plataforma para que ela não caisse. Em 2004, a estação continuava de pé e a variante construída fora de Barretos, em 2003, eliminando os trilhos da área urbana da cidade, terminava pouco antes da estação de Amoreira, sentido Colombia. A estação, em dezembro de 2008 não havia se alterado muito desde 1999,
quando lá estive; continua habitada e com a maioria das suas partes originais no lugar. Menos mal.
(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local; Henrique Pedro Soares dos Santos; Rafael Corrêa; Cia. Paulista: relatórios oficiais, 1874-1969; Filemon Peres: Álbum dos 50 anos da Cia. Paulista, 1918; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A placa da estação, em 29/12/1999. Foto Ralph M. Giesbrecht

A estação, em 29/12/1999. Foto Ralph M. Giesbrecht

A estação, em 29/12/1999. Foto Ralph M. Giesbrecht

A estação, em 16/07/2005. Foto Henrique Pedro Soares dos Santos

A estação, em 16/07/2005. Foto Henrique Pedro Soares dos Santos

A estação, em 16/07/2005. Foto Henrique Pedro Soares dos Santos

A estação, em 16/07/2005. Foto Henrique Pedro Soares dos Santos

A estação em 12/2008. Foto Rafael Corrêa
 
     
Atualização: 01.03.2015
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.