A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Indice de estações
...
Aratu
Mapele
Santa Luzia
...
Saída para a linha Sul: Passagem dos Teixeiras
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2005
...
 
E. F. Bahia ao São Francisco (1860-1911)
Cia. Chemins de Fer Federaux du L'Est Brésilien (1911-1935)
V. F. F. Leste Brasileiro (1935-1975)
RFFSA (1975-1996)
MAPELE
Município de Simões Filho, BA
Linha tronco - km 21,776 (1960)   BA-2353
Altitude: 7 m   Inauguração: 10.09.1860
Uso atual: moradia (2005)   com trilhos
Data de construção do prédio atual: anos 1940
 
 
HISTORICO DA LINHA: A linha-tronco da Viação Ferrea do Leste Brasileiro (VFFLB) era a linha original da E. F. Bahia ao São Francisco, aberta entre 1860 e 1863 e ligando a estação da Calçada, em Salvador, à de São Francisco, em Alagoinhas, ainda bem longe do rio do mesmo nome. Esta linha foi incorporada pelo Governo baiano em 1903, repassada a outros concessionários até que em 1911 foi entregue à concessão da Cia. Chemins de Fer Federaux du L'Est Bresilien, de capital francês. Em 1935, a VFFLB foi criada pelo Governo para ficar com o acervo dos franceses, já sem interesse de mantê-la. Em 1975 foi definitivamente incorporada pela RFFSA como uma de suas divisões, depois de ter sido uma das constituintes desta, em 1957. O último trem de passageiros de longo percurso passou pela linha nos anos 1980, e hoje (2005) trafegam, no trecho Calçada-Paripe, apenas trens elétricos metropolitanos, ainda sob a batuta da CBTU. Hoje todas as linhas baianas que sobram em atividade estão sob a concessão da Ferrovia Centro-Atlântica (FCA).
 
A ESTAÇÃO: A estação de Mapele foi aberta em 1860 na E. F. Bahia ao São Francisco. A estação, situada no fundo da Baía de Aratu, uma baía menor que está na parte mais norte da Baía de Todos os Santos, está localizada no município de Simões Filho. Outrora um dos pontos de veraneio da cidade de Salvador, hoje é um bairro pobre com casas e sítios muito simples. Era uma região de usinas e engenhos de açúcar, a que a estação certamente atendia. "A partir de 1947, com o começo da exploração do petróleo na região, inicia-se o processo de industrialização na banda oriental do Recôncavo. Em setembro de 1950, entrou em funcionamento a Refinaria de Mataripe. Em 1967, criou-se o Centro Industrial de Aratu, nos municípios de Simões Filho e Candeias, e após sete anos de trabalho, inaugurou-se o Complexo Petroquímico de Camaçari. Estas novas atividades introduziram profundas mudanças sócio-econômicas na região, atingindo primeiro a pequena lavoura de subsistência para em seguida afetar o que restou da agroindústria açucareira. Nas áreas desapropriadas pela Petrobrás são criadas extensas florestas de eucaliptos e pinheiros para produção de carvão vegetal. Plantações de bambu se expandem para atender a demanda das fábricas de papel. A paisagem do Recôncavo se transforma e os canaviais se restringem a pequenas áreas. Com a desapropriação de grande glebas para a implantação de projetos industriais estes edifícios são, de forma definitiva, abandonados. Não é cogitado o reaproveitamento desse monumentos dentro do programa de desenvolvimento industrial da região, e arruinam-se, deste modo, conjuntos monumentais como os de Aratu e de Mapele, dentre outros." Em Mapele, a linha se dividia, seguindo a leste para Simões Filho, depois de passar por um túnel muito próximo à estação, e, à esquerda, para Candeias, acompanhando a baía e depois se afastando dela, seguindo para o sul do Estado, ligando-se com a antiga Central do Brasil em Monte Azul, Minas Gerais. A bifurcação ainda existe, mas os trens cargueiros da FCA passam direto de Candeias para Simões Filho e vice-versa; Mapele, hoje em ruínas - é uma estação típica das de segunda classe reconstruídas pela Leste Brasileiro nos anos 1940 - é habitada por uma família humilde, que ficou conversando comigo sobre o abandono de tudo ali em volta. Os desvios foram arrancados; a linha principal está coberta de terra e mato. Ou seja: entre Mapele e Paripe, que é hoje o ponto final dos trens de subúrbio de Salvador, um trecho de cerca de 10 km, trem algum conseguiria passar. E pensar que, em 1980, um plano para o Centro Industrial de Aratu, que incluía extensas áreas nos municípios de Simões Filho e de Candeias, previa não somente a manutenção dos trens de subúrbio que na época seguiam até Simões Filho e sua extensão para Camaçari e para Dias D'Ávila, como também a modificação e retificação das linhas da então RFFSA naquela área. Nada foi feito, o Centro Industrial de Aratu, que chegou a ter algumas indústrias grandes, foi "engolido" pelo Pólo Petroquímico de Camaçari, o veraneio em Mapele já era coisa do passado, e hoje, além do abandono e do mato, a Petrobrás está ali construindo um oleoduto ou alo do tipo. A estação fica exatamente no vértice do triângulo que aponta para Paripe, portanto, hoje fora da linha de passagem do trem da FCA, ou seja, a uns 150 metros da linha operacional. Já houve tempos em que o trem de subúrbios chegava a Mapele, o que parece ter ocorrido durante os anos 1970. Em março de 1970 foram desativados os 34 km de eletrificação entre Candeias e Santo Amaro. Em fevereiro de 1972 foi a vez do trecho norte, com a desativação do trecho de 122 km entre Mapele e Alagoinhas, restando portando os 44 km entre Salvador e Candeias. No mesmo ano o serviço de subúrbios foi restrito a Mapele, a 22 km de Salvador; alguns anos mais tarde o trajeto servido recuou até Aratu, a 19 km de Salvador. O Guia Levi de 1978 mostrava um trem Salvador-Candeias com dois horários, além dos trens de longo percurso que nessa época corriam de Salvador a Senhor do Bonfim, parando em Mapele. O antigo prédio da estação servia como moradia, embora parte dele já houvesse desabado.
"Li os processos da Inquisição. (...) Percorrendo o índice, só deparei ilustres desconhecidos. Há um Lemos, parente de Frei Vicente, com muitas referências, o que indica sérias culpas no cartório. Há um outro fuão com a alcunha de Mapelle. Será o que deu a um subúrbio da mulata velha (Salvador) o nome ainda hoje conservado e tão pouco transparente?"
AO LADO: Carta de Capistrano de Abreu a João Lucio de Azevedo, 24 de junho de 1920.

ACIMA: Neste mapa do plano diretor da região em 1980, vê-se a região de Mapele, sem mostrar a estação, mas ela está no alto do mapa, onde há uma bifurcação da linha, com um triângulo, Ali se separam as linhas que v"ao (para a esquerda) para Monte Azul e (à direita) para Juazeiro. É interessante notar que, de acordo com o ,apa, havia uma série de desvios, para o norte e para o sul, naquela região, provavelmente desvios industriais (CLIQUE SOBRE O MAPA PARA VER EM TAMANHO MAIOR).
(Fontes: Alexandre Santurian; Coaraci Camargo; Paulo Ormindo David de Azevedo; A. A. Gorni: A Eletrificação nas Ferrovias Brasileiras, 2004; Correspondência de Capistrano de Abreu, MEC, Rio de Janeiro, 1954; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960; Guias Levi, 1932-84)
     

A estação de Mapele, em 16/10/2005. Foto Ralph M. Giesbrecht

A estação de Mapele, em 16/10/2005. Foto Ralph M. Giesbrecht

A estação de Mapele, em 16/10/2005. Foto Ralph M. Giesbrecht

Desvios e linha principal em Mapele, no sentido norte, em 16/10/2005. Foto Ralph M. Giesbrecht

A estação de Mapele, em 16/10/2005. Foto Ralph M. Giesbrecht
 
     
Atualização: 18.07.2016
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.