A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Cibratel
Camboriú
Jardim Regina
...

ramal de Juquiá-1980

IBGE-1960
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 1998
...
 
E. F. Sorocabana (1929-1971)
FEPASA (1971-1998)
CAMBORIÚ
Município de Itanhaém, SP
Ramal de Juquiá - km 155,277 (1986)   SP-0882
    Inauguração: 01.08.1929
Uso atual: moradia   com trilhos
Data de construção do prédio atual: 1934
 
 
HISTORICO DA LINHA: O ramal foi construído pelos ingleses da Southern São Paulo Railway, entre 1913 e 1915, partindo de Santos e atingindo Juquiá. Em novembro de 1927, o Governo do Estado comprou a linha e a entregou à Sorocabana, já estatal, no mês seguinte. O trecho entre Santos e Samaritá foi incorporado à Mairinque-Santos, que estava em início de construção no trecho da serra do Mar, e o restante foi transformado no ramal de Juquiá. A partir daí, novas estações foram construídas, e em 1981, o ramal foi prolongado pela Fepasa, já dona da linha desde 1971, até Cajati, para atender as fábricas de feritlizantes da região. O transporte de passageiros entre Santos e Juquiá foi suspenso em 1997, depois de 84 anos. A linha seguiu ativa para trens de carga que passavam quase diariamente, transportando enxofre do porto para Cajati, até o início de 2003, quando barreiras caíram sobre a linha na região do Ribeira. O transporte foi suspenso e a concessionária Ferroban desativou a linha, que o mato cobriu rapidamente.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Camboriú foi aberta em 1929, tendo sido uma das primeiras estações construídas pela Sorocabana após a aquisição da linha. A quilometragem original era 63,300, e originalmente era apenas uma parada. Fica na av. Sorocabana, esquina com a av. Padre José de Anchieta. Está descaracterizada e servindo como moradia. Ao lado da estação, já há anos, jazem os

OBRAS OCORRIDAS NA ESTAÇÃO E SEU PÁTIO DE ACORDO COM RELATÓRIOS DA EFS: 1934 - Construção da estação

enferrujados destroços da antiga ponte ferroviária sobre o rio Itanhaém... "Por diversas vezes embarquei e desembarquei nesta estação. Em um passado distante havia dois desvios que serviam para cruzamentos e há cerca de 10 anos um desvio foi reconstruído e ao seu lado foi erigida uma grande plataforma que serviu durante algum tempo para carregamento de areia (feito por caminhões e pás-carregadeiras), mas que por motivos ecológicos foi suspenso. Nota-se que a dita cuja sofreu reformas e há pessoas habitando a mesma e, também, pela quantidade de vegetação que não mais tráfego de trens. Pelo jeito o negócio do cimento em Cajati já era... Notem que a foto de 1988 foi tirada de cima da plataforma destinada ao carregamento da areia" (Hermes Y. Hinuy, 03/2003). Em 2010, sem funcionamento do ramal, os trilhos estavam cobertos de mato no local.
(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local; Nilson Rodrigues; Hermes Y. Hinuy; Adriano Martins; Ricardo Koracsony; FEPASA: Relatório de Instalações Fixas, 1986; E. F. Sorocabana: Relatórios oficiais, 1925-69; IBGE, 1960; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação ainda era uma graça em 10/10/1988. Foto Hermes Y. Hinuy

Estação de Camboriú em 20/04/1998. Foto Ralph M. Giesbrecht

Estação de Camboriú em 20/04/1998. Foto Ralph M. Giesbrecht

A estação em 2001. Foto Adriano Martins

A estação em 2002, tendo do outro lado da linha os destroços da antiga ponte da linha. Foto Ricardo Koracsony

A estação em 02/2005. Foto Ailton Luiz Gouveia

A estação em agosto de 2010. Foto Nilson Rodrigues
   
     
Atualização: 18.05.2013
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.