A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Indice do MS
...
Lagoa Rica
Manoel Brandão
Campo Grande
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: N/D
...
 
E. F. Noroeste do Brasil (1951-1975)
RFFSA (1975-1996)
MANOEL BRANDÃO
Município de Campo Grande, MS
Linha-tronco - km 861,731 (1959)   MS-1597
    Inauguração: 01.12.1951
Uso atual: desconhecido   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: 1951
 
 
HISTORICO DA LINHA: A E. F. Itapura a Corumbá foi aberta a partir de 1912, entrte Jupiá e Agua Clara e entre Pedro Celestino e Porto Esperança, deixando um trecho de mais de 200 km entre as duas linhas esperando para ser terminado, o que ocorreu somente em outubro de 1914. A partir daí, a linha estava completa até o rio Paraguai, ao sul de Corumbá, em Porto Esperança; somente em 1952 a cidade de Corumbá seria alcançada pelos trilhos. Logo dedpois da entrega da linha, em 1917, a ferrovia foi fundida com a Noroeste do Brasil, que fazia o trecho inicial no Estado de São Paulo, entre Bauru e Itapura. E em 1975, incorporada como uma divisão da RFFSA, foi finalmente privatizada sendo entregue em concessão para a Novoeste, em 1996.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Manoel Brandão foi inaugurada em 1951. Seu nome homenageava um antigo funcionário da Noroeste do Brasil que atuava geralmente na área de Mato Grosso, tendo sido chefe de estações e chefe de tráfego durante os anos 1900 e 1910. Essa estação era considerada uma referência para quem usava os trens de passageiros, sendo ela a última parada antes da estação central de Campo Grande. Até hoje fica afastada da cidade, embora o povoamento da área tenha aumentado nos últimos anos, mesmo depois da supressão desses trens. Ali embarcavam e desembarcavam em sua maioria funcionários da RFFSA, que moravam ali, lugar tranqüilo e afastado. Isto, até que, em 2004, a variante construída pelo sul de Campo Grande eliminou-a da linha principal: ela ficou como ponta da linha eliminada, é exatamente até ali que a velha linha desativada ainda mantém seus trilhos, vindos de Lagoa Rica. Seu pátio de vagões ainda mantém vagões de algumas empresas que existem por ali.
(Fontes: Clodoaldo Marques; J. M. Pinheiro; José H. Bellorio; Julio Nogueira; revista Metrópole, 2004; O Avaiense, 01/2008; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960)
     

A estação de Manoel Brandão em 1976. Foto José H. Bellorio

Pátio de Manoel Brandão em 2004. Foto da revista Metrópole, no. 63, 08/2004

A estação em 11/5/2010. Foto Clodoaldo Marques

A estação em 7/2012. Foto J. M. Pinheiro
   
     
Atualização: 15.07.2012
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.