A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Cascalho
Pontal
Cândia
...
Saída para o ramal de Sertãozinho:
Francisco Schmidt
...

ramal de Pontal - 1950
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2003
...
 
Cia. Paulista de Estradas de Ferro (1903-1970)
Cia. Mogiana de Estradas de Ferro (1970-1971)
Fepasa (1971-1998)
PONTAL
Municípios de Sertãozinho (1903-1935);
Pontal (1935-), SP
Ramal de Pontal - km 14,500 (1938)   SP-2725
Altitude: 575 m   Inauguração: 25.03.1903
Uso atual: em ruínas (2016)   com trilhos
Data de construção do prédio atual: 1903
 
 
HISTORICO DA LINHA: O ramal de Pontal, da Cia. Paulista, se originou do ramal do Mogi-Guaçu, aberto em 1903 ligando Rincão a Pontal. A partir de 1914, Pontal foi ligada ao ramal de Sertãozinho, da Mogiana, pelo acordo entre as duas companhias. Em 1930, com a consolidação do tronco de bitola larga da Paulista passando pelo trecho entre Guatapará e Passagem, o agora ramal de Pontal ficou sendo apenas a parte entre esta última e Pontal. Já havia um ano, entretanto, Pontal estava ligada a outra ferrovia, a E. F. Morro Agudo, que partia dali e atingia Morro Agudo, com 41 km de linha. Com a compra desta ferrovia pela Paulista, em 1952, depois de anos de administração da linha, a ferrovia foi incorporada e passou a fazer parte do ramal de Pontal. Em 16/09/1966, o trecho da antiga EFMA foi fechado e os trilhos retirados. Em 1970, o trecho Passagem-Pontal foi unido à Mogiana administrativamente, passando a constituir um ramal único, sem necessidade de baldeações. Em 1971, passou para a Fepasa, e poucos anos depois, o tráfego de passageiros foi suprimido. O ramal está abandonado há anos, sem movimento de cargas, e em 1998 passou a ser propriedade da concessão da Ferroban.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Pontal foi inaugurada em 1903, em terras da fazenda das Contendas, tendo sido o prédio construído por Acácio de Mesquita. Segundo Roberto Vasconcellos Martins, foi a estação que originou a cidade. Era, na época, ponta de linha do ramal do Mogi-Guaçu, que saía de Rincão.

Como consequência de um dos acordos com a Mogiana para três pontos de baldeação de linhas, em 1914 passou a se ligar às linhas do ramal de Sertão-zinho, da Mogiana.

Em 1927, a Paulista comprou um trecho da São Paulo-Goiaz, entre Passagem e Bebedouro, e o transformou, aumentando sua bitola, em parte de sua nova linha-tronco; o trecho do ramal de Mogi-Guaçu, que ficou fora da transformação, entre Passagem e Pontal, passou a se chamar, então, ramal de Pontal.

Em 1929, a Paulista passou a administrar a Cia. Estrada de Ferro Morro Agudo, particular, e cuja linha partia também de Pontal, seguindo até Morro Agudo, 40 km à frente.

Em 1952, a Paulista comprou essa ferrovia e a incorporou formalmente ao ramal de Pontal, que estava, então, prolongado até Morro Agudo. Este trecho final acabou por ser extinto em 16 de setembro de 1966, voltando Pontal a ser ponta do ramal, mas ainda ligado ao ramal de Sertãozinho, da Mogiana.

Em 01/04/1970, foi assinado um contrato de comodato entre a Paulista e a Mogiana, que cedia por 20 anos a operação do trecho Passagem-Pontal a esta última. Com isto, Pontal passou a ser operada pela Mogiana. Acabavam, então, as baldeações de passageiros e cargas na estação. Com a constituição da Fepasa, em novembro de 1971, o comodato perdeu o sentido.

Em 1986, a
estação de Pontal estava ainda aberta e trocava staff.

Em 2007 estava abandonada, mas ainda com trilhos cobertos de mato, pois o ramal não foi oficialmente extinto. Isto até o dia 22 de agosto de 2007, quando a Prefeitura começou a retirar os trilhos que passavam pela cidade, sem que tivesse poderes para tanto, pois, abandonados ou não, os trilhos do ramal todo eram concessionados atualmente à Ferrovia Centro-Atlântica (FCA), que não os usava mas tinha obrigação de conservá-los - coisa que também não faz.

"A estação está inteira destruída, o telhado está caindo, arrancaram as portas, ano passado (2007) o prefeito começou uma retirada irregular dos trilhos que passam aqui pela cidade, mas foi denunciado, mesmo assim, arrancou grande parte da linha. O armazém ainda está de pé, usado pela prefeitura, as casas da ferrovia estão de pé também" (Henrique Torres, 11/2008).

Em 2016 estava em ruínas. Somente estavam as paredes em pé; o telhado já havia caído todo.

ACIMA: Mapa publicado na imprensa no dia da inauguração da ferrovia (O Estado de S. Paulo, 15/8/1929). ABAIXO: O pátio da estação de Pontal em 13/8/2011 (Foto Rodrigo Flores).

AO LADO: Pelas fotografias nesta página, parece que jamais esta promessa foi realizada - ou seja, a estação ficou a mesma (Folha da Manhã, 7/5/1950).
(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local; Rodrigo Flores; Mariana Neves; Henrique Aparecido Torres; Angelo_; Revista de Ribeirão Preto, 1939; O Estado de S. Paulo, 1929; Folha da Manhã, 1950; Arquivo Municipal de Ribeirão Preto; Cia. Paulista: relatórios anuais, 1875-1970; Cia. Paulista: Álbum de 50 anos, 1918; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação de Pontal em 1918. Álbum dos 50 anos da Cia. Paulista

A estação de Pontal (ao fundo) em 1918. Álbum dos 50 anos da Cia. Paulista

Em 1939, a inauguração da litorina da Mogiana que fazia o trecho Pontal-Ribeirão Preto. Foto da Revista de Ribeirão Preto, Arquivo Municipal de Ribeirão Preto

Em 17/11/1998, a estação de Pontal. Foto Ralph M. Giesbrecht

Em 17/11/1998, a estação de Pontal. Foto Ralph M. Giesbrecht

A estação abandonada em 2007. Foto Angelo

A estação em 1/2011. Foto Rodrigo Flores

A estação em ruínas em 5/2/2012. Ao lado, a linha sendo reformada. Foto Mariana Neves
 
     
Atualização: 19.12.2016
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.