A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Índice de estações
...
São Domingos
Pombal
Arruda Câmara
...

Ramal de C. Grande-1958
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: N/D
...
 
 
Rede de Viação Cearense (1932-1958)
Rede Ferroviária do Nordeste (1958-1975)
RFFSA (1975-1997)
POMBAL
Município de Pombal, PB
Ramal de Campina Grande - km 458 (1960)   PB-3172
  Inauguração: 24.10.1932
Uso atual: em pé; uso desconhecido   com trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
HISTORICO DA LINHA: O ramal da Paraíba foi aberto ao tráfego entre 1923 e 1926, partindo da estação de Arrojado, na linha da antiga E. F. Baturité, construída em 1922 especialmente para dar partida para os trens do ramal. Entrava pela Paraíba e parava na cidade de Souza. Nesta cidade, a partir de 1933, encontrou-se também a linha Mossoró-Souza, vinda do Rio Grande do Norte. O ramal da Paraíba ainda foi prolongado até Patos, em 1944, e em 1958, com a união desta cidade com Campina Grande, foi definitivamente incorporado pela Rede Ferroviária do Nordeste, completando a ligação do Ceará com o resto do Brasil, via Paraíba e Pernambuco.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Pombal foi inaugurada em 1932 pela Rede de Viação Cearense, como ponta de linha do primeiro prolongamento do ramal da Paraíba. Em 1958, a Rede Ferroviária do Nordeste terminou e entregou a ligação ferroviária entre as estações de Patos, então já a ponta de linha no ramal da Paraíba desde 1944, e Campina Grande e a RFFSA, já controlando as duas linhas, incorporou não só o trecho Patos-Campina Grande como

ACIMA: "Ponte Vermelha", sobre o Rio Piancó, em Pombal, a cerca de 2 km a oeste da estação desta cidade. Ela tem 168 metros de comprimento e foi construída por volta de 1930/31 pela RVC, com estrutura toda metálica, apoiada em bases de pedra e concreto (Foto de autor desconhecido nos anos 1950, extraída do site: www.marcoslacerda.hpg.ig.com.br).
também o trecho Souza-Patos, onde se encontrava a estação de Pombal, à rede da RFN. "Falem-me de Pombal! Digam-me das suas ruas antigas. Da feira aos sábados com os cordelistas do Pavão Misterioso e Lampião no inferno. Falem-me do banho no rio, do violão de Bideca, da cachaça gostosa, do futebol nos bancos de areia e da bolacha peteca na padaria de seu Napoleão. (...) E o tempo passando por nós. Falem-me do grupo João da Mata, O bloco de sujos batendo lata pelas ruas de Pombal. Digam que ainda escuto o apito do trem Asa Branca chegando numa estação com seus passageiros apressados que não se reconhecem mais. Alguém, fale-me de Pombal!" (Pombal em Saudades, Jerdivan Nóbrega de Araújo, João Pessoa, PB). A estação de Pombal está tombada pelo IPHAEP da Paraíba.
(Fontes: Jonatas Rodrigues, 2007; Alberto Martins da Matta, 2005; Roosevelt Reis; www.marcoslacerda.hpg.ig.com.br; Jerdivan Nóbrega de Araújo: Pombal em Saudades - Expedição Terra da Gente, Paraíba, 2007; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação de Pombal nos anos 1980. Acervo Jonatas Rodrigues

A estação de Pombal, em 2005. Foto Carlos Alberto Martins da Matta

A estação em 2007. Foto Expedição Terra da Gente, Paraíba

A estação em 1909. Autor desconhecido. Cessão Roosevelt Reis
   
     
Atualização: 21.09.2009
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.