A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Indice de estações
...
Paquevira
Canhotinho
Angelim
...

R. de Garanhuns (1940)
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: S/D
...

 
E. F. Recife ao São Francisco (1885-1901)
Great Western (1901-1950)
Rede Ferroviária do Nordeste (1950-1971)
CANHOTINHO
Município de Canhotinho, PE
Ramal de Garanhuns - km 228 (1960)   PE-3804
Altitude: 492 m   Inauguração: 15.01.1885
Uso atual: fechada   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
 
HISTORICO DA LINHA: O ramal de Garanhuns foi aberto em 1887 como trecho final da ferrovia vinda de Recife. Com a construção da E. F. Sul de Pernambuco, ligando a estação de Paquevira a Alagoas, em 1894, o trecho até Garanhuns transformou-se num ramal, extinto em 1971.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Canhotinho foi inaugurada em 1885 como ponta da linha que vinha do Recife, permanecendo nessa condição por 2 anos e meio, quando a ferrovia foi prolongada até Garanhuns. A localidade, existente desde meados do século 19, tinha o nome devido aos irmãos Canhoto (que moravam "para as bandas do Lajeiro e da serra dos Bois") e Canhotinho, o mais baixo dos irmãos e que morava próximo aonde mais tarde se construiu a estação, no final da Rua da Estação. "Localizada a 60 quilômetros a leste de Garanhuns, Canhotinho só começara a prosperar após a chegada da ferrovia Sul de Pernambuco, em 2 de outubro de 1885. Nesse dia, registrou o reverendo Cícero Siqueira, a população da cidade foi despertada pelo sibilo da primeira máquina de trem, ainda à espera do assentamento dos últimos trilhos até a estação ferroviária, de há muito construída à espera dos mesmos. O trabalho terminaria naquela mesma tarde, sendo a estação formalmente inaugurada. Chegara o trem. Chegara o “progresso”.

aACIMA: A linha passa pelo município de Canhotinho, em mapa do final dos anos 1950 (IBGE: Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, vol IV, 1958).
Houve festa, regozijo, espocr de rojões e foguetório. As pessoas da pequena freguesia de São Sebastião de Canhotinho, no entanto, dificilmente compreenderiam o verdadeiro impacto desse evento na futura existência de sua diminuta vila. As terras em toda a região, dominadas por um pequeno grupo de coronéis, já produziam algumas colheitas de consumo local – feijão, milho, macaxeira, mandioca, rapadura, leite, queijo e manteiga. A chegada da ferrovia, no entanto, daria condições para a produção de outros produtos agrícolas, para serem exportados, incrementando grandemente a economia local. Logo após o evento da chegada da ferrovia, as terras onde já se havia iniciado a plantação de produtos de “exportação”, como o algodão, começaram também a produzir tabaco e cana de açúcar. Em breve haveria 47 engenhos na localidade, apenas três dos quais produziam rapadura. O restante dedicava-se à produção do açúcar mascavo, para ser enviado ao Recife e às usinas beneficiadoras. A cidade chegou a ser até um centro de exportação de orquídeas para os Estados Unidos da América, como veremos adiante. Esse foi o começo de um período de quase 75 anos de prosperidade. A vila tomou foros de cidade. Tornou-se, também, um centro para a exportação dos produtos de todos os municípios vizinhos. (...) A chegada do primeiro evangélico em Canhotinho, foi típica daquela época. Este foi o já mencionado vendedor de Bíblias Antônio Vera Cruz, humilde ajudante do Dr. Butler em Garanhuns. Vera Cruz vendia Bíblias, Novo Testamentos e panfletos evangélicos nas cidades ao longo da ferrovia Sul de Pernambuco. Em um desses périplos, a caminho de Canhotinho, onde nunca estivera antes, Vera Cruz teve a má sorte de viajar no mesmo trem com vigário local. Este, reconhecendo-o, resolveu impedir suas vendas de Bíblias naquela cidade. O vigário então chamou o povaréu, que sempre ia à estação esperar o trem – o grande divertimento diário local - para colocar Vera Cruz de volta no comboio, e despachá-lo para outros lugares. Como Vera Cruz se recusara a obedecer, o povo passou a atacá-lo fisicamente. A barulheira era tanta que o Coronel Manoel Caetano Vidal – dono de terras e político local - naquela hora trotando seu cavalo a caminho da estação ferroviária, apressou o animal para ver do que se tratava. Ao chegar lá, perguntou o que ocorria, sendo informado de que era um “bode nova-seita”, sendo surrado para ir embora
" (Canhotinho: Dr. Butler e Seus Amigos - site www.geocities.com/davidgueiros). Mais tarde a linha de Paquevira a Garanhuns foi transformada em ramal, com a abertura da E. F. Sul de Pernambuco, a partir de Paquevira. Em 2013 está bem conservada externamente, mas fechada, sem uso.
(Fontes: Gleidson Lins; Flavio Cavalcanti; www.geocities.com/davidgueiros; Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, IBGE, volumes IV e XVIII, 1958; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960; Guias Levi, 1932-80; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação de Canhotinho em 1905. Acervo Flávio Cavalcanti

A estação em 2013. Foto Gleidson Lins
A estação em 2013. Foto Gleidson Lins
     
Atualização: 19.10.2013
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.