A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Divinópolis
Henrique Galvão
São Gonçalo do Pará
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: N/D
...

 
E. F. Oeste de Minas (1913-1931)
Rede Mineira de Viação (1931-1965)
V. F. Centro-Oeste (1965)
HENRIQUE GALVÃO
Município de Divinópolis, MG
Linha do Paraopeba - km 377,470 (1960)   MG-4274
Altitude:   Inauguração: 01.11.1913
Uso atual: desconhecido   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
 
HISTORICO DA LINHA: A linha Belo Horizonte-Garças de Minas foi aberta entre 1911 e 1916 pela E. F. Oeste de Minas, ligando a capital a Garças, na época parte da E. F. Goiaz e situada na zona de mineração mineira, próxima a Goiás. Somente em 1920 foi construída a estação prórpia da EFOM na capital. A linha funciona até hoje para cargueiros, tendo sido na década de 1970 o seu início na capital fundido com a Linha do Paraopeba, da Central do Brasil. O seu trecho na região metropolitana de Belo Horizonte recebeu trens de subúrbio por muitos anos, e a partir dos anos 1990 passou a ter a linha do metrô acompanhando de perto a sua linha, que ficou somente para movimento dos trens cargueiros.
 
A ESTAÇÃO: O engenheiro Henrique Galvão, foi um dos construtores da linha do Paraopeba. Ele ganhou o nome da estação que viria a ser a de Divinópolis, inaugurada em 1890 pela E. F. Oeste de Minas. A cidade já existia com o nome de Espírito Santo, pertencendo ao município de Tamanduá (hoje Itapecerica). Em 1911 a vila teve o nome alterado para o da estação, Vila Henrique Galvão. O nome definitivo da estação e da cidade, Divinópolis, veio em 1912, três meses depois da criação deste município. O nome de Henrique Galvão foi então transferido para uma nova estação no ramal de Paraopeba imediatamente posterior à de Divinópolis e que

ACIMA: Base da caixa d'água da antiga estação de Henrique Galvão é tudo o que sobra do pátio hoje desaparecido. À esquerda, o rio Pará, com o arvoredo às suas margens. A antiga linha passava no caminho quase desaparecido, entre a caixa d'água e a árvore copada à direita. Ao fundo, sentido sul (Foto Carlos Miguez, abril de 2009).
foi aberta um ano depois, em 1913. Confuso, não? Este nome permaneceu na estação até a sua desativação: ela f
oi oficialmente desativada em 1/12/1965, juntamente com o trecho de linha de bitola estreita entre Divinópolis e Velho da Taipa. A estação ficava no município de Divinópolis, mas à margem esquerda do rio Pará, próxima à foz do ribeirão do Vaz (ou do Choro). Da estação e seu pátio hoje somente resta a base de sua caixa d´água.
(Fontes: Carlos Miguez, 2009; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960; www.megadivi.com.br; Revista Ferroviária, agosto de 2000, p. 32; Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, IBGE, vol. IX, 1960)
     
     
Atualização: 10.08.2013
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.