A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Angra dos Reis
Cabo Severino
...

...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: 1986
...
 
E. F. Oeste de Minas (1928-1931)
Rede Mineira de Viação (1931-1965)
V. F. Centro-Oeste (1965-1975)
RFFSA (1975-1997)
ANGRA DOS REIS
Município de Angra dos Reis, RJ (veja a cidade)
Linha-Tronco - km 0 (1960)   RJ-1694
Altitude: 0   Inauguração: 15.04.1928
Uso atual: sede de supervisão regional da baía de Ilha Grande (2017)   com trilhos
Data de construção do prédio atual: 1956
 
 
HISTORICO DA LINHA: A linha-tronco da RMV foi construída originalmente pela E. F. Oeste de Minas a partir da estação de Ribeirão Vermelho, onde a linha de bitola de 0,76 chegou em 1888. A partir daí, a EFOM iniciou seu projeto de ligar o sul de Goiás a Angra dos Reis, passando por Barra Mansa por bitola métrica: construída em trechos, somente em 1928 a EFOM chegou a Angra dos Reis, na ponta sul, e no início dos anos 1940 a Goiandira, em Goiás, na ponta norte, e já agora como Rede Mineira de Viação. A linha chegou a ser eletrificada entre Barra Mansa e Ribeirão Vermelho, e transportou passageiros até o início dos anos 1990. Nos anos 1970, o trecho final norte entre Monte Carmelo e Goiandira foi erradicado devido à construção de uma represa no rio Paranaíba, e a linha foi desviada para oeste encontrando Araguari. Hoje (2003) a linha, já não mais eletrificada, é operada pela concessionária FCA.
 
A ESTAÇÃO: A estação foi inaugurada em 1928, muitos anos depois de ter sido projetada, na época pela E. F. Oeste de Minas, a descida da serra para o porto de Angra dos Reis. Existem duas datas atribuídas para a inauguração, 15/04 e 01/12. O prédio atual da estação foi aberto em 1956, conforme consta numa placa até hoje afixada em seu saguão. O tráfego de passageiros até ali, descendo e subindo a serra, foi extinto entre 1979 e 1980 (ref.: Guia Levi). Mas alguns trens turísticos foram implantados depois disso. Enquanto a RFFSA era a dona da linha, até 1996, eles funcionaram. Com a entrada das concessionárias, eles foram suprimidos. É, foi uma pena. A subida da serra, descrita por passageiros desses últimos trens, era muito bonita. O trem subia a partir da saída do pátio de Angra dos Reis até a estação do Alto da Serra. Daí descia até Lídice, onde esses trens geralmente paravam por um tempo e voltavam. Ou seja, eram para quem estava em Angra dos Reis. Em dezembro de 2002, as fortes chuvas destruíram boa parte da cidade de Angra dos Reis e danificaram a linha, que ficou interrompida. Os cargueiros tiveram seu tráfego parado até o ano de 2005, quando a linha reparada voltou a funcionar. Em 2007 parte da estação servia a um centro municipal de informações turísticas e parte à própria FCA, concessionária da linha. Em 2011, a estação está fechada. Depois de descer a serra,a linha chega à estação, atualmente desativada, que fica em frente á Praia do Anil. Apesar de a estação ser terminal, a linha não termina lá, sai do pátio e cruza com a avenida principal no sentido do porto de Angra. Antes disso, passa ao lado da areia da praia, de restaurantes e do deck de pequenas embarcações e poucos metros antes da entrada do porto, passa ao lado de uma bela praça. Que cenário bonito deve ser um trem passando entre a praça e a marina. A Angra dos Reis deveria ter chegado também, nos anos 1920, a linha do ramal de Mangaratiba, vindo do Rio de Janeiro. O ramal acabou parando em Mangaratiba. Porém, várias obras foram feitas, mas nunca acabadas.
ACIMA: Locomotiva e barco lado a lado no porto de Angra dos Reis, para onde sai um ramal do pátio da estação (Foto Daniel Gentili, 1973). ABAIXO: Saída do ramal ferroviário no Porto de Angra dos Reis, cruzando a Praça do Reis Magos em direção ao Pátio da Estação de Angra dos Reis. O ramal pátio-porto tem cerca de 1,5 km (Foto Julio Cesar da Silva, 1/2011).



ACIMA: A estação atual de Angra dos Reis em construção em agosto de 1955 (Autor desconhecido). ABAIXO: As obras feitas na ligação Mangaratiba-Angra que nunca ficaram prontas foram marcadas nesta reportagem de 1970 - CLIQUE SOBRE A IMAGEM PARA VÊ-LA MAIOR (O Estado de S. Paulo, 9/3/1970).
(Fontes: Antonio Pastori; Julio Cesar da Silva; Cesar Quelhas; Mario Sandrini; Carlos Latuff; Eliezer Magliano; IBGE: Enciclopedia dos Municípios Brasileiros, 1958; O Estado de S. Paulo, 1970; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960; Guias Levi, 1932-80; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação em 1956. Foto da Enciclopedia dos Municípios Brasileiros, vol. VI, IBGE, 1958

Pátio e estação de Angra dos Reis, anos 1990. Foto Eliezer Magliano

A estação em 11/2003. Foto Mario Sandrini

A estação em 03/2006. Foto Carlos Latuff

Fachada da estação em 03/2006. Foto Carlos Latuff

A bilheteria da estação em 03/2006. Foto Carlos Latuff

A estação em 2017. Foto Antonio Pastori
 
     
Atualização: 14.07.2017
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.