A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
RMV - Linha-tronco
...
Loanda
Arcos
Boa Esperança
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: S/D
...
 
E. F. Oeste de Minas (1908-1909)
E. F. Goiaz (1909-1920)
E. F. Oeste de Minas (1920-1931)
Rede Mineira de Viação (1931-1965)
V. F. Centro-Oeste (1965-1975)
RFFSA (1975-1996)
FCA (1996-2014)
ARCOS
Município de Arcos, MG
Linha-Tronco - km 574,426 (1960)   MG-0125
Altitude: 749 m   Inauguração: 21.04.1908
Uso atual: estação da FCA (2014)   com trilhos
Data de construção do prédio atual: c.1978
 
 
HISTORICO DA LINHA: A linha-tronco da RMV foi construída originalmente pela E. F. Oeste de Minas a partir da estação de Ribeirão Vermelho, onde a linha de bitola de 0,76 chegou em 1888. A partir daí, a EFOM iniciou seu projeto de ligar o sul de Goiás a Angra dos Reis, passando por Barra Mansa por bitola métrica: construída em trechos, somente em 1928 a EFOM chegou a Angra dos Reis, na ponta sul, e no início dos anos 1940 a Goiandira, em Goiás, na ponta norte, e já agora como Rede Mineira de Viação. A linha chegou a ser eletrificada entre Barra Mansa e Ribeirão Vermelho, e transportou passageiros até o início dos anos 1990. Nos anos 1970, o trecho final norte entre Monte Carmelo e Goiandira foi erradicado devido à construção de uma represa no rio Paranaíba, e a linha foi desviada para oeste encontrando Araguari. Hoje (2003) a linha, já não mais eletrificada, é operada pela concessionária FCA.
 
A ESTAÇÃO: A estação original de Arcos foi inaugurada em 1908. Logo a seguir, a linha entre Formiga e Patrocinio passou para a E. F. de Goiaz, sendo que em 1920 voltou para a E. F. Oeste de Minas. No mesmo ano de 1908, pouco depois da inauguração da

ACIMA: (esquerda) Ponto de embarque de calcário nos anos 1950 em Arcos. (direita) Lote de pedra-mármore aguardando embarque. Estes pobtos da linha provavelmente não existem mais em Arcos, considerando-se que a variante construída em 1978 pode tê-los eliminado (Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, IBGE, vol. XXIV, 1958, p. 110)
estação, os jornais anunciavam no dia 11 de setembro o início das obras da ferrovia que ligaria Belo Horizonte à cidade, que viria a ser a Belo Horizonte-Garças, da EFOM e depois da RMV. Nos anos 1970 foi construída uma variante que levou a linha para fora da cidade; nessa nova linha foi construída uma nova estação, a atual. A estação antiga foi demolida. A linha e o desvio para a mina de

ACIMA: A foto foi publicada em abril de 1978. Mostra a variante em Arcos, aparentmente, em foto tirada de sobre um vagão com calcário. Há três linhas no pátio (Revista Ferroviária, abril de 1978). ABAIXO: A variante e, à esquerda, a saída do desvio para a mina de calcáreo (Revista Ferroviária, julho de 1978).

calcáreo foram abertos em 1978. Segundo Darcy Signoretti, a cidade de Arcos é uma das maiores produtoras mundiais de calcário. A FCA, atual concessionária do trecho, transporta

ACIMA: A estação de Arcos, cujo prédio nem é visto na foto acima, tirada em novembro de 2006, tem um grande pátio em curva, fato não tão comum nos pátios ferroviários. Vejam os longos trens de minério estacionados no pátio (Foto Gustavo Torres).
diariamente para CSN 38 vagões levados por uma quadra de locomotivas MX ou U-20.
(Fontes: Bruno Rossano; Gustavo Torres; Jefferson -; Darcy Signoretti; Gutierrez L. Coelho; Revista Ferroviária, 1978; Kosmos, 1908; O Estado de S. Paulo, 12/9/1908; Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, IBGE, 1958; Guia Geral de Estradas de Ferro do Brasil, 1960)
     

A estação original de Arcos em 1908. Kosmos, 4/1908

A estação original de Arcos em 1908. Kosmos, 4/1908

A estação atual de Arcos, em 24/03/2004. Foto Gutierrez L. Coelho

Estação de Arcos em 02/2005. Foto Darcy Signoretti

Fachada da estação de Arcos em 02/2005. Foto Darcy Signoretti

Plataforma da estação de Arcos em 02/2005. Foto Darcy Signoretti

A plataforma da estação antiga (original) de Arcos em 2010. Foto Bruno Rossano

A estação em 2011. Foto Jefferson
 
     
Atualização: 01.01.2014
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.