A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Indice de estações
...
Major Ulhoa
Ubatã
Coronel Silvestre
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: N/D
...

 
Rede de Viação Paraná-Santa Catarina (1963-1975)
RFFSA (1975-1996)
UBATÃ
Município de Santa Cecília, SC
Tronco Principal Sul - km 551,977 (1989)   SC-1403
Altitude: -   Inauguração: 02.02.1963
Uso atual: moradia (2012)   com trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
 
HISTORICO DA LINHA: O Tronco Principal Sul, em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul, foi entregue em partes: entre os anos de 1963 e 1965, uniu as cidades de Mafra e Lajes - daí o nome da linha Mafra-Lajes, e foi construída pelos 2o Batalhão Ferroviário. Esse trecho transportou passageiros até 1978. Entre os anos de 1967 e 1969, foram entregues os trechos ligando Lajes a Roca Salles, no RS, mas este sem o transporte de passageiros. O trecho entre as estações de General Luz e Roca Salles foi aberto aos poucos durante os anos 1960, como continuação do Tronco Principal Sul. Também passaram trens de passageiros entre Montenegro-Nova e General Luz, e mesmo assim, apenas até por volta de 1978. Hoje pela linha trafegam os cargueiros da ALL, que assumiu como concessionária as linhas do Rio Grande do Sul em 1996. Unido às linhas que vinham de Itapeva, em SP, via Pinhalzinho e Ponta Grossa, entregues na primeira metade dos anos 1970, essa linha toda ficou conhecida como Tronco Principal Sul e com isso praticamente toda a antiga linha Itararé-Uruguai da RVPSC acabou por ser desativada.
 
A ESTAÇÃO: A estação foi inaugurada com a linha, em 1963. A estação também é chamada de Guarnição de Ubatã. Ali - ou muito próximo da estação, não ficou muito claro - ficou, de 1950 até o final da construção da linha, a sede da 2a Companhia de Engenharia de Construção e da Companhia de Equipamento Mecânico. O local foi batizado de Rio das Pedras, nessa época. Ali foi construída pelo Segundo Batalhão Ferroviário de Rio Negro, responsáveis pela construção da ferrovia, uma pequena usina hidrelétrica, aberta em 1950, antes de os trilhos chegarem ali, vindos de Mafra, no Natal de 1955. "Meu pai, coronel do exército, hoje na reserva, serviu no 2.º Batalhão Ferroviário em diferentes ocasiões. Em 1963, retornamos à região, quando então meu pai comandou aquela companhia a que o sr. se refere em "Rio das Pedras". Realmente ficava, bem próximo de Ubatã, era município de Santa Cecília. A vila do Batalhão denominada Rio das Pedras, em função do riacho que a cortava ao meio, de igual nome e que apresentava seu fundo rochoso com muitas pedras: o riacho consta em mapas. Nessa vila de saudosa lembrança, fora edificada a escola "Major Cairrão", onde fiz meu primeiro ano de escola. Nela ainda havia a vila dos oficiais, cerca de 8 casas, vila

ACIMA: Inauguração do trecho e dos trens mistos entre Mafra e Ubatá (Diario do Paraná, 1/2/1963).
dos sargentos um pouco maior, vila dos civis, para os funcionários civis, granja onde se produzia alguma coisa de agropecuária. Uma singela unidade de saúde e serviços médicos (tinhámos até um capitão-médico em tempo integral ali), oficinas para reparos de máquina de terraplenagem e ferroviárias, casa de hóspedes, serraria. Até sessões de cinema se improvisava nos idos de 1963: ora na serraria, ora na casa de hóspedes. Realmente havia também uma pequena unidade de geração de energia elétrica que aproveitava uma queda de cerca de 10m existente atrás da serraria. Obra maior consistia em uma barragem hoje ainda existente, que regularizava a vazão do riacho "das pedras". Fica a montante da ponte ao lado da estrada que leva a Ubatã. Consta nas cartas do IBGE assinalada como "represa do batalhão". O mais importante a registrar é que naquele lugar nasceram crianças, pessoas foram felizes e no entanto hoje quase nada resta lá. Contudo ainda vive a lembrança, como esssas que relato e o esforço de outras, como você, que tentam passar um pouco do passado para o pessoal de hoje. Já estive de volta em 1985 quando ainda consegui com minha Brasília entrar em algumas ruas da antiga vila. Entretanto o mato tomava conta de tudo. O piso coberto de brita e pedrisco ainda continha um pouco o mato apesar do abandono. A vila deve ter sido desativada em 1965 quando o Batalhão cuja sede ficava em Rio Negro foi transferido para Araguari, MG. Nessa época já não estávamos mais lá
" (Afonso Celso Passos Costa Gonçalves, 08/2006). A RVPSC inaugurou a primeira operação comercial e regular na linha no dia 12 de fevereiro de 1963, portanto dez dias após a inauguração oficial da estação, de Mafra a Ubatã.
(Fontes: Sidnei Recco; Rafael Oliveira Braz; Nilson Rodrigues; J. C. Kuester; Afonso Celso Passos Costa Gonçalves; Diario do Paraná, 1963; Correio dos Ferroviários, 1965; Edmar Cesar Alves: Batalhão Mauá, 2003; RFFSA: Relação de estações, 1989)
     

A estação em manhã de geada em 1965. Foto da revista Correio dos Ferroviários, de julho de 1965. Cessão J. C. Kuester

A estação, em 11/2002. Foto Nilson Rodrigues

A estação em 2007. Foto Rafael Oliveira Braz

A estação em 2008. Foto Rafael Oliveira Braz

A estação, totalmente remodelada em 2012. Foto Sidnei Recco
     
Atualização: 17.05.2014
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.