A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Parnaso
Tupã
Universo
...

Tronco oeste CP - 1970

IBGE-1973 - ced. Elly Jr.
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2010
...
 
Cia. Paulista de Estradas de Ferro (1941-1971)
FEPASA (1971-1998)
TUPÃ
Município de Tupã, SP
tronco oeste - km 541,811 (1957)   SP-2933
Altitude: 511,190 m   Inauguração: 15.11.1941
Uso atual: abandonada (2016)   com trilhos
Data de construção do prédio atual: 1941, ampliado em 1968
 
 
HISTORICO DA LINHA: O chamado tronco oeste da Paulista, um enorme ramal que parte de Itirapina até o rio Paraná, foi constituído em 1941 a partir da retificação das linhas de três ramais já existentes: os ramais de Jaú (originalmente construído pela Cia. Rio-clarense e depois por pouco tempo de propriedade da Rio Claro Railway, comprada pela Paulista em 1892), de Agudos e de Bauru. A partir desse ano, a linha, que chegava somente até Tupã, foi prolongada progressivamente até Panorama, na beira do rio Paraná, onde chegou em 1962. A substituição da bitola métrica pela larga também foi feita progressivamente, bem como a eletrificação da linha, que alcançou seu ponto máximo em 1952, em Cabrália Paulista. Em 1976, já com a linha sob administração da FEPASA, o trecho entre Bauru e Garça que passava pelo sul da serra das Esmeraldas, foi retificado, suprimindo-se uma série de estações e deixando-se a eletrificação até Bauru somente. Trens de passageiros, a partir de novembro de 1998 operados pela Ferroban, seguiram trafegando pela linha precariamente até 15 de março de 2001, quando foram suprimidos.
 
A ESTAÇÃO: Aberta em 1941, a estação de Tupã (no início também foi Tupan) permaneceu como ponta de linha por muitos anos, até 1949.

Em 1948, ainda como ponta de linha e como consequência disto, a estação ferroviária era a segunda em arrecadação de todas as estações da Companhia Paulista, superada apenas pela de Campinas. Com a perda dessa condição, em 1949, a arrecadação caiu.

A estação de Tupã sofreu uma grande reforma em 1969/70 - em 1962, já se orçava o custo para essa ampliação (Folha de S. Paulo, 18/6/1962). Até aí, era um prédio menor, mais típico das estações da Alta Paulista, que, aliás, havia substituído a primeira estação de madeira na cidade.

"
Conta a minha avó que no dia da inauguração da bitola larga em Tupã - 10 de dezembro de 1958 - ela ouviu o som de fogos de artifício e logo em seguida viu o trem de passageiros, tracionado por locomotiva Diesel-elétrica, provavelmente uma RSC-3 ou uma PA, talvez até uma duplex de G12, partir para São Paulo" (Hermes Y. Hinuy, 13/1/2010). Em 1986, o relatório de G12, partir para São instalações fixas da FEPASA considerava o estado da estação como "perfeita".

Em 1968, a estação ferroviária original de
Guatapará, bem longe dali, foi desativada por causa de uma mudança nas linhas na cidade devido à construção de uma nova ponte sobre o rio Mogi. A sua enorme cobertura foi desmontada e trazida para Tupã, onde foi montada sobre a estação que estava sendo reformada.

Em 2008, a situação já era bem diferente, estando a estação no mesmo abandono de outras pelo Estado afora.

Apesar disso, depois de anos sem tráfego, em janeiro de 2007 o primeiro trem para carregar açúcar no CEAGESP de Tupã passara a circular diariamente, depois de limpa a linha. "
Acompanhei a história desse trem de Tupã. Na volta em Bauru um vagão tombou. Aquela região até a barranca do rio vai ser um grande polo sucroalcooleiro. Muitas usinas estão sendo formadas ou já foram nestes 2 últimos anos em Junqueirópolis, Inúbia, Dracena, Flórida... É isso que aquela região precisa, não de presídios! Nas últimas vezes que percorri o trecho em 1993 (a linda Adamantina ainda estava lá tinindo!) percebi que o trem ainda era fundamental para eles. Era possível caminhar pelo trem, conversar com o pessoal da antiga e até paquerar umas gatinhas. As estradas eram perigosas e não confiáveis. Bom, como estamos carecas de saber as 'forças ocultas' foram mais fortes e em 10 anos (até menos) tudo desapareceu" (Rodrigo Cabredo, 01/2007).

Em 2010, a estação e os outros prédios à sua volta continuavam totalmente depredados. "Tupã tem cerca de 65 mil habitantes, e parece que não vai muito longe disso, estando "empacada" nesse número há tempos. Com relação à estação de trem, finalmente a prefeitura municipal conseguiu a cessão do prédio e do barracão junto ao governo federal. A idéia é implantar ali o "Museu do Tropeiro", tendo até uma "arte" prévia de como o prédio ficará após a mudança e restauração. O problema é que para isso precisa de verba federal, e esta, aliás, não tem previsão de liberação, então a estação deve ficar abandonada ainda por um bom tempo. E trem por aqui, desde fevereiro do ano passado não passa mais nada, nem mesmo o trem de capina química da ALL, que neste ano, mesmo com potencial de cargas na região que, se bem trabalhado, chegaria a uns 2 milhões de toneladas entre açúcar e óleo das cidades e usinas das redondezas, disse "não ter interesse" em fornecer transporte de trem" (Adriano A. Moreno, 30/12/2010). Em 2010, o trem de açúcar já não passava.

Em 2015, o abandono continuava, depois de nova tentativa abortada de restauro. VEJA: UM DIA O TREM PASSOU POR TUPÃ!
(Veja TUPÃ e os TRENS DA CIA. PAULISTA EM 1959)


ACIMA: A estação anunciada no dia de sua inauguração (Folha da Manhã, 15/11/1941).

ACIMA: Primeira diesel chega a Tupã em 10/12/1958 (Acervo Stenio Gimenez, autor desconhecido). ABAIXO: Com os novos trens diesel, os novos horários dos trens em Tupã (Acervo Museu India Vanuire, cessão Hermes Y. Hinuy).

ACIMA: Pátio, estação e linha em Tupã em 1969 - CLIQUE SOBRE A FIGURA PARA VÊ-LA EM TAMANHO MAIOR (Autor desconhecido).

ACIMA: PA-2 em Tupã: a estação ainda é a antiga. Anos 1950 ou 60 (Autor desconhecido).
ACIMA: Em junho de 1982, trem de passageiros da FEPASA na plataforma de Tupã (Foto Artur Silva). ABAIXO: Na plataforma de Tupã, em dezembro de 1986 (Foto Israel Vieira da Silva).

ACIMA: Linha do desvio para o CEAGESP em Tupã e entrada do desvio no armazém do CEAGESP (Fotos Hermes Y. Hinuy, 02/2008).




AO LADO: A estação já estava pequena para a cidade em 1963 (Folha de S. Paulo, 23/5/1963).

ACIMA: No início ainda era Tupan (Autor desconhecido, anos 1940 ou 50). ABAIXO: A estação de Tupã em muito bom estado ainda (Foto Carlos Ferreira Damião. Data desconhecida).


ACIMA: A velha estação em 13/6/2013 (Foto Hermes Hinuy).

(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local; Adriano de Avance Moreno; Hermes Y. Hinuy; Carlos Ferreira Damião; Rodrigo Cabredo; Israel Vieira da Silva; Eduardo Dantas; Artur Silva; Stenio Gimenez; Elly Jr.; Folha da Manhã, 1941 e 18/4/1948; Folha de S. Paulo, 1962-63; Folha do Povo, Tupã; Acervo Museu India Vanuire; Cia. Paulista: relatórios anuais, 1930-70; IBGE, 1973; Mapas - acervo R. M. Giesbrecht)
     


O primeiro trem chega a Tupã (1941). Foto cedida pelo jornal "Folha do Povo", de Tupã


A segunda estação de Tupã, nos anos 1940. Acervo Museu India Vanuire - reprodução Hermes Y. Hinuy

Vista aérea da atual (terceira) estação de Tupã, c. 1980. Foto de cartão postal, cedida por Hermes Y. Hinuy

A estação em janeiro de 1992, ainda ativa. Foto Hermes Y. Hinuy

Foto de Tupã em 31/12/1995. Autor: Hermes Y. Hinuy

A estação em 13/07/2000, já abandonada. Foto Hermes Y. Hinuy

Plataforma da estação de Tupã, totalmente depredada, em 11/2005. Foto Eduardo Dantas

Interior da estação de Tupã, totalmente depredada, em 11/2005. Foto Eduardo Dantas

Armazém de estação de Tupã, ao lado da estação, totalmente depredado, em 11/2005. Foto Eduardo Dantas

Estação de Tupã em 20/12/2008. Foto Hermes Hinuy

Estação de Tupã em 20/12/2008. Foto Hermes Hinuy

Escondida pelo mato, a estação não pode ser vista ao lado da cobertura metálica. Foto Ralph M. Giesbrecht em 28/12/2010

Fachada da estação em 09/2013. Foto Mario Favaretto

A cobertura que veio de Guatapará em Tupã, 23/4/2016. Foto Hermes Y. Hinuy

A estação de Tupã, 23/4/2016. Foto Hermes Y. Hinuy
     
     
Atualização: 16.03.2017
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.