A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Piratininga
Alba
Brasília
...

Tronco oeste CP-1970

IBGE-1970
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2000
...
 
Cia. Paulista de Estradas de Ferro (1924-1971)
FEPASA (1971-1976)
ALBA (antiga AMÉRICA)
Município de Piratininga (1924-2008), SP
Ramal de Agudos original - km 123,107   SP-0792
tronco oeste - km 360,772 (1957)   Inauguração: 09.02.1924
Uso atual: moradia   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: 1929
 
 
HISTORICO DA LINHA: O chamado tronco oeste da Paulista, um enorme ramal que parte de Itirapina até o rio Paraná, foi constituído em 1941 a partir da retificação das linhas de três ramais já existentes: os ramais de Jaú (originalmente construído pela Cia. Rio-clarense e depois por pouco tempo de propriedade da Rio Claro Railway, comprada pela Paulista em 1892), de Agudos e de Bauru. A partir desse ano, a linha, que chegava somente até Tupã, foi prolongada progressivamente até Panorama, na beira do rio Paraná, onde chegou em 1962. A substituição da bitola métrica pela larga também foi feita progressivamente, bem como a eletrificação da linha, que alcançou seu ponto máximo em 1952, em Cabrália Paulista. Em 1976, já com a linha sob administração da FEPASA, o trecho entre Bauru e Garça que passava pelo sul da serra das Esmeraldas, foi retificado, suprimindo-se uma série de estações e deixando-se a eletrificação até Bauru somente. Trens de passageiros, a partir de novembro de 1998 operados pela Ferroban, seguiram trafegando pela linha precariamente até 15 de março de 2001, quando foram suprimidos.
 
A ESTAÇÃO: A estação foi aberta em 1924, aparentemente com uma construção provisória, e com o nome de América, nome de uma fazenda próxima (Santa Maria da América). O prédio atual somente foi inaugurado em 1/7/29. Em 1/9/1933, o nome foi alterado para Alba. Nessa época, fazia parte do prolongamento do ramal de Agudos, e foi a primeira das estações desbravadoras do sertão da Paulista. Ela tinha o nome começando com a letra "A": a regra definida pela Companhia iria, a partir desta estação, nomear todas as estações que fossem sendo plantadas usando a ordem alfabética. Em 1941, passou a fazer parte do tronco oeste, criado nesse ano. Alguns anos mais tarde, e a bitola larga chegou, junto com a eletrificação da linha. Em 1976, entretanto, com a inauguração da então chamada de variante Bauru-Garça, feita pela

ACIMA: A ex-estação em 1989 (Foto Nilton Gallo).
Fepasa, Alba foi desativada (01/05/1976) e perdeu os trilhos. Passou a servir de moradia, vendida que foi pela ferrovia, que retirou tudo que dela se lembrasse do local, que é muito simples, não tendo mais do que uma única rua de terra e poucas casinhas. Mas o prédio está bem cuidado, embora a cobertura da plataforma original tenha ido de embrulho... No dia das fotografias (20/05/1999), tiradas com autorização do então proprietário, estava também por ali um morador da vila, que contou que era de Lucélia, e morava ali há pouco tempo, e que nem se lembrava mais de quantas vezes passou de trem por ali. Histórias do passado. A estação foi vendida há poucos anos atrás. Em dezembro de 2009 Adriano Martins esteve lá. O prédio foi reformado e a estação esstá irreconhecível. O ambiente ferroviário acabou de vez. Somente se pode lembrar dele pelo armazém, ainda com o estilo Paulista, mas abandonado. Mas, sem eletrificação, sem trilhos, sem plataforma, sem estação reconhecível, com um jardim cuidado em volta, plantas bonitas... o local é bonito, mas não há mais Alba, ela é somente história.
(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local; Nilton Gallo; Adriano Martins; José H. Bellorio; José Pascon Rocha; Ricardo Frontera; Cia. Paulista: relatórios anuais, 1900-69; IBGE, 1970; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação de Alba, ao fundo, ainda operacional, em 1976. Foto José Pascon Rocha

Alba em 1984. Parecia que o mundo havia se esquecido dela. Foto José H. Bellorio

Alba, em 20/05/1999. Foto Ralph M. Giesbrecht

Alba, em 20/05/1999. Foto Ralph M. Giesbrecht

Alba, em novembro de 2000. Foto Ricardo Frontera

Armazém de Alba, em 11/2000. Foto Ricardo Frontera
     
Atualização: 20.11.2014
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.