A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
(1883-1964)
Cravinhos
Buenópolis
Bonfim Paulista
...

Tronco CM - 1935
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 1998
...
 
Cia. Mogiana de Estradas de Ferro (1897-1964)
BUENÓPOLIS
Município de Cravinhos, SP
Linha-tronco original - km 291,082   SP-1019
Altitude: 723 m   Inauguração: 12.12.1897
Uso atual: abandonada   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
 
HISTORICO DA LINHA: A linha-tronco da Mogiana teve o primeiro trecho inaugurado em 1875, tendo chegado até o seu ponto final em 1886, na altura da estação de Entroncamento, que somente foi aberta ali em 1900. Inúmeras retificações foram feitas desde então, tornando o leito da linha atual diferente do original em praticamente toda a sua extensão. Em 1926, 1929, 1951, 1960, 1964, 1971, 1973 e 1979 foram feitas as modificações mais significativas, que tiraram velhas estações da linha e colocaram novas versões nos trechos retificados. A partir de 1971 a linha passou a ser parte da Fepasa. No final de 1997, os trens de passageiros deixaram de circular pela linha.
 
A ESTAÇÃO: Aberta em 1897 para atender à fazenda do mesmo nome, a estação de Buenópolis foi fechada em 01/05/1964, com a desativação do trecho (*RM-1964). "A fazenda Buenópolis ficava

situada parte no municípios de Ribeirão Preto e parte no de Cravinhos. Tinha 1.500 alqueires de terra. Pertenceu ao Cel. Joaquim da Cunha

AO LADO: Anúncio de inauguração da estação em 1897 (O Estado de S. Paulo, 10/12/1897).
Bueno, que segundo Ellis Jr. adquiriu a fazenda em 1890. Até 1960, pertenceu a seus descendentes. Os trilhos da Mogiana passavam dentro da fazenda, ao lado dos terreiros e das máquinas de beneficiar café; também havia uma estação com o nome de Buenópolis, próxima à sede da fazenda. A fazenda em 1913 possuía 1.500.000 cafeeiros e produzia anualmente 1.800.000 kg de café. Para tratar dessa colheita, para secar o café havia um grande terreiro cimentado com área de 3 ha; e para beneficiar o café,

ACIMA: Desastre próximo à rstação de Buenopolis entre um trem da Mogiana que vinha de Ribeirão e outro de Campinas em 1913 - PARA VER MAIS DETALHES, CLIQUE SOBRE A FOTO (O Malho, 15/11/1913).

uma completa instalação movida a eletrici-dade e ainda




AO LADO: O que acharam os usuários destas estações ao saber que o trem desapareceria e iria para longe? )Folha de S. Paulo, 21/4/1964)
possuía serras, moinhos e despolpadores. Havia na fazenda 300 famílias, entre colonos e empregados, que habitavam 300 casas com instalações para cabras, porcos e galinhas. Havia uma magnífica casa assobradada para o proprietário, escritório e farmácia. O proprietário não residia na fazenda e sim num belo palacete em São Paulo; portanto, sua administração era feita à distância. Era também sócio de uma casa comissária em Santos cuja firma se chamava Cunha Bueno & Cia". (Fonte: "O Signo da Modernidade nos Cafezais", volume 1, de Daici C. A. Freitas, ECA, USP, 1994). O fechamento da estação e da linha em 1964, fez com que, já no ano seguinte, o viaduto Cantagalo, próximo a Buenópolis, fosse desmontado, uma obra de 13 vigas metálicas apoiadas em cavaletes metálicos. O material foi recolhido na estação de Guanabara, em Campinas. Aliás, da entrada do pátio de Buenópolis até a de Bento Quirino, na mesma época levantou-se toda a linha e tudo foi retirado. A fazenda, que ainda existe, é hoje uma das poucas a ainda plantar café na região e não demonstra o mínimo interesse na conservação da velha estação de Buenópolis, que está perdida no meio do matagal, sem portas, janelas e parte do telhado desabado, ao lado do ribeirão Preto, e a cerca de um quilômetro antes de se chegar às casas dos colonos. Em 2004 a estação estava em ruínas.
(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local; O Malho, 1913; Folha de S. Paulo, 1964; Daici C. A. Freitas: O Signo da Modernidade nos Cafezais, vol. 1, ECA-USP, 1994; Cia. Mogiana: Album, 1910; Cia. Mogiana: relatórios anuais, 1875-1969; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

Buenópolis, 1910. Foto Álbum da Mogiana

A estação, abandonada e em ruínas, do outro lado do ribeirão Preto, em 18/11/1998. Foto Ralph M. Giesbrecht

A estação, abandonada e em ruínas, do outro lado do ribeirão Preto, em 18/11/1998. Foto Ralph M. Giesbrecht

Ruínas da estação em 2004. Autor desconhecido

Ruínas da estação em 2004. Autor desconhecido

Ruínas da estação em 2004. Autor desconhecido
     
Atualização: 13.02.2015
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.