A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Indice de estações
...
Massuí
Candeias
São Gonçalo
...

Linha do Sul - 1940
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2006
...
 
E. F. Centro-Oeste da Bahia (1900-1913)
Cia. Chemins de Fer Federaux du L'Est Brésilien (1913-1935)
V. F. F. Leste Brasileiro (1935-1975)
RFFSA (1975-1996)
CANDEIAS
Município de Candeias, BA
Linha tronco - km 43,570 (1960)   BA-2399
    Inauguração: 1900
Uso atual: FCA   com trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
 
HISTORICO DA LINHA: A linha Sul, Mapele-Monte Azul, foi formada pela união das linhas de diversas ferrovias quase todas originadas no século 19, como a E. F. Central da Bahia, a E. F. Bahia ao São Francisco, a E. F. de Santo Amaro e a E. F. Centro-Oeste da Bahia, que, quando finalmente unidas sob o nome de Viação Férrea Federal do Leste Brasileiro (VFFLB) entre 1935 e 1939, tiveram suas linhas unidas e prolongadas de forma a, em 1951, ligarem Salvador e Mapele à localidade mineira de Monte Azul, ponta dos trilhos da E. F. Central do Brasil. Trens de passageiros passaram pelos seus diversos pedaços desde cada uma de suas origens até a linha completa, desaparecendo em 1979, quando somente faziam o trecho Iaçu-Monte Azul, no sul, e até o início dos anos 1980 entre Mapele e Candeias. Hoje a linha é utilizada apenas por trens cargueiros, que sofrem para passar pelo gargalo do rio Paraguassu.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Candeias foi aberta em 1900, então como ponta de linha, no que viria a ser o ramal de Água Comprida (hoje Simões Filho)-Buranhem (*Nota do autor: O Guia Geral de 1960 afirma que a estação foi aberta em 26.05.1907, dois anos depois da linha Água Comprida-Buranhém), pela então E. F. Centro Oeste da Bahia. Em 1908, o ramal teria sido completado até Buranhem, depois de modificações no traçado original do plano. A partir de 1948, passou a fazer parte da linha Sul, com a união das estações de Santo Amaro, Afligidos e Conceição da Feira. Já houve tempos em que o trem de subúrbios chegava a Candeias, o que parece ter ocorrido até os anos 1980. Pelo menos
O percurso entre Santo Amaro da Purificação e Salvador, hoje feito por automóvel em 45 minutos, era antigamente feito somente através de navio ou da maria-fumaça da Estrada de Ferro Leste Brasileiro e levava horas para ser cumprido. Mais tarde, com a instalação da locomotiva movida a óleo diesel - chamada MOTRIZ -, o tempo necessário para correr-se esse percurso foi reduzido e possibilitou ida-e-volta num mesmo dia: o trem passou a sair de manhã cedinho e voltar no fim da tarde. O nome da locomotiva estendeu-se aos vagões, acabando por se chamar toda a composição de "O (trem) MOTRIZ". Maria Bethânia, na infância, era fascinada por esses vaivéns no MOTRIZ. Usando a idéia de uma dessas viagens como espinha dorsal da canção, Caetano Veloso salpica reminiscências de cenas do cotidiano daqueles tempos: a casa, o estreito relacionamento mãe/filha, o mormaço do Recôncavo, etc. vão passando pela canção, como imagens na janela do trem. Todas as recordações vão-se entrelaçando com a lembrança da viagem em si. Quando o MOTRIZ faz a parada na cidade de Candeias - a principal estação do trajeto, bem no meio do caminho (e no meio da canção), onde Bethânia saltava sempre para comprar guloseimas - há um salto também do sonho para a realidade. Há uma reflexão sobre sua própria vida (agora também no meio do caminho, como a estação de Candeias) mas a viagem prossegue: mãe e filha contemplam a igreja de N. S. da Penha, em Itapajipe, onde Maria Bethânia foi batizada. É Salvador! (Do disco Ciclo, de Maria Bethânia, 1983).
desde 1960 e até 1978 existiu um trem diário de subúrbios unindo Salvador e Candeias. Em março de 1970 foram desativados os 34 km entre Candeias e Santo Amaro. Em fevereiro de 1972 foi a vez do trecho norte, com a desativação do trecho de 122 km entre Mapele e Alagoinhas, restando portando os 44 km de eletrificação entre Salvador e Candeias. No mesmo ano o serviço de subúrbios foi restrito a Mapele, a 22 km de Salvador; alguns anos mais tarde o trajeto servido recuou até Aratu, a 19 km de Salvador. Isto significaria que os últimos trens de subúrbio para Candeias eram tracionados por locomotivas diesel-elétricas? A estação de Candeias ainda é operacional para a FCA, atual concessionária da linha. Seu pátio, próximo ao centro da cidade do mesmo nome, fica num local escondido, pois o
acesso a ele se faz por uma ladeira que encontra a estação ao lado de uma rua bem mais alta que ela. Isso isola a estação da cidade, embora uma passagem de nível no centro seja ainda um problema para quem ali vive. O prédio da estação é bem antigo, talvez a original de 1900, construído pela Centro-Oeste da Bahia. No seu pátio, em 2005 e 2006, quando lá estive, diversas locomotivas, vagões e composições da FCA.
(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local; Coaraci Camargo; Revista Ferroviária, 08/1965; A. A. Gorni: A Eletrificação nas Ferrovias Brasileiras, 2004; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960; Guias Levi, 1932-84; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     
/
Estação de Candeias, em 16/01/2005. Foto Ralph M. Giesbrecht

Estação de Candeias, em 16/01/2005. Foto Ralph M. Giesbrecht

Estação de Candeias, em 16/01/2005. Foto Ralph M. Giesbrecht

Estação de Candeias, em 16/01/2005. Foto Ralph M. Giesbrecht
   
     
Atualização: 19.06.2011
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.