A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Indice de estações
...
Belém
Gentil Bittencourt
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: N/D
...
 
E. F. Bragança (1893-1941)
BELÉM
Município de Belém, PA
E. F. Bragança - km 0 - (1893)   PA-4654
Altitude: 10 m   Inauguração: 02.05.1893
Uso atual: demolida   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d (já demolida)
 
 
HISTORICO DA LINHA: Em 1616, quando Francisco Caldeira Castelo Branco aportou em Belém, já lá encontrou comerciantes batavos e ingleses. Com a cidade já estabelecida, açorianos também ali se instalaram e com isso outros núcleos foram surgindo, como Souza do Caeté, a futura Bragança. Para prover o abastecimento da região, já existia a cidade de São Luiz, no Maranhão, mas as comunicações por mar, por terra e por via fluvial eram difíceis. Ao longo do caminho, formaram-se pequenos povoados, como Castanhal, Igarapé-Açu, Timboteua e Capanema. Somente no último quarto do século 19 é que o Governo Provincial resolveu-se pela construção de uma estrada de ferro na região, quando esta já tinha produção agrícola razoável, mas uma imensa dificuldade de escoamento. A ferrovia deveria ligar Belem a São Luiz. Em 1870 já havia negociações nesse sentido. Após várias demoras e desistências, a obra começou em meados de 1883. Em 24 de junho de 1884 foi inaugurado o trecho inicial até a colônia de Benevides e em 1885, a Apeú. O trecho seguinte até Jambu-Açu, a 105 km de Belém, foi completado em 1897. Até 1907, a ferrovia avançou mais 31 km e em 1908 chegou a Bragança, seu objetivo mais importante: a essa altura, São Luiz era já um sonho numa estrada que não atingia 300 km de extensão. A ferrovia, sempre deficitária, tentou-se arrendar em 1900, mas, como o desenvolvimento na região por ela percorrida compensava os prejuízos, resolveu-se por um empréstimo externo no valor de 650 mil libras esterlinas. Finalmente, em 1923, a ferrovia foi repassada para a União e o Estado tornou-se seu arrendatário até 1936. A partir daí, passou de vez para administração federal. Em 1965, em péssimas condições de operação, fechou de vez.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Belém foi inaugurada nove anos depois do primeiro trecho da ferrovia, em 1893. A partir de 1941-43 a ferrovia passa a começar em São Braz. O trecho suprimido tinha de 5 a 6 quilômetros, entre São Braz e a estação de Belem. Em 1887 começaram os trabalhos de construção da estrada a partir de São Braz até o centro da cidade, 6 quilômetros, aproveitando-se o trecho já feito entre São Braz e Batista Campos, e esse pedaço de linha foi inaugurado em 2 de maio de 1893. Em 1896, o quadro de estações e paradas da linha era este. A linha chegava até Castanhal e tinha oito estações. A de Belém era a 1a e a de Castanhal, a 8a (Folha do Norte, 29/2/1896). Havia ainda 16 paradas, tudo isso em 75 km de linha-tronco.

ACIMA: Mapa da cidade de Belem em 1889, mostrando a estação São Braz e o leito da ferrovia (em pontilhado) (Autor desconhecido). ABAIXO: Pátio e oficinas de São Braz, por volta dos anos 1950 (Acervo Revista Ferroviária).
trabalhos de construção da estrada a partir de São Braz até o centro da cidade, 6 quilômetros, aproveitando-se o trecho já feito entre São Braz e Batista Campos, e esse pedaço de linha foi inaugurado em 2 de maio de 1893. "Apenas para colaborar com as informações sobre o tracado original da

ACIMA: Outros tempos: no local onde antigamente ficava a estação São Braz, da E. F. Bragança, em Belém, fica hoje o terminal rodoviário, sinal da vitória dos pneus sobre os trilhos (Foto José de Alencar, que, aliás, aparece na fotografia com o seu indefectível cajado para suas caminhadas). ABAIXO: Trem da E. F. Bragança na estação de São Braz, em Belém (Foto Dmitri Kessel, revista LIFE, anos 1950).
ferrovia dentro da área urbana de Belém, os registros informam que além do ramal que iniciava em uma estação localizada na Trav. 16 de novembro com a Almirante Tamandaré (onde hoje

localiza-se o Hotel de transito do Exercito) e tinha como trajeto a 16 de novembro, Praça Amazonas, Rua dos Jurunas (hoje Roberto Camelier), Mundurucus, Passagem do Horto, Gentil até a estação de São Braz existia outro ramal que partia do entroncamento sobre o leito da atual Pedro Alvares Cabral chegando aos armazens do cais do Porto. Inclusive, em alguns mapas antigos de Belém, a atual Pedro Álvares Cabral era chamada de Rua do Trilho" (José Maria Quadros de Alencar, Blog do Alencar, 23/01/2008). Em 1896, o quadro de estações e paradas da linha era este. A linha chegava


AO LADO: A notícia de fevereiro de 1961 dava como concluída a ligação da estação de São Braz com o porto de Belém e que agora tudo iria melhorar. Como a estrada fechou cinco anos depois, vemos que dinheiro foi gasto para nada (Folha de S. Paulo, 6/2/1961).


(Fontes: José Maria Quadros de Alencar; Dmitri Kessel; Folha do Norte, 29/2/1896;
LIFE, anos 1950; Revista Ferroviária; Revista Brasileira de Geografia, julho-setembro 1961; Guia Geral de Estradas de Ferro do Brasil, 1960)
     

A primeira estação de Belem, em 1899. Autor desconhecido

A estação provavelmente por volta de 1910. Cartão postal de Martins & Araújo Editores

A estação de São Braz, provavelmente anos 1920. Autor desconhecido

A mesma foto à direita no alto, colorizada.
   
     
Atualização: 03.03.2014
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.