A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Mirim
Campos
Cajamar
...

EFPP-Nilson Rodrigues
...
 
 
E. F. Perus-Pirapora (n/d - 1925)
CAMPOS
Município de Cajamar, SP
E. F. Perus-Pirapora - km   SP-1073
    Inauguração: n/d
Uso atual: n/d   com trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
HISTORICO DA LINHA: A E. F. Perus-Pirapora iniciou as operações em 1914 para transportar cal do bairro do Gato Preto para a estação de Perus, na São Paulo Railway, com bitola de 60 cm. Ela deveria também transportar os romeiros para Pirapora do Bom Jesus, mas os trilhos nunca chegaram até lá. O trecho inicial sofreu várias modificações, com a construção de dois ramais, um curto, para Entroncamento e outro, mais longo, para Cajamar, este para o transporte de calcáreo. Sempre usando trens mistos, o transporte de passageiros funcionou de 1914 a 1972, quando foi desativado. Em 1951, a ferrovia foi comprada pela família Abdalla, que a operou até 1974, quando a União ficou com a estrada. Em 1981, os Abdalla recuperaram a ferrovia e a fecharam definitivamente em janeiro de 1983. A ferrovia foi tombada pelo Condephaat em 1984 e está abandonada, junto com todo o seu material rodante, até hoje, novembro de 2002.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Campos ficava exatamente ao lado da estrada via Anhanguera-Cajamar, sentido Cajamar, pouco além do atual cruzamento com a estrada para o Guaturinho e Santana de Parnaíba. Como várias outras da EFPP, não era oficial e era um posto telefônico, uma parada apenas. Pouco antes, de quem vinha pela linha, uma vila ferroviária pequena teima em sobreviver, favelizada. Onde o trem parava, o asfalto da rodovia citada e a base de concreto do antigo posto telefônico foi o que sobrou, no acostamento. Entre as estações de Campos e de Rocha, saía o ramal para Cajamar, aberto por volta de 1925, para buscar calcáreo para a fábrica de cimento em Perus. Uma das casas que aparentemente foram da vila ferroviária ainda estão de pé, com alguns barracos ao lado. A linha ainda passa ali, sendo apenas um trilho visível; o outro está coberto por terra. Um pouco antes, uma casa de madeira foi erigida sobre os trilhos. "Campos era um local junto à estrada de ligação Cajamar-Anhanguera, que tinha um posto telefônico para pedido de linha. Essa parada foi utilizada somente durante a existencia da linha original que ligava Perus com Gato-Preto, nos primeiros anos de operação. Posteriormente, esse trecho foi suprimido e o posto perdeu sua função, tendo sido substituido pelo posto Rocha." (Nilson Rodrigues, 11/2002) Em 1976 o posto ainda estava ali, como mostra a foto abaixo, de Fábio Dardes, mas apenas sua cobertura, o telefone não existia. O trem está vindo de Cajamar e não do Gato Preto.
     

O posto telefônico de Campos, no canto direito inferior, em 1976, funcionando enquanto o trrem da EFPP cruza a estrada Anhanguera-Cajamar, em 1976. Foto Fábio Dardes

Casa que foi da vila ferroviária de Campos; a linha passa mais ou menos no ponto de onde tirei a foto. Atrás da casa, a rua principal do Guaturinho. Esse ponto fica a uns 200 metros antes do posto telefônico de Campos

A linha da EFPP, em Campos, com apenas um trilho à mostra, seguindo no sentido de Rocha e Cajamar, pouco abaixo da casa mostrada antes; ao fundo, a estrada Cajamar-Anhanguera. Todas as fotos são de Ralph M. Giesbrecht, as duas primeiras em 04/2002, as outras em 12/2002

Entre o primeiro e o segundo poste da esquerda da estrada Anhanguera-Cajamar (ao fundo, Cajamar, e em primeiro plano, o entroncamento da estrada para o Guaturinho e Santana de Parnaíba)...

...passam ainda hoje os trilhos da EFPP, e sobre o que hoje é a estrada asfaltada, o trem parava para embarcar e desembarcar passageiros...

...exatamente neste ponto, onde hoje sobra apenas a base de concreto do antigo posto telefônico de Campos, no acostamento da rodovia...

...e onde os trilhos cruzam, com o asfalto cobrindo tudo e sem movimento de trens desde 1983. À frente, no caminho de Rocha, onde era a bifurcação para Cajamar e Gato Preto, só mato
   
     
Atualização: 20.07.2010
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.