A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Terceira Parada
Clemente Falcão
Engenheiro Gualberto
...

ram. S. Paulo EFCB-1950

Mapa de S. Paulo-1978
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2010
...
 
E. F. do Norte (1886?-1892
E. F. Central do Brasil (1892-1975)
RFFSA (1975-1981)
CLEMENTE FALCÃO
(antiga QUARTA PARADA)
Município de São Paulo, SP
Ramal de São Paulo - km 494,795**   SP-0004
Altitude: 746,857 m   Inauguração: 29.08.1886?
Uso atual: demolida em 1981   com trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d (já demolida)
 
 
HISTORICO DA LINHA: Em 1869, foi constituída por fazendeiros do Vale do Paraíba a E. F. do Norte (ou E. F. São Paulo-Rio), que abriu o primeiro trecho, saindo da linha da SPR no Brás, em São Paulo, e chegando até a Penha. Em 12/05/1877, chegou a Cachoeira (Paulista), onde, com bitola métrica, encontrou-se com a E. F. Dom Pedro II, que vinha do Rio de Janeiro e pertencia ao Governo Imperial, constituída em 1855 e com o ramal, que saía do tronco em Barra do Piraí, Província do Rio, atingindo Cachoeira no terminal navegável dois anos antes e com bitola larga (1,60m). A inauguração oficial do encontro entre as duas ferrovias se deu em 8/7/1877, com festas. As cidades da linha se desenvolveram, e as que eram prósperas e ficaram fora dela viraram as "Cidades Mortas"... O custo da baldeação em Cachoeira era alto, onerando os fretes e foi uma das causas da decadência da produção de café no Vale do Paraíba. Em 1889, com a queda do Império, a E. F. D. Pedro II passou a se chamar E. F. Central do Brasil, que, em 1892, incorporou a já falida E. F. do Norte, com o propósito de alargar a bitola e unificar as 2 linhas. O primeiro trecho ficou pronto em 1901 (Cachoeira-Taubaté) e o trecho todo em 1908. Em 1957 a Central foi incorporada pela RFFSA. O trecho entre Mogi e São José dos Campos foi abandonado no fim dos anos 1980, pois a construção da variante do Parateí, mais ao norte, foi aos poucos provando ser mais eficiente. Em 31 de outubro de 1998, o transporte de passageiros entre o Rio e São Paulo foi desativado, com o fim do Trem de Prata, mesmo ano em que a MRS passou a ser a concessionária da linha. O transporte de subúrbios, existente desde 1914 no ramal, continua hoje entre o Brás e Estudantes, em Mogi e no trecho D. Pedro II-Japeri, no RJ.
 
A ESTAÇÃO: Como nas outras paradas dos subúrbios da E. F. do Norte, supõe-se que a Quarta Parada tenha sido inaugurada com os trens de subúrbio que seguiam para a estação da Penha, ponto final do subúrbio e situada no final do ramal por onde os trens entravam, na chave da estação de Guaiaúna (depois Carlos de Campos), em 1886, passando em 1891 a ser operada pela Central do Brasil, que comprou neste ano a ferrovia paulista.

A supressão dos trens do ramal da Penha, em outubro de 1915, parece não ter eliminado o uso das paradas na linha do ramal de S. Paulo.
Max Vasconcellos, em seu livro "Vias Brasileiras de Communicação" (1928) cita a Quarta Parada, mas não dá nenhuma data para sua abertura.

Cf. o Guia Levi de janeiro de 1930, neste ano esta parada não estava em funcionamento.


De fato, no ano de 1931, o jornal O Estado de S. Paulo, de 21 de março (ver caixa abaixo), afirmava que o prefeito (Luiz Ignacio de Anhaia Mello) pedia que a Quarta Parada fosse reativada (então, já estava desativada há algum tempo - na "administração passada", segundo ainda o prefeito*). Realmente, ela foi reativada em novembro de 1931 (veja outro caixa abaixo), sete meses depois da reclamação do prefeito. Os Guias Levi de 1933 realmente a mostram já em funcionamento.

*Nota para o parágrafo imediatamente acima: "administração passada" pode tanto ser a do prefeito anterior a Anhaia Mello (muito curta, entre 1930 e o início de 1931, após a revolução de 1930) quanto à administração de prefeitos ou governadores imediatamente anteriores à mesma revolução. Não consegui encontrar nada nas notícias da época.

Notar também que as referências a todas essas paradas encontradas na época falavam em geral dos pequenos bairros que se montavam ao redor delas. Porém, de todas as seis paradas originais, apenas a 4ª parada tornou-se nome de bairro e até de cemitério.

Esta página não conseguiu informações sobre em que data a estação passou a se chamar Clemente Falcão. Mais tarde, ela estava situada defronte à estação Belém do metrô e a menos de 900 m da nova estação Tatuapé. É sabido que os locais com os dois nomes tornaram uma sucessora da outra. A se confiar nestes números, existiriam 1.300 metros de distância entre a 4a Parada original e a de Clemente Falcão, algo considerável**.

"*Nota para a quilometragem: conforme Max Vasconcellos, em 1928, era 494,795. Segundo o artigo em que a Central reativa a parada em 1931 (ver caixa abaixo), a quilometragem era 496. Conforme o Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil em 1960, era 496,212. Depois, chegou a ter a quilometragem assinalada como 496,089 (anos 1970-80).

Em 1940, a estação ainda se chamava Quarta Parada. Em 1948, já tinha o nome de Clemente Falcão e teve o prédio depredado e incendiado por uma multidão enraivecida depois de um acidente na estação, que mandou diversos feridos para o hospital (ver caixa abaixo).

"Fui morador do Belém entre 1975 a 1982 e freqüentei bastante a antiga Clemente Falcão. Naquela época, eu me lembro que a Av. Álvaro Ramos tinha uma passagem de nível e uma passarela de madeira dando acesso á estação, e recordo-me quando descia as escadas da passarela com meu pai e ouvia o chefe da estação anunciando o trem: 'tronco a Mogi das Cruzes!" ou "variante a Calmon Viana!' anunciava ele. Inclusive ainda existe aquele prédio ao lado direito da plataforma, de onde os moradores do prédio acenavam pra gente quando embarcávamos no trem. Naquela época, os trens da RFFSA para Mogi eram os Budd-Mafersa, e para Calmon Viana eram aqueles trens azuis, cariocas, muito velhos" (Paulo Duarte, 05/2005).

A estação foi fechada quando se inaugurou a estação Tatuapé, "às 24 hs do dia 5/11/1981" (Revista Ferrovia no. 81, de 1981).

O fechamento da estação levou a muitas reclamações dos moradores e usuários que ali embarcavam, obrigados então a caminhar por mais de um quilômetro até a nova estação de
Tatuapé
.

Em 2002, ainda existia a plataforma da antiga estação, como que congelada sob o muro colocado ao lado da linha (ver foto de 2002 ao pé da página).

1894
AO LADO:
Choque de trem e carroça na
Quarta Parada (O Estado de S. Paulo, 5/1/1894).

ACIMA: Tabela das paradas da Central em 1902 (O Estado de S. Paulo).

ACIMA: A posição exata da Quarta Parada no cruzamento da avenida Alvaro Ramos com os trilhos da Central em 1913. (Mapa de Sãp Paulo, 1913).

1931
AO LADO:
Desativação e reativação da Quarta Parada. Pelo visto, esta ordem havia fechado todas as seis paradinhas (O Estado de S. Paulo, 21/3/1931).

1931
AO LADO:
Depois de ter sido fechada, voltavam a funcionar a 4a e a 5a parada. Fica aqui a dúvida. Estaria ela no mesmo local da anterior, dos "suburbinhos da Penha"? Afinal, o texto falava em "novas paradas". Pelo texto, não há como saber, pois as quilometragens no artigo são um pouco diferentes das oficiais (O Estado de S. Paulo, 15/11/1931).

1933
AO LADO:
Acidente grave na 4a parada (O Estado de S. Paulo, 15/11/1933).

1934
AO LADO:
Atropelamento na 4a parada (O Estado de S. Paulo, 8/7/1934).

1935
AO LADO:
Atropelamento na 4a parada (O Estado de S. Paulo, 5/7/1935).

ACIMA: Atropelado por um trem na passagem de nível da ferrovia na avenida Alvaro Ramos, ao lado da Quarta Parada, em 1936 - CLIQUE SOBRE A IMAGEM PARA VER TODA A REPORTAGEM (Correio de S. Paulo, 21/5/1936).

1938
AO LADO:
Atropelamento na passagem de nível próxima à estação da Quarta Parada (O Estado de S. Paulo, 1/11/1938).

1940
AO LADO:
Morte na estação da Quarta Parada (O Estado de S. Paulo, 28/8/1940).

ACIMA: Multidão ataca, depreda e incendeia a estação após um desastre no ano de 1948 (VEJA A REPORTAGEM TODA CLICANDO SOBRE A FOTO). O prédio seria aquele ao fundo e, em primeiro plano, um muro que possivelmente separava a linha da rua. A foto é muito ruim e jamais consegui uma foto decente do prédio que supostamente havia ali. Terá esse prédio sido restaurado depois e voltado a funcionar? (Folha da Manhã, 2/9/1948).

ACIMA: Passagem de nível em Clemente Falcão. "Olhando a foto, esta me deixou com uma dúvida. A plataforma que aparece na foto é no sentido Roosevelt-Mogi. Observe o muro após a plataforma, ele é de placas de concreto e o de Clemente Falcão era e ainda é de pedras e após a construção do metrô boa parte dele foi preenchido com concreto para ficar mais alto. A foto foi tirada provavelmente nos anos 1960 e trata-se de um usuário equilibrando-se sobre o trilho para não pagar passagem e sendo observado pelo segurança da ferrovia. Todas as estações tinham nos dois sentidos fossos com um recipiente no meio dos trilhos contendo água e óleo para dificultar a evasão de renda. A passagem de nível em questão ficava na outra extremidade da plataforma, ou seja após a rampa de acesso que está até hoje lá como recordação. Era a passagem de nível interna e a externa era a da Av. Álvaro Ramos. Trabalhei na Fábrica de Aparelhos Elétricos Fame situada à Rua Cajurú de 1961 a 1965 e era usuário da estação de Clemente Falcão diariamente. Fica a dúvida, a foto foi revelada invertida ou trata-se de outra estação? (Sérgio Moura, 3/2/2013) (autor e data desconhecidos).

ACIMA: Estação provisória de Clemente Falcão que funcionou durante muito pouco tempo no início dos anos 1980. Teria sido construída em 7 dias (Cessão Thomas Correa, foto de 1981).

(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local; Alberto del Bianco; Coaraci Camargo; Paulo Duarte; Revista da Semana, 1924; O Estado de S. Paulo, 1902 e 1938; Folha de S. Paulo, 7/11/1981; Revista Ferrovia, 1981; Max Vasconcellos: Vias Brasileiras de Communicação, 1928; Guias Levi, 1932-79; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

Na plataforma da estação de Clemente Falcão, em 1977, o cruzamento dos trens DP1 com DP4. Foto Alberto del Bianco

No início de 2002, a antiga plataforma da estação ainda está ali, cimentada sob o muro... Foto Coaraci Camargo

No início de 2002, a antiga plataforma da estação ainda está ali, cimentada sob o muro... Foto Coaraci Camargo
     
     
Atualização: 22.07.2020
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.