A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Tujuguaba
Conchal
Pádua Salles
...

Ramal de P. Salles - 1935
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2016
...
 
Cia. Carril Funilense (1912-1921)
E. F. Sorocabana (1921-1960)
CONCHAL
Município de Conchal, SP
Ramal de Pádua Salles - km 270,104 (1934)   SP-1139
Altitude: 578 m   Inauguração: 02.07.1912

Uso atual: Órgão da Prefeitura (2016)

  sem trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
 
HISTORICO DA LINHA: A Cia. Carril Funilense foi inaugurada em 18/09/1899 pela Cia. Agrícola Funilense, de Funil (hoje Cosmópolis), com bitola de 60 cm, saindo do centro de Campinas e chegando até a atual Cosmópolis, na época chamada de Barão Geraldo de Rezende. Em 1904, por parte de um empréstimo não honrado, o Governo do Estado ficou com a ferrovia. Em 1906, a bitola foi ampliada para a métrica; em 1913, a ferrovia já chegava ao seu ponto máximo, em Pádua Salles, margem do rio Mogi-Guaçu. Em 01/09/1921, a Sorocabana incorporou a linha, que em 1924 passou a sair da nova estação da EFS em Campinas, e com o nome de Ramal de Pádua Salles, com 93 quilômetros. A linha foi fechada no início de 1960, tendo os trilhos arrancados pouco tempo depois. Hoje são bem poucos os resquícios da velha Funilense.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Conchal foi inaugurada em 1912 pela Funilense, para atender o núcleo colonial Visconde de Parnahyba,

OBRAS OCORRIDAS NA ESTAÇÃO E SEU PÁTIO DE ACORDO COM RELATÓRIOS DA EFS: 1934 - Reparação e pintura de casas de turma

estabelecido pelo Governo do Estado dois anos antes, em terras da fazenda Conchal, então pertencente ao município de Mogi-Mirim. Relatórios estaduais afirmam claramente que a linha entre e Conchal foi aberta ao tráfego em 2 de julho de 1912 e não dezembro de 1913 como informam algumas fontes. A cidade formou-se a partir do núcleo colonial e a estação tomou o nome da fazenda, pois foi o dono desta fazenda, Alfredo Eduardo de Oliveira, que fez o acordo de terras com a ferrovia. Em 1921, passou a fazer parte da malha da Sorocabana, que passou a administrar a linha, incorporando-a sob o nome de ramal de Pádua Salles. A estação foi desativada em 1960, com a linha, mas ainda existe: restaurada, não tem mais a cobertura da plataforma. Está ali, no "fim" da cidade, até que bem conservada e servindo de escola, com um pátio enorme à sua volta, meio que esquecido por todos... "Sou fanático por estradas de ferro, pois na minha infância na cidade de Conchal, SP, existia o hoje extinto ramal de Pádua Sales da Funilense. Todas as noites, não exatamente as 20h12' como era o seu horário (das 8h12' em diante como dizia o último chefe da estação, Sr. Gregório Jose Bechara) desciamos em grupo de 12 a 15 amigos até a estação para ver o trem chegar. A maioria das vezes era somente o Sr. Maurício Heremann, o estafeta, quem descia do trem. Era a única coisa que havia de entretenimento durante à noite em Conchal e lembro que as ruas eram fracamente iluminadas pela antiga SACERC - S/A - Centrais Elétricas de Rio Claro. O trem passava e o jeito era voltar para casa e esperar pelo dia seguinte. Quando a ferrovia foi desativada eu tinha de 13 para 14 anos, mas ela deixou muitas saudades" (Ettore Manoel Gaspar, Matão, 10/2002).
(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local; Coaraci Camargo; Ettore Manoel Gaspar; Prefeitura de Conchal; O Estado de S. Paulo, 1909; Correio Popular, Campinas, 2009; E. F. Sorocabana: relatórios oficiais, 1922-61; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação de Conchal, ainda ativa (sem data). Foto do site da Prefeitura de Conchal

Meio que perdida nos limites da zona urbana de Conchas...

... a antiga estação resiste em suas formas simples mas bonitas...

... dando um certo charme à cidade e fazendo-a lembrar que um dia um trem passou por ali...

... trazendo o progresso, sem o qual a cidade hoje não existiria. Fotos de Ralph M. Giesbrecht, em 11/03/2002

A estação em 01/2006. Foto Coaraci Camargo

Fachada da estação em 30/3/2016. Foto Ralph M. Giesbrecht
   
     
Atualização: 02.04.2016
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.