A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Indice de estações
...
Barão de Javari
Miguel Pereira
Pedras Ruivas
...

...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: 1998
...
 
E. F. Melhoramentos (1898-1903)
E. F. Central do Brasil (1903-1965)
E. F. Leopoldina (1965-1975)
RFFSA (1975-1996)
MIGUEL PEREIRA (antiga ESTIVA)
Município de Miguel Pereira, RJ
Linha Auxiliar - km 116,214 (1928)   RJ-0290
Altitude: 611 m   Inauguração: 28.03.1898
Uso atual: em reforma (2015)   com trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
 
HISTORICO DA LINHA: A chamada Linha Auxiliar foi construída pela E. F. Melhoramentos a partir de 1892 e em 1898 foi entregue o trecho entre Mangueira (onde essa linha e a do Centro se separam) e Entre Rios (Três Rios). O traçado da serra, construído em livre aderência e com poucos túneis, foi projetado por Paulo de Frontin, um dos incorporadores da estrada. Em 1903, a E. F. Melhoramentos foi incorporada à E. F. Central do Brasil e passou a se chamar Linha Auxiliar. Ferrovias foram incorporadas a ela, assim como ramais construídos, dando origem à Rede de Viação Fluminense, que tinha como tronco a Linha Auxiliar, sendo tudo gerido pela Central. Na mesma época, o ramal de Porto Novo, que saía de Entre Rios, teve a sua bitola estreitada para métrica e tornou-se a continuação da Linha Auxiliar até Porto Novo, onde se entroncava com a Leopoldina. No final dos anos 1950, este antigo ramal foi incorporado à E. F. Leopoldina e a Linha Auxiliar passou a terminar de novo em Três Rios, onde havia baldeação. A linha, entre o início e a estação de Japeri, onde se encontra com a Linha do Centro pela primeira vez, transformou-se em linha de trens de subúrbios, que operam até hoje; da mesma forma, a linha se confunde com a Linha do Centro entre as estações de Paraíba do Sul e Três Rios, onde, devido à diferença de bitolas entre as duas redes, existe bitola mista. Nos anos 60, toda a linha passou para a Leopoldina. A linha da Auxiliar teve o traçado alterado nos anos 1970 quando boa parte dela foi usada para a linha cargueira Japeri-Arará, entre Costa Barros e Japeri, ativa até hoje, bem como para trens metropolitanos entre o Centro e Costa Barros. Entre Japeri e Três Rios, entretanto, a linha está abandonada já desde 1996.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Estiva foi aberta em 1898 pela Melhoramentos. O nome de Miguel Pereira, dado pouco tempo mais tarde, homenageava o Dr. Miguel Pereira, médico e professor da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, falecido nesta localidade.

"Lembro-me quando era pequeno e morávamos em Miguel Pereira. Meu pai sempre que vinha ao Rio me trazia e na maioria das vezes na volta íamos de TUE até Japeri pra fazermos a baldeação para o trem da estreita que ia até Três Rios ou Paraíba do Sul (agora não me lembro). Até que um dia descobrimos que que saía um trem direto de Barão de Mauá a Três Rios ou mais para frente" (Zaidan, Rio de Janeiro, 04/2004).

A estação, que servia de museu ferroviário, pertencia a um supermercado em 2005, segundo informações de Zaidan. "A estação de Miguel Pereira é mais um capítulo da longa história de destruição do patrimônio histórico brasileiro. Pelas ruas da agradável cidade, vê-se ainda longos trechos da linha que ia até Três Rios, ainda com trilhos. O que me dói é saber que as placas que ainda existem de passagem de nível e de cruzamento de via férrea não tem qualquer utilidade, porque alí não passam e provavelmente jamais passarão trens novamente. Aqueles trilhos são como cadáveres insepultos, sem ninguém para velar por eles, deixados lá para apodrecer, às vistas de todos. Pelo que pude apurar, no final dos anos 1990, com a malfadada privatização a estação, desprezada pela Prefeitura local, foi posta à venda e comprada por uma rede de supermercados, cuja primeira providência foi demolir as oficinas ferroviárias que havia ali. A Prefeitura então resolveu embargar a obra e comprar o terreno de volta, prometendo ocupar o imenso espaço vazio com algo que possa favorecer a comunidade. As oficinas agora só existem na memória dos moradores e nas fotos do museu ferroviário de Portela. Nossa história, mais uma vez, foi esquartejada e jogada na jaula das leis de mercado" (Carlos Latuff, julho de 2007).

"Jogaram o prédio da oficina no chão, falaram que iam construir um supermercado, e, na realidade sobrou um imenso vazio. A velha estação ainda está de pé, mas até quando? Um pequeno prédio anexo está em reforma e vai se transformar em posto policial. A plataforma junto à rua, virou parada de ônibus" (Jorge A. Ferreira, 02/2009). Em 2015, estava em reforma.
ACIMA: Chegada do corpo do Dr. Miguel Pereira na estação de Estiva (A Careta, 28/12/1918). ABAIXO: Acidente em dezembro de 1954 na linha Auxiliar na região de Miguel Pereira (Acervo Última Hora, Arquivo do Estado de São Paulo).



ACIMA: A estação em reforma em julho de 2015. ABAIXO: ACIMA: Parece que o trem voltou, mas é somente um trem turístico que roda em finais de semana em 2016. Pelo menos ajuda a manter a linha limpa na cidade. É uma iniciativa particular (Fotos Jorge Alves Ferreira).
(Fontes: Jorge A. Ferreira; Carlos Latuff; Wanderley Duck; Zaidan; Última Hora, 1954; A Careta, 1918; Arquivo do Estado de São Paulo; Max Vasconcellos, 1928; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

Pátio de Miguel Pereira, sem data. Foto cedida por Wanderley Duck


Pátio de Miguel Pereira, sem data. Foto cedida por Wanderley Duck


A estação em 04/2001. Foto Jorge A. Ferreira

A estação em 04/2003. Foto Jorge A. Ferreira

A estação em 04/2003. Foto Jorge A. Ferreira

A estação em julho de 2007. Foto Carlos Latuff
     
Atualização: 01.08.2016
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.