A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Linha da E. F. Goiaz
...
Senador Canedo
Senador Canedo-nova
Eng. Nunes Galvão
...

IBGE - 1957
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: N/D
...
 
V. F. Centro Oeste (1965-1975)
RFFSA (1975-1996)
SENADOR CANEDO-NOVA
Município de Senador Canedo, GO
Linha-tronco - km   GO-3832
    Inauguração: c.1980
Uso atual: abandonada   com trilhos
Data de construção do prédio atual: c.1980
 
 
HISTORICO DA LINHA: A linha-tronco da E. F. Goiaz foi aberta a partir de Araguari, onde já estavam os trilhos da Mogiana desde o ano de 1896, em seu primeiro trecho em 1911, até a ponte sobre o rio Paranaíba, na divisa entre os Estados de Minas Gerais e Goiás. A partir de então, foi aquela demora de sempre: avançando lentamente, atingiu Goiânia, capital do Estado de Goiás desde o início dos anos 1940, somente em 1950, e alguns anos mais tarde a linha foi prolongada em dois quilômetros até Campinas de Goiás. Aí parou. Com a entrada em operação da linha para Brasilia, a partir da estação de Roncador, o trecho até Goiânia perdeu em importância. Hoje boa parte da linha está em operação para trens cargueiros: trens de passageiros acabaram nos anos 1980.
 
A ESTAÇÃO: Há hoje duas estações com o nome de Senador Canedo, a velha (original de 1950) e a nova. Uma está a três quilômetros da outra, ambas abandonadas. Nas suas proximidades ainda existem várias ruínas ferroviárias, incluindo uma antiga fábrica de dormentes, que aplicava creosoto como tratamento químico da madeira. A estação fica nas terras que pertenceram ao fazendeiro Antônio Amaro da Silva Canedo, que foi senador da República Velha. O pátio da estação de Goiânia foi desativado nos anos 1980 e por isso foi construído um pátio e a estação nova de Senador Canedo, que na verdade foi construído parcialmente, isto é, apenas as linhas. As demais construções (silos, oficinas e docas) nunca saíram do papel, assim como a maior parte da grande área central do antigo pátio de Goiânia. Os últimos trens de passageiros para Goiânia, parece que em março de 1986, chegaram na verdade somente até Senador Canedo-nova, pois, daí para a frente, já estava na época tudo desativado. "A estação nova situa-se a cerca de 3 km da velha, sentido Goiânia: depois da velha, entre elas existem diversos terminais de combustíveis, sendo o principal o da Petrobrás. Portanto, estão em pátios diferentes; apesar da velha possuir um imenso pátio porém sem desvios e em completo abandono. Já a nova possui um grande pátio, é estação da FCA, apesar de estar semi-abandonada, pois nota-se que algumas partes depredadas e no dia da foto não encontrei ninguém na estação. Possui um imenso pátio com diversos desvios com grande quantidade de vagões estacionados" (Roberto Fonseca Dias, 11/2006). Em março de 2008, o matagal tomava conta de boa parte do pátio. "Encontrei papéis (documentos) da FCA jogados no chão datados de entre fevereiro e março de 2000, com anotações de manutenção preventiva e pagamento de empreiteiras. Guardei de recordação para quando os trilhos forem arrancados. Há dormentes faltando nos desvios, muitos parafusos soltos, os fixadores dos dormentes, alguns soltos e jogados" (Alessander Palacios, 3/12/2010). Prefixo: ECD. Coordenadas: 16°42'55.79"S 49° 6'43.04"W (Veja também SENADOR CANEDO-VELHA)
(Fontes: Alessander Palacios; Glaucio H. Chaves, 2009; Roberto Fonseca Dias, 2006; Domingos Tiveron Filho, 05/2006; Reney, de Goiânia; Guia Geral de Estradas de Ferro do Brasil, 1960; Guias Levi, 1948-1979; IBGE, 1957)
     

A estação em 2006. Foto Roberto Fonseca Dias

A estação em 2006. Foto Roberto Fonseca Dias

A estação em 2006. Foto Roberto Fonseca Dias

A estação em 11/2010. Foto Alessander Palacios
   
     
     
Atualização: 20.06.2011
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.