A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Indice de estações
...
Pantano
Volta Grande
Lambari
...
Saída do ramal de Pirapetinga (1880-1964): Estrela D'Alva
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2012
...
 
E. F. Leopoldina (1874-1975)
RFFSA (1975-1996)
VOLTA GRANDE
Município de Volta Grande, MG
Linha do Centro - km 267,778 (1960)   MG-1529
Altitude: 215 m   Inauguração: 08.10.1874
Uso atual: alojamento da FCA   com trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
 
HISTORICO DA LINHA: O trecho entre Porto Novo do Cunha, ponta do ramal de Porto Novo da EFCB em 1871, e a cidade de Ubá foi a própria origem da E. F. Leopoldina. O primeiro trecho foi aberto em 1874, de Porto Novo a Volta Grande, e no ano seguinte os trilhos já chegavam a Santa Izabel (Abaíba). Em 1879, a estrada já atingia Ubá, passando por Cataguazes, e tendo um ramal para a cidade de Leopoldina, esta sim, a origem do nome da ferrovia. Em Ubá, a linha do Centro se juntava com a linha Três Rios-Caratinga. A partir daí, com a compra de outras ferrovias e diversos prolongamentos em várias linhas, a Leopoldina se desenvolveu até ter uma das maiores malhas ferroviárias do País, entrando pelo Estado do Rio de Janeiro, atingindo a então capital federal e também chegando a Vitória, no Espírito Santo. A linha-mestra foi chamada de Linha do Centro e vinha da cidade do Rio de Janeiro por Petrópolis, e mais tarde pela Linha Auxiliar da EFCB, que nos anos 60 acabou por ser incorporada à rede da Leopoldina. Em 1975, a Leopoldina desapareceu, incorporada de vez pela RFFSA; hoje mais da metade da sua antiga malha viária está desativada. A Linha do Centro somente tem em atividade real para cargueiros basicamente o trecho entre Cataguazes e Porto Novo, enquanto que os trens de passageiros que por ali passavam já não existem desde os anos 1970.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Volta Grande foi aberta em 1874 (Cyro Pessoa Jr. fala em 8 de outubro e Edmundo Siqueira, em 8 de

ACIMA: No dia 15 de dezembro de 1948, uma enxurrada na região de Volta Grande e Pirapetinga levou diversas pontes e inundou diversas áreas, entre as quais, a ponte sobre o rio Angu por onde cruzavam os trilhos da linha do Centro da Leopoldina (Fotografia Hilgard O´Reilly Sternberg, em 3 de janeiro de 1949).


Um dos mais belos carimbos que conheço: o circular em sinete da Estação de Volta Grande. A mala expedida pela Administração Federal seguia pela Estrada de Ferro Central do Brasil (Ramal de São Paulo – Linha do Centro – Ramal de Porto Novo) e em seguida pela Estrada de Ferro Leopoldina. A agência postal foi criada em 15/07/1881. Pertencia ao município de Além Paraíba (Texto e reprodução: Márcio Protzner)

agosto) e era a estação terminal do primeiro trecho inaugurado para o tráfego na nascente E. F. Leopoldina, o Porto Novo do Cunha-Volta Grande. Situa-se junto ao rio Angu, afluente do rio Paraíba do Sul. Desta estação, de 1880 a 1964, saíam os trens para o ramal de Pirapetinga. A plataforma de onde os trens desse ramal partiam ainda está lá. Os trilhos neste trecho da linha ainda têm movimento de cargueiros de bauxita para a região de Porto Novo. Na estação, uma placa de 1990 mostra que em 17 de fevereiro desse ano a RFFSA inaugurou ali um Centro Ferroviário de Cultura, que já de há muito mudou-se da estação para o centro da cidade. Em 2012, a estação ainda mantém o uso ferroviário, como alojamento de turma da FCA,
que usa o trecho. A cidade é pequena, tem poucas ruas e casas. Do lado da estação, sai uma estrada não pavimentada que acompanha a linha até a cidade de Recreio, depois de cruzarmos duas pontes, diversas fazendas e quatro vilarejos, cada um com

com sua estação, fechadas ou abandonadas. Mas todas
em pé ainda.
Hoje não há
sinal do
ramal de Pirapetinga
, que possivelmen-te saía para
o mesmo
lado,
bifurcando da linha principal talvez um pouco mais à frente.






AO LADO: Acidente com um trem de passageiros em 1963, próximo a Volta Grande (Folha de S. Paulo, 20/5/1963).
ACIMA: Da plataforma da estação de Volta Grande, em 2012 pintada com as cores da FCA por estar sendo utilizada como alojamento de turma de manutenção de linha, vê-se o belo casarão, não tão bem conservado assim (Foto Ralph M. Giesbrecht em 30/10/2012).
(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local; Carlos Latuff; Ricardo Quinteiro de Mattos; Paulo Szabadi; Mendel Rabinovitch; Gutierrez L. Coelho; Marcio Protzner; Edmundo Siqueira: Resumo Histórico da Leopoldina Railway, 1938; Cyro Pessoa Jr.: Estudo Descritivo das Estradas de Ferro do Brasil, 1886;
Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960)
     

A estação ainda ativa, sem data. Foto Preserve

A estação em 20/7/1975. Foto Mendel Rabinovitch

A estação em 20/7/1975. Foto Mendel Rabinovitch

A estação, sem data. Foto EFBrasil

A estação em 1997. Foto Paulo Szabadi

A estação em 1997. Foto Paulo Szabadi

A estação em 2007. Foto Ricardo Quinteiro de Mattos

A estação em janeiro de 2008. Da plataforma da direita saía o ramal de Pirapetinga. Foto Gutierrez L. Coelho.

A estação nas cores da FCA em 30/10/2012. Foto Ralph M. Giesbrecht
     
Atualização: 16.07.2015
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.