A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Indice de estações
...
Lindóia
Óculo Pequeno
São Pedro de Ferros
...

IBGE - 1970
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: S/D
...
 
E. F. Leopoldina (n/d-1975)
RFFSA (1975-1994)
ÓCULO PEQUENO
Município de Rio Casca, MG (Veja o local)
Linha de Caratinga-km 508,708 (1960)   MG-3413
    Inauguração: n/d
Uso atual: em ruínas   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
HISTORICO DA LINHA: Este trecho da Leopoldina na verdade era uma junção de várias linhas isoladas originalmente, construídas em épocas diferentes. O trecho entre Entre Rios (Três Rios e Silveira Lobo foi aberto em 1903 e 1904; o seguinte, até a estação de Guarani, ficou pronto em 1883 e havia sido construído e operado pela Cia. União Mineira, até a entrega à Leopoldina, em 1884; o trecho entre esse ponto e Ligação ficou pronto em 1886, enduanto daí para a frente, até Ponte Nova, foi entregue entre os anos de 1879 e 1886. Entre 1912 e 1926, entregou-se a linha até Matipoó (Raul Soares) e finalmente, em 1931, a linha chegou a Caratinga, de onde não passou. Havia um trem de Barão de Mauá, no centro do Rio de Janeiro, para Caratinga, via Petrópolis, todos os dias, desde que a linha completa foi entregue, em 1931. Sem trens de passageiros desde os anos 80 (em 1980 ainda existiam trtens mistos fazendo o serviço de passageiros entre Ubá e Caratinga, vindo de Recreio, na antiga linha-tronco da EFL), a linha foi erradicada em 1994 nos trechos Três Rios-Ligação e Ponte Nova-Caratinga; o trecho intermediário consta até hoje como tendo "tráfego suspenso".
 
A ESTAÇÃO: A parada de Óculo Pequeno teria sido inaugurada em 1921. Pelo menos, esta é a data que consta na parte superior de uma das portas - 21.11.921 (foto abaixo). Era um prédio de apenas

ABAIXO: Mapa dos anos 1950 mostra a linha passando pelo município de Rio Casca, mostrando também a estação de Óculo Pequeno, a nordeste da sede (mapa parcial) (IBGE: Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, vol. VII, 1960).
um cômodo, pequeno, que ficava nas terras da fazenda do mesmo nome. Hoje (2006) está em ruínas. Em volta, apenas o campo, nenhuma outra construção.
(Fontes: Diovanni Rezende, 2006; Edmundo Siqueira: Resumo Histórico da Leopoldina Railway, 1938; IBGE: Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, vol. VII, 1960; IBGE, 1970; Guia Geral de Estradas de Ferro do Brasil, 1960; Guias Levi, 1932-80)
     

Nas três fotos tomadas por Diovani Resende, em 02/2006, a velha parada em ruínas. Uma data aparece numa das paredes - 1921.
 
     
Atualização: 20.12.2010
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.