A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Indice de estações
...
Fonseca
Cabo Frio
...

...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: S/D
...
 
E. F. Maricá (1937-1943)
E. F. Central do Brasil (1943-1957)
E. F. Leopoldina (1957-1962)
CABO FRIO
Município de Cabo Frio, RJ
E. F. Maricá/Ramal de Cabo Frio - km 158,249 (1960)   RJ-1850
Altitude: 4 m   Inauguração: 11.09.1937
Uso atual: sede de camping (2007)   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: 1936?
 
 
HISTORICO DA LINHA: A E. F. Maricá teve o seu primeiro trecho aberto em 1888, ligando as estações de Alcântara e Rio do Ouro. Em 1889 chegou a Itapeba e somente em 1894 a Marica. Em 1901, chegava a Manuel Ribeiro. Nilo Peçanha, como Presidente da Província do Rio e também da República, conseguiu a união da linha com a Leopoldina na estação de Neves, construída para esse entroncamento, e do outro lado prolongou a linha até Iguaba Grande. Em 1912, entretanto, o capital dos empresários da região acabou e a linha foi vendida à empresa francesa Com. Generale aux Chemins de Fer. Em 1933, o Governo Federal encampou a ferrovia e a prolongou, em 1936, até Cabo Frio, onde se embarcava sal das salinas das praias. Em 1943, a E. F. Marica foi passada para a Central do Brasil. Em junho de 1957, passou para a Leopoldina. Os trens passaram a sair da estação de General Dutra, em Niterói, entrando no ramal em Neves. Em janeiro de 1962, parou o trecho Maricá-Cabo Frio. Em 1964, parou o trecho Virajaba-Maricá. Em 1965, somente seguiam trens de subúrbio ligando Niterói a Virajaba, com o resto do ramal já desativado. A ferrovia foi finalmente erradicada em 31/01/1966.
 
A ESTAÇÃO: "Em 1913, a dois anos do tricentenário de sua fundação, a cidade de Cabo Frio permanecia mergulhada na vida pacata e solitária de sempre, isolada da capital e do resto do país pela falta de estradas. Os trilhos da ferrovia Maricá, que haviam chegado à região (em Araruama) em 1911, agora estendiam-se até Iguaba Grande. Somente em 1915 os cabo-frienses ganhariam um meio de locomoção: a lancha a motor com que o francês Alberto Mazur inaugurou a primeira linha de transporte de passageiros, via Laguna de Araruama. Era um percurso muito perigoso nos dias de vento forte; e mesmo com águas calmas, navegava-se horas até atingir a estação de Iguaba. Depois, dali até Niterói a situação não era melhor, pois as inúmeras falhas na construção da ferrovia causavam tantos descarrilhamentos que a viagem poderia durar mais de dez horas. Em 1923, com a abertura da estrada de rodagem até Iguaba, foi inaugurada uma linha de ônibus com viagem às terças-feiras e, tempos depois, também aos sábados. Com a construção da ponte Feliciano Sodré, em 1926, foi estabelecido um serviço de ônibus diário" (Elísio Gomes Filho: Histórias de Célebres Naufrágios do Cabo Frio, Editora Texto & Arte, s/data).

A E. F. Maricá chegou a Cabo Frio somente em 1937. A função principal desse prolongamento era o carregamento de sal no porto.

Durou pouco esse trecho, erradicado com o restante do ramal em 1966. Na verdade, indicações a partir do Guia Levi mostram que já no final de 1964, havia trens de subúrbio que saindo de Niterói entravam por Neves até a estação de Virajaba apenas, o que significa que nessa época o resto do ramal já não operava mais. Também há fontes de Cabo Frio que afirmam que o trem para lá teria sido suspenso em janeiro de 1962. Porém, o Guia Levi de 09/1962 ainda mostra trens de passageiros correndo pelo ramal todo.

O prédio desativado da estação hoje está dentro de uma área de camping, segundo Coryntho Silva Filho. "Vi de longe o prédio, já que não pude nesse dia entrar na área. No topo do prédio ainda figura a inscrição EFM (Estrada de Ferro Maricá) em alto relêvo. Forçando um pouco a visão ainda pude ver numa lateral do prédio a inscrição Cabo Frio, em letras tipo art decô. Cheguei a ver os trens em algumas ocasiões. Hoje, quem tem menos que cinquenta nem sabe o que é trem..." (Coryntho Silva Filho, 09/2005). Na verdade, foi camping de 1982 a 2000. "O prédio está em excelente estado de conservação e a plataforma ainda exibe suas pedras originais em tons de rosa. O dístico "CABO FRIO" ainda se encontra na lateral do edifício" (Carlos Euclides Miguez, 2007).

Em 2017, o prédio da estação e o terreno estavam à venda por 7 milhões de reais. É propriedade particular.


ACIMA: A linha da antiga E. F. Maricá entrava na cidade pelo oeste e chegava até a Ponte do Forte, mostrada no centro do mapa entre as duas enseadas. Notar a linha, em preto, chegando até ali e parando (Revista Brasileira de Geografia, out-dez 1944, p. 481). ABAIXO: O dístico com o nome da antiga estação ainda está no prédio, bem no estilo dos anos 1930 (Foto Cleiton Pieruccini em 4/2009).


ACIMA: O trem na estação de Cabo Frio, sem data (Cessão Henrique Alberto). ABAIXO: Inauguração da estação em 1937 (Autor desconhecido).
(Fontes: Coryntho Silva Filho; Henrique Alberto; Carlos Euclides Miguez; Cleiton Pieruccini; www.marica.com.br; Elísio Gomes Filho: Histórias de Célebres Naufrágios do Cabo Frio, Editora Texto & Arte, s/data; IBGE: Revista Brasileira de Geografia, 1944; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960; Guias Levi, 1932-70; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

Populares esperam a chegada do trem a Cabo Frio para inauguração da estação e da linha em 1937. Cessão Henrique Alberto

Embarque de sal nos vagões da E. F. Maricá, foto sem data. Foto Moira, do site
www.marica.com.br

A estação, possivelmente anos 1960. Autor desconhecido

A estação de Cabo Frio, ainda existente em 09/2005. Foto Coryntho Silva Filho

Fachada da estação, em 2007, ainda com o símbolo EFM sobre a janela acima da porta. Foto Carlos Euclides Miguez

O antigo prédio da estação, à venda em 2017 (Autor desconhecido)
     
Atualização: 30.07.2017
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.