A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Indice de estações
...
Sete Pontes
Raul Veiga
Ipiíbas
...

...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: S/D
...
 
E. F. Maricá (n/d-1943)
E. F. Central do Brasil (1943-1960)
E. F. Leopoldina (1960-1964)
RAUL VEIGA
Município de São Gonçalo, RJ
E. F. Maricá/Ramal de Cabo Frio - km 11,157 (1960)   RJ-2226
    Inauguração: n/d
Uso atual: moradia   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
 
HISTORICO DA LINHA: A E. F. Maricá teve o seu primeiro trecho aberto em 1888, ligando as estações de Alcântara e Rio do Ouro. Em 1889 chegou a Itapeba e somente em 1894 a Maricá. Em 1901, chegava a Manuel Ribeiro. Nilo Peçanha, como Presidente da Província do Rio e também da República, conseguiu a união da linha com a Leopoldina na estação de Neves, construída para esse entroncamento, e do outro lado prolongou a linha até Iguaba Grande. Em 1912, entretanto, o capital dos empresários da região acabou e a linha foi vendida à empresa francesa Com. Generale aux Chemins de Fer. Em 1933, o Governo Federal encampou a ferrovia e a prolongou, em 1936, até Cabo Frio, onde se embarcava sal das salinas das praias. Em 1943, a E. F. Marica foi passada para a Central do Brasil. Em fins dos anos 1950, passou para a Leopoldina. Os trens passaram a sair da estação de General Dutra, em Niterói, entrando no ramal em Neves. Em janeiro de 1962, parou o trecho Maricá-Cabo Frio. Em 1964, parou o trecho Virajaba-Maricá. Em 1965, somente seguiam trens de subúrbio ligando Niterói a Virajaba, com o resto do ramal já desativado. A ferrovia foi finalmente erradicada em 31/01/1966.
 
A ESTAÇÃO: A estação teria sido inaugurada em 1888, com o nome de São Gonçalo. Em 1917 ainda possuiria este nome. Somente depois, veio o nome de Raul Veiga. Da estação de Raul Veiga, do Ramal de Cabo Frio, situada em São Gonçalo, no bairro de mesmo nome, vizinho a Alcântara, existe ainda o prédio original, na entrada de uma favela, e o prédio favelizado e descaracterizado, porém ostentando claramente o nome da estação em sua fachada. A favela ocupa o antigo leito da Linha do Litoral, que foi erradicada e seus trilhos retirados. O local onde passavam os trilhos possui um órgão da Secretaria de Obras da Prefeitura de São Gonçalo. Em São Gonçalo, existe uma grande avenida chamada Maricá, que percorre um trecho de cerca de 3 km do antigo leito, com respeito à antiga faixa ferroviária, que ainda é terreno federal. Depois da favela em Raul Veiga, há outros trechos de quilômetros sem ocupação do leito, onde há ruas em leito natural até chegar na Estrada Santa Izabel. Essa linha tinha diversas paradas ao longo de São Gonçalo, uma delas é o nome de uma localidade, Parada São Jorge, no bairro Sacramento (Informação de Sergio Telles, em 07/2005). Em 1988, morava ali o paraibano Antonio Francisco Arruda, no prédio da estação, transformado numa habitação de cinco quartos e uma sala e pintado de azul e amarelo. Onde se esperava o trem, existia uma criação de rolinhas, sabiás e rolinhas do morador. Em 2008, a antiga estação continua lá, do mesmo jeito como descrito 20 anos antes, porém, espremida entre inúmeras casas... increditável no que se transformou o pátio ferroviário fechado em 1964. Basta comparar as fotos abaixo, tiradas com diferença de 88 anos.
     

A estação de Raul Veiga, ainda ativa, em 1920. Foto cedida por Wanderley Duck

A estação, espremida entre inúmeras casas, em 2008. Foto Cleiton L. L. Pieruccini

A estação, espremida entre inúmeras casas, em 2008. Foto Cleiton L. L. Pieruccini
     

   
 
     
Atualização: 25.05.2013
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.