A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Indice de estações
...
Holofote
Monnerat
Cordeiro
...

...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: N/D
...
 
E. F. do Cantagalo (n/d-1887)
E. F. Leopoldina (1887-1967)
MONNERAT
Município de Duas Barras, RJ
Linha do Cantagalo - km 190,511 (1960)   RJ-0277
Altitude: 596 m   Inauguração: 1885?
Uso atual: terminal rodoviário (2010)   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
 
HISTORICO DA LINHA: O que se convencionou chamar de Linha do Cantagalo pela E. F. Leopoldina correspondia a apenas parte da E. F. Cantagalo, ferrovia original da região. Entre 1860 e 1873, a linha foi construída e aberta entre Porto das Caixas e Macuco, além da cidade de Friburgo. Essa linha originalmente tinha a bitola de 1,676m, depois reduzida para 1,109m e finalmente para métrica. O prolongamento desde a estação de Cordeiro, nesse trecho, até Portela, Às margens do rio Paraíba do Sul, somente foi aberto por pequenos trechos, entre 1876 e 1890, e esse trecho no início era chamado de Ramal Férreo do Cantagalo. Em 1890 a Leopoldina já era dona de todo o trecho, e passou a utilizar o termo Linha do Cantagalo. Esta linha foi fechada por partes: entre Cachoeira de Macacu e Portela a supressão ocorreu em 1967, enquanto que o trecho inicial foi suprimido em 1973. Os trens de passageiros acabaram antes: entre 1962 e 1963 no trecho Cantagalo-Portela e em 15 de julho de 1964 no trecho Cachoeira de Macacu-Cantagalo. Em 1969, o trecho inicial do ramal também teve os trens cancelados.
 
A ESTAÇÃO: Jamais achei alguma literatura que desse a data ou o ano de inauguração da estação de Monnerat. Esta vila foi fundada pela família de mesmo nome, até onde sei. Porém, já existiria a vila quando a linha do Cantagalo ali chegou? É bastante provável que a abertura da estação se tenha dado juntamente com a abertura da linha nesse trecho, ou seja, 1885.

Os trens de passageiros nesse trecho foram desativados em algum dia entre julho de 1963 e outubro de 1965.

"Esta estação ferroviária (Monnerat) é uma das muitas que se tornaram decorativas desde que se subestimou a importância de ferrovia no nosso país. A cidadezinha de Monnerat é mínima, mas encantadora:uma rua principal, uma praça, uma igreja... E como me toca o coração! Fico imaginando (sempre!) a chegada dos meus antepassados em Nova Friburgo,a longa e penosa viagem para um país desconhecido, as incertezas,os sonhos. Ao chegarem aqui, o local não era exatamente aquele que havia sido prometido... mas a obstinação de todas aquelas famílias conseguiu superar mais esta dificuldade. Com muito esforço, fizeram dali o seu lar e, hoje, a cidade encanta a todos, não só por suas belezas naturais mas, também, pelo seu progresso. Me orgulho de ser descendente destes suíços maravilhosos que, com tanta garra, construíram, no passado, o meu presente!" (Angélica Monnerat, 09/2003).

"A estação hoje abriga um posto dos correios e um restaurante, servindo de parada de ônibus inter-municipais" (Carlos Latuff, 10/2006).


ACIMA: O vilarejo de Monnerat e a estação ao fundo, em 1946 (Acervo Edson de Lima Lucas).

ACIMA:: Trem da Leopoldina chegando a Monnerat - provavelmente anos 1950 (http://www. cultura.rj.gov.br).

ACIMA:: Trem da Leopoldina em frente à estação - provavelmente anos 1960 (Autor desconhecido).

(Fontes: Carlos Latuff; Angélica Monnerat; Edson de Lima Lucas; Diego Barbosa; http://www.cultura.rj.gov.br; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação, em 1982. Foto Angelica Monnerat

A estação em 10/2006. Foto Carlos Latuff

A estação em 10/2006. Foto Carlos Latuff

A antiga estação em 3/2010. Foto Diego Barbosa

A ex-estação em 2019. Foto Marcio Cardoso
 
     
Atualização: 15.04.2019
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.