A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Indice
Estações de Sta Catarina
...
Capivari de Baixo
Tubarão
Diomicio de Freitas
...
Saída para o ramal de Lauro Müller: Pinheiros
...

Mapa de 1924
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: S/D
...
 
E. F. Tereza Cristina (1884-)
TUBARÃO
Município de Tubarão, SC
Linha-tronco - km 52,450 (1960)   SC-1764
Altitude: 10 m   Inauguração: 01.09.1884
Uso atual: A segunda: estação rodoviária; A terceira: estação da FTC (2017)   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: 1969
 
 
HISTORICO DA LINHA: A E. F. Dona Teresa Cristina foi aberta por uma empresa inglesa em 1884 ligando o porto de Imbituba às minas de carvão de Lauro Müller. A ferrovia passou para o Governo da República em 1903 e foi arrendada à E. F. São Paulo-Rio Grande em 1910. Em 1918 o arrendamento foi passado para a Cia. Brasileira Carbonífera de Araranguá. Com a construção de um ramal a partir de Tubarão ligando a linha a Cresciúma, em 1919, e o prolongamento até Araranguá em 1923, aos poucos o trecho Imbituba-Araranguá passou a ser a linha-tronco, transformando o trecho Tubarão-Lauro Müller num ramal. Em 1940, a estrada passou a ser administrada novamente pelo Governo Federal, que em 1957 a colocou como uma das subsidiárias da recém-criada RFFSA. Em 1975, oficialmente, o nome Dona Teresa Cristina desaparece e ela se transforma numa das Superintendências Regionais da RFFSA. Em 1996, foi concessionada pelo Governo para uma empresa privada, que hoje a administra sob o nome de Ferrovia Teresa Cristina.
 
A ESTAÇÃO: A estação original de Tubarão foi inaugurada em 1884. Seu nome original parece ter sido Piedade, visto que na relação das estações originais da ferrovia ela aparece com este nome - embora a cidade já tivesse o nome de Tubarão: "A ferrovia possui sete estações, Imbituba, Bifurcação, Laguna, Piedade, Pedras Grandes, Orleans e Minas, tendo (também) pontos de paradas (...) Todos os edifícios são de tijolos e pedras. Acha-se em estado regular. Tem armazéns em todas as estações exceto Bifurcação e Orleans (...)" (Relatório de 1887 apresentado por João Caldeira d'Alvarenga Messeder, engenheiro fiscal da estrada, ao Presidente da Província de Santa Catarina).

A estação original foi demolida quando da construção da segunda estação, bem maior, possivelmente nos anos 1930.

Em 05/05/1969 (*Revista Refesa, 1969) foi entregue a variante de 7.323 metros chamada de Congonhas-Passagem, que fez com que a linha principal Imbituba-Araranguá fosse encurtada em quase 1.400 metros, além de passar por fora da cidade de Tubarão.

No ano seguinte, os trens de passageiros foram suprimidos e o ramal de Lauro Müller, que saía desta estação, também foi retirado. Como disse um jornalista na época, "Autêntico despertador de todos os dias, o comboio cortava a cidade que, meio cismarenta e estremunhada, dormitava à margem da geografia de Santa Catarina".

O trem obstruía constantemente o tráfego da cidade de Tubarão, soltando fagulhas e fumaça para todos os lados. Mesmo numa época em que as locomotivas diesel já imperavam no cenário ferroviário nacional, a EFTC não havia ainda aposentado as suas máquinas a vapor. A segunda estação foi transformada em rodoviária. Outra estação (a terceira) foi construída no novo pátio, em 1969.

"Hoje ela (a segunda estação) serve como ponto de ônibus, barbearia, lanchonete, banheiro público (limpo) e feira de bugigangas" (Paulo Szabadi, 06/2003).

Da variante sai um ramal que liga às oficinas de Tubarão, as originais, mas que não estão muito perto da antiga estação.

ACIMA: Pátio da estação antiga de Tubarão, provavelmente anos 1960 (Revista Ferroviaria, 08/2004). ABAIXO: pátio da estação de Tubarão em maio de 1984 (Foto Carlos Roberto de Almeida).

ACIMA: Pátio de Tubarão. Anos 1940? (Autor desconhecido).

(Fontes: Paulo Szabadi; J. C. Kuester; Revista Ferroviária, 2004; João Caldeira d'Alvarenga Messeder, engenheiro fiscal da estrada: relatório apresentado ao Presidente da Província de Santa Catarina, 1887; Walter Zumblick: Teresa Cristina, A Ferrovia do Carvão, UFSC, 1987; Revista Refesa, 1969; Correio dos Ferroviários; Cyro Diocleciano Ribeiro Pessoa Jr.: Estudo Descriptivo das Estradas de Ferro do Brazil, Imprensa Nacional, 1886; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960; Guias Levi, 1932-84; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação original de Tubarão. Data desconhecida

Segunda estação de Tubarão. Autor desconhecido

Segunda estação de Tubarão em 1940. Foto da revista Correio dos Ferroviários, acervo J. C. Kuester

Plataforma da terceira e atual estação de Tubarão, em 2003. Foto Paulo R. Szabadi

Fachada da terceira e atual estação de Tubarão, em 2003. Foto Paulo R. Szabadi
 
     
Atualização: 26.02.2017
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.