A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Primavera-Interlagos
Grajaú-nova
...

ramal Jurubatuba - 1970
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2017
...
 
CPTM (2008-)
GRAJAÚ-NOVA
Município de São Paulo, SP
Ramal de Jurubatuba - km 41,0   SP-4073
Altitude: -   Inauguração: 21.04.2008
Uso atual: estação de trens metropolitanos   com trilhos
Data de construção do prédio atual: 2008
 
HISTORICO DA LINHA: O ramal de Jurubatuba foi construído entre 1952 e 1957 para encurtar a distância entre a Capital e Santos pela Sorocabana. Partindo da estação de Imperatriz Leopoldina, no tronco, a linha seguia até Evangelista de Souza, na Mairinque-Santos, no alto da serra, para dali descer para o porto. Transportando passageiros e cargas desde a abertura da linha em 1957, o ramal acabou por se tornar uma das linhas de subúrbio da Capital. Por volta de 1980 foi feita a duplicação da linha e a colocação da bitola mista, o que levou à demolição, por causa do óbvio alargamento do leito para comportar duas linhas, de todas as estações originais que estavam no trecho entre Universidade e Jurubatuba, com a exceção desta última. Uma nova linha com novas estações foi entregue, agora com trens partindo de Osasco e não mais de Julio Prestes, mas somente em 2000 é que ficaram prontas todas as estações previstas para todo o trecho que hoje é atendido pelos TUES metropolitanos da CPTM. Até dezembro de 2001 o transporte de passageiros se resumia ao trecho entre Presidente Altino, no tronco, e Varginha, na entrada da área de mananciais. Nesse mês, o transporte foi suprimido para além de Jurubatuba, mas em 2008 a linha foi reformada e agora chega até a estação terminal de Grajaú-nova. A linha hoje está totalmente desativada para cargueiros.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Grajaú-nova foi inaugurada em 2008. É hoje o ponto terminal da linha Esmeralda da CPTM (Osasco-Grajaú), tendo anexa a ela um terminal rodoviário urbano. Ela foi construída em local diferente da estação que funcionou entre 1991 e 2001 com o mesmo nome.

Em 2008, a abertura da linha - "Desde as 04h00 de hoje, os trens da linha 9-Esmeralda, CPTM, estão fazendo o trajeto entre Osasco e Grajaú sem a baldeação na Estação Jurubatuba. Como já é esperado grande movimento na Estação Grajaú, existe um aviso de que o acesso à plataforma poderá ser controlado em determinados horários, como já acontece todas as manhãs na Estação Santo Amaro. São três tipos de TUEs em circulação: os espanhóis, os Siemens e os novos Alstoms. O contato pode ser através do "Atendimento ao usuário" pela internet. Aliás, hoje no caderno Cidades do "Estadão", foram publicadas duas reclamações sobre a linha 9-Esmeralda, onde os missivistas falavam em "descaso" para com os passageiros. Só posso imaginar que sejam passageiros de pouco tempo e que não tem noção do que foi feito e querem que tudo seja "fantástico e maravilhoso". Vejam bem, não estou criticando o sagrado direito de "reclamar", mas a maneira descabida como se fazem algumas colocações. No caso desta linha, não há descaso em momento algum, tanto que parte dos novos trens já estão circulando e o trecho prometido já está entregue. E mais um detalhe: Quem for visitar as Estações nos próximos dias vai observar que alguns detalhes ainda estão por concluir. Ou seja, as instalações foram entregues e estão operacionais, mas não estão completas" (Carlos R. Almeida, 23/04/2008).

Dez anos depois, em 2018, o problema são os elevadores - "Quem circula pela estação Grajaú da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), localizada no distrito da zona sul de São Paulo, enfrenta dificuldades de acessibilidade. Há mais de seis meses, dois dos três elevadores não funcionam.
Quem possui dificuldades de locomoção precisa usar as escadas fixas ou as rolantes – há apenas uma para subir e outra para descer, e em alguns momentos também estão em manutenção. Estão parados os elevadores que dão acesso ao terminal de ônibus e à Rua Giovanni Bononcini.

Moradora da Vila Natal, a dona de casa Lúcia Silva do Nascimento, 47, perdeu a visão na adolescência e tem tido dificuldade para utilizar os trens. “É um absurdo, porque eu e as outras pessoas com deficiência precisamos utilizar [os elevadores], mas sempre estão em manutenção”, diz. Para Lúcia as escadas são opções ruins. “Podem causar acidentes. Fora a questão que os outros usuários não respeitam. Simplesmente te levam junto e podem realmente causar mais acidentes”, finaliza.

O único elevador em funcionamento é o que serve para chegar na plataforma de trem, mas para acessá-lo seria preciso usar os que estão com defeito para chegar até as catracas.
A linha 9 – Esmeralda, da qual faz parte a estação Grajaú, é uma das que têm maior circulação. Só em 2017 os trens transportaram mais de 164 milhões de usuários. As composições costumam sair e chegar lotadas no Grajaú, pois liga o bairro à Estação Pinheiros, onde há integração com a linha 4-Amarela do Metrô. A opção para quem tem deficiência é pedir ajuda de algum funcionário da estação. O professor de matemática Luiz Ferreira Bisppo, 64, tem 2% da visão e também utiliza o trem. Ele comenta que o elevador ajuda na eficiência de se locomover, mas o que falta também é a educação.

'Os elevadores são para aqueles que necessitam todos os dias, e no horário de pico é uma praticidade. Também acho que deveria ter educação dos passageiros. Se tivesse alguma orientação. Por exemplo, um cartaz com informações educacionais para agilidade e bom senso dos seres humanos', diz.
Contatada pela Agência Mural, a CPTM afirma que um elevador não funciona no Grajaú e que a interdição ocorreu no dia 4 de maio.

A CPTM argumenta que a paralisação é devido a atos de vandalismo, mas não detalhou quais foram as ações. O elevador que chega ao terminal possui um aviso de interdição. Já o que para em frente à rua não apresenta nenhum comunicado, mas está sem botões. Segundo a CPTM, a reposição de todas as peças danificadas depende da aquisição por pregão eletrônico e que o processo está no departamento de contratação e compras para elaboração do edital do pregão. Não foi passada nenhuma previsão de quando os elevadores devem voltar a funcionar
" (Folha de S. Paulo, 13/08/2018 - Fonte: https://mural.blogfolha.uol.com.br/ 2018/08/13/cptm-tem-elevadores-quebrados-ha-mais-de-seis-meses-no-grajau/).

(Veja também GRAJAÚ-VELHA)


ACIMA: Entrada da estação Grajaú, em 9 de maio de 2008 (Foto Salles). ABAIXO: A estação de Grajaú era terminal de linha em 2015 (Foto Carlos R. Almeida).
(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local; Carlos R. Almeida; ___ Salles; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação de Grajaú dias depois da inauguração, em abril de 2008. Foto Carlos R. Almeida

A estação e o terminal rodoviário anexo a ela, em 9/5/2008. Foto Salles

O TUE série 2100 na plataforma da estação, em 9/5/2008. Foto Salles

Estação de Grajau em 19/1/2015. Foto Carlos R. Almeida
     
Atualização: 25.08.2018
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.