A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Monte Cristo
Monte Belo
Juréia
...

Ramal da Juréia - 1935
...

Guia Levi - 1941
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2007
...
 
Cia. Mogiana de Estradas de Ferro (1914-1966)
MONTE BELO
Município de Monte Belo, MG
Ramal de Juréia - km 67,840 (1938)   MG-2505
Altitude: 878 m   Inauguração: 07.09.1914
Uso atual: abandonada (2010)   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: 1914
 
 
HISTORICO DA LINHA: O ramal de Tuiuti, nome inicial do ramal da Mogiana que corria todo ele em território mineiro, teve sua origem na E. F. Muzambinho, adquirida pela Mogiana junto ao Governo daquele Estado em 30/07/1907, antes inclusive da ferrovia ter suas obras iniciadas. Em 1913, a linha foi finalmente aberta de Guaxupé a Muzambinho, e em 1914 chegava a Tuiuti, antigo nome da estação de Juréia, onde se encontrava com a linha da Rede Mineira que vinha de Cruzeiro, na Central do Brasil, no leste do Estado de São Paulo e atravessava todo o sul do Estado de Minas Gerais. Em 1944, o ramal passou a se chamar ramal de Juréia. Finalmente, em 7/11/1966 o ramal foi fechado definitivamente pela Mogiana, e os trilhos retirados alguns anos depois.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Monte Belo foi inaugurada em 1914. Aliás, a estação foi autorizada a funcionar de forma provisoria já em 26/8/1914, junto com outras do ramal (relatório da Mogiana de 1914).

"Em Monte Belo existia um embarcadouro de gado, que geralmente transportava mais de mil cabeças para Campinas ou Três Corações. Os peões eram os responsáveis pelo bom andamento da viagem. Divertiam-se e sofriam para embarcar os animais. Havia sempre um boi renitente que, com sua força, desafiava o embarque. À noite, faziam uma fogueira e, ao som da sanfona e da viola, passavam o tempo à espera da madrugada para iniciar uma longa viagem até seu destino". "O Valentino, vendedor de máquinas de costura. tinha uma namorada em Monte Belo. Ia vê-la todos os dias da semana, pedindo ao maquinista para, quando estivesse chegando em Monte Belo, apitasse bastante o trem, porque ela já saberia que ele estaria indo ao seu encontro. Ao aproximar-se de Monte Belo, fiel ao seu amigo, o maquinista disparava a apitar, que não havia vapor que agüentasse. A mocinha, muito reprimida, se arrumava rapidamente e, em um pulo, estava toda alegre na estação. Foi indo, até os pais dela desconfiarem das coincidências. Ela não se casou nem com ele nem com ninguém. E ele? Morreu. Foi encontrado morto no quarto" (Olavo Amadeu de Assis, "O ferroviário nos trilhos da saudade", 1985).

A estação foi fechada e desativada em 1966, juntamente com o ramal. Está situada dentro do perímetro urbano de Monte Belo, mas fora da área central: talvez por isso, em 2010 estivesse abandonada e depredada.

ACIMA: Locomotiva Cooper-Nessemer em Monte Belo, provavelmente anos 1960 (Acervo José Flavio).

AO LADO: Na polêmica sobre a construção das estações após Muzambinho, vemos no texto de 1912 que: 1) A estação mal-feita era a futura Tuiuti (depois Jureia), que, pelo visto, já existia no fim da linha da E. F. Muzambinho sem ainda os trilhos da Mogiana, que somente chegariam até ali mais tarde? 2) Havia uma estação antes da de Monte Santo, que tanto podia ser a que seria renomeada para Palmeia como a futura Montecristo, que já estava pronta, aguardando os trilhos; 3) A estação atual de Monte Belo foi construída depois e recebeu a denominação a pedido da população do povoado (O Estado de S. Paulo, 16/11/1912).
(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local; José Flavio; Valter Moraes; Thiago H. Cerucci de Oliveira; Eduardo Roxo Nobre; Rômulo Fávero; O Estado de S. Paulo, 1912; Cia. Mogiana: Relatórios anuais, 1900-69)
     

Estação de Monte Belo, em 12/2001. Foto Eduardo Roxo Nobre

Estação de Monte Belo, em 12/2001. Foto Eduardo Roxo Nobre

Estação de Monte Belo, em 12/2001. Foto Eduardo Roxo Nobre

Em 03/2006, a estação pouco mudou. Foto Valter Moraes, de Alfenas, MG

A estação em 2010. Foto Thiago H. Cerucci de Oliveira
     
Atualização: 20.11.2016
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.