A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Omega
Uberlândia
Giló
...

IBGE-1957
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: N/D
...
 
Cia. Mogiana de Estradas de Ferro (1895-1971)
Fepasa (1971-1998)
Ferroban (1998-2002)
FCA (2002-2013)
1a 2a 3a UBERLÂNDIA
Município de Uberlândia, MG
Linha do Catalão - km 738,599 (1938)
  MG-1241
    Inauguração: 21.12.1895
Uso atual: estação da FCA   com trilhos
Data de construção do prédio atual: 1970
 
 
HISTORICO DA LINHA: A linha do Catalão foi construída entre 1888 e 1889 até Uberaba, tendo chegado em 1895 a Uberabinha (Uberlândia) e 1896 a Araguari. Continuação da linha do Rio Grande a partir da estação de Jaguara, às margens do rio Grande e já em território mineiro, a idéia da Mogiana era alcançar Catalão, em Goiás (daí o nome) e dali seguir para Belém do Pará, coisa que nunca aconteceu. Na verdade, a E. F. de Goiás acabou por construir esse trecho, chegando até Goiânia e Brasília. Em 1915, o ramal de Igarapava foi prolongado para além de Igarapava de forma a alcançar a linha do Catalão um pouco antes de Uberaba, em Rodolfo Paixão. A nova linha provou ser mais econômica do que o trecho da linha do Catalão entre o rio Grande e Uberaba, trecho este que foi abandonado definitivamente em 1976, depois de ser separado da linha do Rio Grande em 1970 por causa da construção da represa de Jaguara. O trecho a partir de Uberaba foi, então, incorporado ao ramal de Igarapava e, em 1979, totalmente retificado a partir de Ribeirão Preto até Araguari. Trens de passageiros percorreram o trecho até 1979 e depois o trecho retificado até 1997, quando foram suprimidos, já pela Fepasa.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Uberabinha foi aberta em 1895 na longínqua localidade de São Pedro de Uberabinha, então
pertencente à cidade de Uberaba. Mais tarde, em 1929, estação e cidade tiveram os nomes alterados para Uberlândia. Por volta de 1940, uma nova estação, maior, substituiu a original, mas construída ao lado da estação anterior, que, então, não foi
Capistrano de Abreu, escritor e historiador cearense, relata uma de suas viagens: "Desde princípio de dezembro estou em S. Paulo, onde vim espairecer um pouco. Segui pela Mogiana até Uberabinha, passei três dias em Uberaba, quatro em Ribeirão Preto (...) Santa Rita do Passa-Quatro, 20-3-1899" (carta a Guilherme Studard).

ACIMA: Em fotografia dos anos 1940, pode ser vista a estação original (onde está marcado "1a" e, à sua esquerda, a estação nova, no extremo esquerdo da foto (onde está assinalado "2a"). O pátio ferroviário cheio de carros e vagões denota o grande movimento da Mogiana por ali (Autor desconhecido; acervo Roberto, de Uberlândia). ABAIXO: (CLIQUE SOBRE A FOTO PARA AMPLIAR) Linhas antiga (vermelha) e nova (azul) da Mogiana em Uberlândia (Desenho sobre foto Google: Glaucio Henrique Chaves, 02/2009).
demolida, apenas mudou-se seu uso. A nova estação durou até 1970, e foi demolida quase ao mesmo tempo da inauguração da atual: "no dia marcado para a demolição - 14 de abril de 1970 -
Em 1960, o arquiteto Osvaldo Bratke foi escolhido pela Cia. Mogiana para construir as estações de Ribeirão Preto e de Uberlândias novas, além de promover a reforma de outras estações. Considerando a tradição de que as estações ferroviárias eram polos de surgimento de aglomerados de comércio e de serviços próximas a ela, Bratke reconhecia a situação urbanística privilegiada das estações ferroviárias, que valorizavam terrenos próximos. Como este era um processo demorado, ele sugeriu então que seria mais conveniente prever este comércio dentro das próprias instalações ferroviárias, à maneira de um shopping-center dos anos 1960, administrados por terceiros, servindo isto como uma alternativa de retorno do investimento na construção da estação. Numa segunda fase após a construção e entrega da estação em si, as construções teriam uma segunda e terceira fase, nunca implantadas, de apoio ao passageiro e de instalação de comércio e serviços voltados ao novo bairro que se formaria. Por isso a forma pela qual foi construída a estação. Desnecessário também é dizer que as duas fases finais jamais foram feitas, provavelmente por que já era uma época de decadência do serviço ferroviário, de passageiros, principalmente (Fonte: Estudo sobre Osvaldo Bratke, sem data). VEJA PLANTA BÁSICA DAS ESTAÇÕES DE RIBEIRÃO PRETO E DE UBERLÂNDIA (NOVAS)
comparece um número expressivo de pessoas. Apesar do clima agitado (...) as pessoas não se reúnem para impedir ou protestar contra a demolição alegando, por exemplo, sua importância histórica e arquitetônica ou a facilidade de embarque e desembarque (...) chegaram as máquinas e acorrentar parte daquela estação, acorrentar para depois as máquinas puxarem para derrubar aquilo ali". Logo depois, as
casas dos ferroviários também foram para o chão e onde passava a linha, arrancada, foi construída uma nova avenida. Nada sobrou da Mogiana dentro da cidade. Também em 1970 foi aberta a estação atual, em local diferente das anteriores, na nova variante da linha do Catalão. "A mudança da estação para o bairro Custódio Pereira, à época uma imensa área descampada e ainda despovoada, envolvia a construção de um novo prédio, demolição do antigo, a retirada dos trilhos, a construção de novos traçados, pontes e passagens de nível e, por fim, a nova urbanização do local da nova estação. As obras atravessaram os anos de 1969 e 1970, sendo inaugurada a nova estação em abril de 1970. (...) Com a construção da estação de passageiros em local distante, no trevo da rodovia BR-050, que se dirige a Brasília e à Cidade Industrial, ela perde visibilidade. No final da década de 1990 os últimos trens de passageiros foram eliminados, constinuando o transporte de cargas que não estabelece uma relação com as comunidades locais, a não ser com as grandes empresas" (Textos em itálico extraídos de "Ferrovia e cidade: os trilhos do progresso em Uberlândia, MG, Dilma Andrade de Paula, Uberlândia, MG). "As coordenadas da estação velha são (aproximadamente) 18°54'47.20"S 48°16'32.61"W, obtidas comparando a posição da estação original nas fotografias antigas com as ruas atuais. As de Uberlândia-nova: 18°53'19.87"S 48°14'44.27"W, distante 4km da velha (em linha reta). Se os trilhos ainda existissem, ficaria a 8km pelos trilhos sentido Araguari ou 16km pelos trilhos sentido Ômega" (Glaucio Henrique Chaves, 02/2009).
(Fontes: Glaucio Henrique Chaves, 2009; Wanderley Duck; Fernando Picarelli; ibge, 1960; José Honório Rodrigues: Correspondência de Capistrano de Abreu, volume 1, 1954; Dilma Andrade de Paula: Ferrovia e cidade - os trilhos do progresso em Uberlândia, MG; Estudo sobre Osvaldo Bratke, sem data; Mogiana: Listagem oficial de estações, 1938; Mogiana: relatórios anuais, 1890-1969)
     

Estação original de Uberabinha. A foto deve ter sido tirada antes de 1929, ano em que se alterou o nome para Uberlândia. Acervo Ralph M. Giesbrecht

Inauguração da segunda estação de Uberlândia, por volta de 1940. Acervo Wanderley Duck

A primeira estação de Uberlandia, já desativada. A má conservação do prédio leva a crer que a foto seja dos anos 1960. Autor desconhecido

A segunda estação de Uberlandia. Provavelmente anos 1960. Autor desconhecido

A estação nova em novembro de 1970, época de sua inauguração. Autor desconhecido

A estação em 09/2003. Foto Fernando Picarelli
     
     
Atualização: 07.03.2013
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.