A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
(1926-1977)
Anhumas-nova
Pedro Américo
Tanquinho-nova
...

Variante - 1950
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2015
...
 
Cia. Mogiana de Estradas de Ferro (1926-1971)
FEPASA (1971-1963)
V. F. Campinas-Jaguariúna (1977-)
PEDRO AMÉRICO
Município de Campinas, SP
Variante Guanabara-Guedes - km 15,123 (1937)   SP-0290
Altitude: 674 m   Inauguração: 12.10.1926
Uso atual: moradia (2015)   com trilhos
Data de construção do prédio atual: 1926
 
 
HISTORICO DA LINHA: : A variante Guanabara-Guedes foi entregue pela Mogiana entre 1926 e 1945, e alterou primeiro o trecho do tronco original até Desembargador Furtado (1926). Mais tarde, chegou até Carlos Gomes (1929), e finalmente a Guedes (1945). Apenas a estação de Guanabara permaneceu onde estava, reformada. As outras tiveram versões novas. Em 1977, a variante, que se tornou o tronco novo da Mogiana naquele trecho, foi desativada pela já operante Fepasa. Na mesma época, parte do trecho (Anhumas-Jaguariúna) foi entregue à linha turística da ABPF, tornando-se a V. F. Campinas-Jaguariúna. Em 1984, o trecho foi reduzido até sobre o rio Jaguary, com a desativação da estação de Jaguariúna.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Pedro Américo foi aberta em 1926, com a inauguração do primeiro trecho da variante Guanabara-Guedes, substituindo o posto telegráfico de Gety, que ficava na linha antiga.

Nos mapas iniciais da Mogiana, do projeto de mudança da linha, a estação, que ficava do outro lado do morro (ao sul) em relação a Gety, se chamava Jaty.

Entretanto, quando o canteiro de obras se instalou em 1922, o nome definitivo da estação acabou sendo Pedro Américo. O nome não se trata de uma homenagem a Pedro Américo, o pintor da cena da Independência do Brasil: na verdade, é o nome do proprietário das terras em que foi construída a estação. "O nome Pedro Américo não é em homenagem ao pintor, mas sim ao proprietário da Fazenda São Pedro, Pedro Américo de Camargo Andrade, que doou as terras para a Cia. Mogiana contruir a estação. Falo com propriedade, porque sou bisneto desse Pedro Américo" (Américo Ferreira de Camargo Neto. 01/2008).

Na escritura de 19/1/1923, no entanto, aparece o nome de Américo Ferreira de Camargo como doador de "uma área de terras com a superfície de 22.110,50 m2, destacada da fazenda São Pedro", de sua propriedade (Cópia de escritura de doação fornecida por César A. F. Camargo em 2009, trineto do doador). Seria Américo o Pedro Américo e na certidão não foi escrito o nome Pedro? "Na questão de doação das terras, a escritura aparece em nome de Américo Ferreira de Camargo, que era filho de Pedro Américo de Camargo Andrade, na ocasião, já falecido. O nome Pedro Américo foi em homenagem ao pai de Américo, cuja fazenda São Pedro, de onde desmembraram essa doação, já pertencia a Pedro Américo muito antes da doação" explica Américo F. Camargo Neto. Em 1963, a estação foi fechada e transformada em parada (*RM-1963).

Interessante notar que o "Horário oficial dos trens de passageiros e mistos a partir de 3-1-1967" da Mogiana informa que "os trens P1 param na ex-estação de Pedro Américo". Ela fica na Fazenda São José, e está construída num talude, para facilitar no passado o escoamento das cargas de café.

Desde 1981, serve ao trem turístico da ABPF. Segundo a ABPF, quando esta recebeu a estação e as casas em volta, nesse ano, estava tudo em péssimo estado de conservação, pois, como visto acima, a estação havia sido fechada quase vinte anos antes. Alguns associados da entidade formaram a sociedade Amigos de Pedro Américo e foram reformando tudo, aos poucos, inclusive com alguns deles passando a morar nessas casas. Havia um funcionário contratado que cuida de todos os prédios e residia na estação. Em 2005 a restauração ficou pronta. O pátio, que hoje tem apenas a linha de passagem, tinha três linhas - a principal e dois desvios.

A estação está em bom estado de conservação em 2017 e tem um acesso complicado por carro, por uma estrada de terra que sai da rodovia Campinas-Mogi-Mirim, logo no seu início.

ACIMA: Trem de passageiros da Mogiana aproximando-se de Pedro Americo em 1968 (Autor desconhecido).

(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local; Emerson Rancoletta; César A. F. Camargo; José Carlos Bratfich; Cristiano Bueno; Coaraci Camargo; André Seixas; Américo Ferreira de Camargo Neto; Boletim da ABPF nro. 6, 2003; Relatórios oficiais da Cia. Mogiana, 1875-1969; Companhia Mogiana: Horário oficial dos trens de passageiros e mistos a partir de 3-1-1967; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação, em 17/06/1998. Foto Ralph M. Giesbrecht

A estação, em 17/06/1998. Foto Ralph M. Giesbrecht

A estação, em 17/06/1998. Foto Ralph M. Giesbrecht

A estação após restauração, em 02/2005. Foto André Seixas

Em Pedro Américo, a locmotiva 210 da ABPF ouxando um carro Budd, em 19/11/2006. Foto Cristiano Bueno

A estação em 2/11/2011. Foto Emerson Rancoletta
     
Atualização: 27.01.2017
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.