A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Pompéia
Paulópolis
Quintana
...

Tronco oeste CP - 1970

IBGE-1973
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: 1977
...
 
Cia. Paulista de Estradas de Ferro (1940-1971)
FEPASA (1971-1998)
PAULÓPOLIS
Município de Pompéia, SP
Ramal de Agudos original - km   SP-2672
Linha-tronco oeste - km 505,150   Inauguração: 01.04.1940
Uso atual: creche   com trilhos
Data de construção do prédio atual: 1940
 
 
HISTORICO DA LINHA: O chamado tronco oeste da Paulista, um enorme ramal que parte de Itirapina até o rio Paraná, foi constituído em 1941 a partir da retificação das linhas de três ramais já existentes: os ramais de Jaú (originalmente construído pela Cia. Rio-clarense e depois por pouco tempo de propriedade da Rio Claro Railway, comprada pela Paulista em 1892), de Agudos e de Bauru. A partir desse ano, a linha, que chegava somente até Tupã, foi prolongada progressivamente até Panorama, na beira do rio Paraná, onde chegou em 1962. A substituição da bitola métrica pela larga também foi feita progressivamente, bem como a eletrificação da linha, que alcançou seu ponto máximo em 1952, em Cabrália Paulista. Em 1976, já com a linha sob administração da FEPASA, o trecho entre Bauru e Garça que passava pelo sul da serra das Esmeraldas, foi retificado, suprimindo-se uma série de estações e deixando-se a eletrificação até Bauru somente. Trens de passageiros, a partir de novembro de 1998 operados pela Ferroban, seguiram trafegando pela linha precariamente até 15 de março de 2001, quando foram suprimidos.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Paulópolis foi aberta em 1940, usando a letra P, apesar da estação anterior, Pompéia, já a ter utilizado. Em 1986, a estação estava já abandonada e depredada. Porém, foi reformada em seguida, infelizmente com a construção de um muro ao longo da plataforma, como se pode ver na foto. "A estação está descaracterizada. Todas as portas e janelas foram lacradas com tijolos até ao teto e um muro foi construído em toda sua extensão. As placas de denominação da estação ainda estão por lá. Toda a área em volta da estação foi cercada com alambrado. No prédio da estação e no armazém ao lado, existem faixas que dizem que os imóveis são de propriedade da RFFSA. No prédio da estação existe uma placa dos Correios e Telégrafos (não sei se funciona) e o prédio também é utilizado pelo Governo SP para o programa Viva Leite. O armazém é utilizado como creche. Ao lado ainda existe uma casa de turma habitada" (Fabio Vasconcelos, 07/09/2001). O prédio em 2008 estava "lacrado" em sua parte da platafomra, ou seja, desapareceram portas e janelas, cobertas por alvenaria. Total descaracterização, além da construção de dois muros, um de cada lado, sobre o limite da plataforma.
(Fotos: Rafael Correa; Hermes Y. Hinuy; Mário Favaretto; Fabio Vasconcellos; Cia. Paulista: relatórios anuais, 1920-69; FEPASA: Relatório de Instalações Fixas, 1982; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

Estação de Paulopolis em 1982. Foto FEPASA

A estação em 17/10/1992. Foto Hermes Y. Hinuy

A estação em 30/08/2001. Foto Hermes Hinuy

A estação em 07/09/2001. Foto Fabio Vasconcelos

A fachada da estação em 07/09/2001. Foto Fabio Vasconcelos

A estação em 11/2008. Foto Rafael Correa

Fachada já restaurada em 10/2009. Foto Mario Favareto
   
     
Atualização: 28.01.2012
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.