A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Indice de estações
...
Boa Sorte
Catende
Jaqueira
...

Linha Sul (1940)
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: N/D
...
 
E. F. Recife ao São Francisco (1882-1901)
Great Western (1901-1950)
Rede Ferroviária do Nordeste (1950-1975)
RFFSA (1975-1996)
CATENDE
Município de Catende, PE
Linha Sul - km 142 (1960)   PE-3275
Altitude:   Inauguração: 02.12.1882
Uso atual: moradia (2006)   com trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
 
HISTORICO DA LINHA: A linha Sul, ou Recife-Maceió, é uma junção de três ferrovias: a E. F. Recife ao São Francisco, aberta entre 1858 e 1862 (foi a segunda ferrovia a ser aberta no Brasil), a E. F. Sul de Pernambuco, entre 1882 e 1894 e a E. F. Central de Alagoas, aberta em trechos entre 1871 e 1884, arrendada em 1880 à The Alagoas Railway Co. A primeira ligou Recife a Una (hoje Palmares), a segunda Una a Imperatriz (hoje União dos Palmares) e a terceira, Imperatriz a Maceió. Em 1901, a Great Western do Brasil Railway Co., empresa inglesa, ganhou a concessão das duas primeiras e, em 1903, a da última, unindo as linhas e diminuindo a bitola da primeira, em 1905, de 1.60 m para métrica. Em 1950, o Governo da União encampou a Great Western, transformando-a na Rede Ferroviária do Nordeste (RFN), que passou a ser um das subsidiárias da RFFSA em 1957 e que foi finalmente incorporada em uma de suas superintendências regionais em 1975. Finalmente, em 1997, foi cedida em concessão para a CFN - Cia. Ferroviária do Nordeste. Os trens de passageiros seguiram até os anos 1980. Somente sobram hoje os trens de subúrbio de Maceió e de Recife, que percorrem as duas pontas da linha.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Catende foi inaugurada em 1882. Foi ponta de linha da E. F. Recife ao São Francisco por dois anos.

Estava ao lado da usina de Catende, uma das grandes usinas de Pernambuco, fundada em 1890. Esta usina trocou de donos diversas vezes, até que, no final dos anos 1920, era a maior usina de açúcar do Brasil. Nesta época, possuía 43 propriedades agrícolas, uma via férrea própria com 140 quilômetros, 11 locomotivas e 266 vagões.

Charles Small
, americano que estava a serviço do seu país no Nordeste brasileiro durante a Segunda Guerra Mundial, visitou a usina e desceu na estação, vindo do Recife, em 1942. Daí duas das fotos abaixo.

Atualmente, a usina é controlada pelos próprios funcionários, que assumiram o controle da massa falida da usina após um acordo, depois das dificuldades financeiras pelas quais passou a usina nos anos 1990.

Quanto à estação, virou moradia e em 2006 estava em mau estado, ocupada por moradores, há muito lixo, sem nenhuma limpeza.

A música Trem de Alagoas, de Ascenso Ferreira, diz: "O sino bate, o condutor apita o apito, Solta o trem de ferro um grito, põe-se logo a caminhar… - Vou danado pra Catende, vou danado pra Catende, vou danado pra Catende com vontade de chegar... Mergulham mocambos, nos mangues molhados, moleques, mulatos, vêm vê-lo passar. Adeus ! - Adeus ! Mangueiras, coqueiros, cajueiros em flor, cajueiros com frutos já bons de chupar... - Adeus morena do cabelo cacheado ! Mangabas maduras, mamões amarelos, mamões amarelos, que amostram molengos as mamas macias pra a gente mamar - Vou danado pra Catende, vou danado pra Catende, vou danado pra Catende com vontade de chegar... Na boca da mata ha furnas incríveis que em coisas terríveis nos fazem pensar: - Ali dorme o Pai-da-Mata - Ali é a casa das caiporas - Vou danado pra Catende, vou danado pra Catende vou danado pra Catende com vontade de chegar... Meu Deus ! Já deixamos a praia tão longe… No entanto avistamos bem perto outro mar... Danou-se ! Se move, se arqueia, faz onda... Que nada ! É um partido já bom de cortar... - Vou danado pra Catende, vou danado pra Catende vou danado pra Catende com vontade de chegar... Cana caiana, cana rôxa, cana fita, cada qual a mais bonita, todas boas de chupar... - Adeus morena do cabelo cacheado ! - Ali dorme o Pai-da-Matta ! - Ali é a casa das caiporas - Vou danado pra Catende, vou danado pra Catende vou danado pra Catende com vontade de chegar..."

ACIMA: Locomotiva da ferrovia da Usina Catende, anos 1930. (Autor desconhecido). ABAIXO: A mesma locomotiva? (Foto possivelmente dos anos 1990, por Maria Lemos Lins).

(Fontes: Hélio Ribeiro; Maria Lemos Lins; C. H. Hahmann e Charles Small: Brazilian Steam Album IV, North and South, 1990; ANDRADE, Manuel Correia de: História das usinas de açúcar de Pernambuco. Ed. Massangana, 1989; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

Estação de Catende, em 1942. Ao fundo, uma das chaminés da usina. Foto Charles Small

Usina de Catende em 1942. Foto Charles Small

A estação em 2003. Foto Hélio Ribeiro

A estação em 2003. Foto Hélio Ribeiro

A estação em 2003. Foto Hélio Ribeiro
 
     
Atualização: 29.10.2016
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.