A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Indice de estações
...
Padre João Maria
Natal
Igapó
...
Saída para a estação de Natal-EFCRN
...

Linha Norte - 1950
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: S/D
...
 
E. F. Natal a Nova Cruz (1884-1901)
Great Western do Brasil (1901-1939)
E. F. Sampaio Correa (1939-1957)
Rede Ferroviária do Nordeste (1957-1975)
RFFSA (1975-1997)
CBTU (1997-)
NATAL
Município de Natal, RN
Linha Norte - km 0 (1960)   RN-3273
Altitude: 3 m   Inauguração: 28.09.1881
Uso atual: estação de trens metropolitanos   com trilhos
Data de construção do prédio atual: 1881
 
 
HISTORICO DA LINHA: A linha que originalmente unia a estação de Brum, no Recife, a Pureza, próximo à divisa entre Pernambuco e Paraíba, foi aberta de 1881 a 1883 pela Great Western do Brasil, empresa inglesa que tinha a posse e a concessão da E. F. Recife ao Limoeiro. Esta linha avançou até Pilar, na antiga E. F. Conde D'Eu, incorporada à GW em 1901, onde sua linha, aberta em 1883, entre outros ramais, avançava até Nova Cruz, já no Rio Grande do Norte e da E. F. Natal a Nova Cruz, que também passou à GW, na mesma época. Para ligar estas duas últimas, a GW construiu em 1904 um trecho de 45 km, formando então o que veio a ser chamado de Linha Norte. Quando ocorreu a venda da GW para a Rede Ferroviária do Nordeste, no entanto, o trecho do RN já não mais pertencia à GW, mas foi incorporado à RFN, e em 1957 tudo isso foi uma das formadoras da RFFSA. A linha está ativa até hoje sob o controle da CFN, que obteve a concessão da malha Nordeste em 1996, mas trens de passageiros não circulam mais por essa linha desde os anos 1980.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Natal foi inaugurada em 1881. Com a abertura da E. F. Central do Rio Grande do Norte (que depois teve o nome alterado para E. F. Sampaio Correa) em Natal, em 1917, passou a atender as duas ferrovias, embora uma estação tenha sido construída para esse fim pela EFCRN e inexplicavelmente jamais tenha sido utilizada como tal. Essa estação, Natal-EFCRN, nunca funcionou como estação, embora tivesse um pátio muito movimentado. A estação de Natal ainda está de pé, mas já há algum tempo sem tráfego algum de trens cargueiros, pois a atual
ACIMA: As linhas da Natal-Nova Cruz (para o sul) e Central do RN (para o nordeste), com a linha em vermelho mostrando o percurso inicial da EFCRN antes da construção da ponte do Igapó. A estação em preto é a de Natal da Natal-Nova Cruz, ainda em atividade. A estação em azul é a de Natal da EFCRN, ligada a outra por um ramal (Cessão Wagner Rodrigues). ABAIXO: Trem Natal-Parnamirim em 27/2/2014 na plataforma da estaçã de Natal (Foto Gunnar Gil).

concessionária da linha, a CFN, não está operando cargas no Rio Grande do Norte. Ainda é uma estação, agora o ponto inicial dos trens metropolitanos, operada pela CBTU, e recebeu há algum tempo o pomposo nome de Poeta Diógenes da Cunha Lima, embora o prédio esteja bastante modificado em relação à sua arquitetura original, quase irreconhecível. Os dois trens de subúrbio que saem

ACIMA: Trem da CBTU deixando o pátio de Natal nos anos 2010 (Autor desconhecido).
dali (dá para chamar de metropolitano?) têm seu desempenho resumido neste relato de Gunnar Gil, em março de 2014: "Em 27 de janeiro (de 2014) acordei muito cedo para pegar o primeiro trem para Ceará Mirim das 6.48 da manhã, mas quando cheguei à estação fui informado que a única locomotiva disponível (das três que havia) ia servir ao trem de Parnamirim. Se a outra, que estava quebrada na oficina, fosse consertada, o trem sairia ao meio dia. O seja, fui a Parnamirim, ainda que eu quisesse ir a Ceará Mirim. Os carros eram velhos, e até algum parafuso caiu das caixas das portas automaticas durante a viagem. Os passageiros, todos trabalhadores ou gente com pouco dinheiro. É um serviço social, com custos baixos (para manutenção também). Um senhor da segurança do trem me ajudou, dizendo-me o lado das estações e dando a ordem de partida do trem em cada uma". (Veja também NATAL-EFCRN)
(Fontes: Wagner do Nascimento Rodrigues; Gunnar Gil; Carlos Cornejo e João E. Gerodetti: As ferrovias do Brasil, 2005; Mapa: acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação em 1910. Foto do Livro As ferrovias do Brasil, 2005, de Carlos Cornejo e João E. Gerodetti

A estação, em foto sem data (anos 1950?), já bastante modificada. Acervo Wagner do Nascimento Rodrigues

A estação, sem data, provavelmente anos 1950. Cartão postal
     
Atualização: 31.12.2015
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.