A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Santanense
Itaúna
Silva e Oliveira
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: N/D
...
 
E. F. Oeste de Minas (1911-1931)
Rede Mineira de Viação (1931-1965)
V. F. Centro-Oeste (1965-1975)
RFFSA (1975-1996)
ITAÚNA
Município de Itaúna, MG
Linha Belo Horizonte-Garças - km 800,259 (1960)   MG-0382
Altitude: 809 m   Inauguração: 01.07.1911
Uso atual: museu (2015)   com trilhos
Data de construção do prédio atual: 1917
 
 
HISTORICO DA LINHA: A linha Belo Horizonte-Garças de Minas foi aberta entre 1911 e 1916 pela E. F. Oeste de Minas, ligando a capital a Garças, na época parte da E. F. Goiaz e situada na zona de mineração mineira, próxima a Goiás. Somente em 1920 foi construída a estação prórpia da EFOM na capital. A linha funciona até hoje para cargueiros, tendo sido na década de 1970 o seu início na capital fundido com a Linha do Paraopeba, da Central do Brasil. O seu trecho na região metropolitana de Belo Horizonte recebeu trens de subúrbio por muitos anos, e a partir dos anos 1990 passou a ter a linha do metrô acompanhando de perto a sua linha, que ficou somente para movimento dos trens cargueiros.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Itaúna foi inaugurada em 1911. "Através dos esforços do Dr. Augusto Gonçalves que Itaúna passou a ser servida por uma estrada de ferro. Quando o governador Hermes da Fonseca resolveu cumprir os projetos do seu antecessor, ligando Belo Horizonte a Oeste de Minas, os municípios de Pará e Itapecerica se esforçaram por atrair o ponto de junção das linhas e, conseguindo, privaram Itaúna desse grande melhoramento. Dr. Augusto foi incansável no evitar esta solução, conseguindo modificar os projetos em deliberação. Um dos traçados desse ramal, segundo estudos dos engenheiros José Francisco Cantarino e Guilherme Greenalgh (1904-1908) e que foi aceito, por instancias do Dr. Augusto, por um decreto do governo federal para base dos estudos definitivos, passaria nas seguintes localidades: Choro (perto da antiga estação de Alberto Isaacson) Salgado, Santanense, Itaúna, Soledade, Mateus Leme, Capela Nova e Belo Horizonte. Por este traçado a estrada percorreria o município de Pará desde o Rio Paraopeba até a fazenda do Azambuja, e de Água Limpa até o Choro, em extensão de 50 klms; enquanto percorreria o município de Itaúna na distancia de 42 klms. De Belo Horizonte ao Choro, passando por Itaúna a distancia pelo traçado Cantarino – Greenalgh seria de 134 klms. Havia outro traçado estudado (porém não adotado) de autoria dos engenheiros Eduardo Porto, José Góes Artigas e José Duarte Pinto, de Belo Horizonte ao Choro, mas passando pela cidade do Pará com 156 klms. e 155 ms. (ou mais de 21.655 ms. do que o primeiro traçado. (28) – “Annuário de Minas” – 1909 – N.Senna, pág. 544. O serviço de construção do ramal iniciou-se em 4 de abril de 1909, sendo seu empreiteiro o engenheiro Emílio Schnoor. A chegada do primeiro trem em Itaúna aconteceu em 10 de março de 1910, constituindo esse fato um grande acontecimento para a Vila e o município, pois estávamos ligados a Belo Horizonte e Divinópolis , duas chaves importantíssimas do sistema ferroviário do Estado e do Brasil. Foi um dia de grande festa e contentamento público, em que os nomes do Dr. Augusto Gonçalves, Cel. Antonio de Mattos, Cel. Josias Nogueira Machado e o major Senocrit Nogueira foram vitoriados calorosamente pelo povo agradecido. A locomotiva que arrastava o comboio de pranchas tinha o nº 14 e era guiada pelo maquinista Antonio Rodrigues. A construção do edifício da estação

ACIMA: Acidente em curva próxima à estação de Itaúna com um trem de passageiros da Rede Mineira e pelo menos oito mortos (Folha de S. Paulo, 21/1/1964). ABAIXO: Pátio da estação em Itaúna, início dos anos 1960 (Angela Penido/Facebook).
só se deu mais tarde. Mesmo depois da carreira regular de trens de passageiros e de cargas, a agencia continuou instalada em um barracão de madeira e zinco no mesmo lugar em que se construiu o novo prédio (1911), assim como a residência do agente e do guarda-chaves. Tal foi o desenvolvimento do município com o evento da estrada de ferro que em 1916 foi a Oeste de Minas obrigada a duplicar o edifício da estação, numa obra que representava a construção de novo edifício. E em 4 de março de 1917, na administração Agostinho Porto, inaugurou-se o novo prédio com grandes festas, notando-se a presença de toda a

ACIMA: A linha ainda em uso passa dentro da cidade; a estação está ao fundo (Foto Hugo Caramuru em 25/7/2015).
administração e pessoas gradas de Belo Horizonte e municípios vizinhos. Foi o Sr. Francisco Botelho o primeiro agente da Estação de Itaúna. No mesmo ano em que a Oeste de Minas ampliou a sua estação, cuidava de criar a sede da 3ª residência da linha, que seria em Cajuru se não fossem os esforços do Dr. Augusto e Senocrit Nogueira, para o conseguirem da Câmara Municipal a doação do necessário terreno, desapropriado da Sra. Maria Dias. E foi, assim, instalado mais esse departamento da Oeste de Minas em Itaúna, sendo de justiça fixar o nome do primeiro engenheiro residente, Dr. Abrahão Leite, que muito fez para a escolha desta cidade para a sede da 3ª Residência
" (Texto transcrito do site www.santanafm.com.br). A estação, desativada em 1986, hoje (2009) é um museu, desde 1992: o Museu Municipal Francisco Manoel Franco, da Prefeitura Municipal de Itaúna. O prédio da estação foi tombado pelo Decreto Municipal nº 4920 em 2007.
(Fontes: Hugo Caramuru; Gutierrez Lhamas Coelho; Angela Penido; Carlos Cornejo; Jonathan Sobral; Alexandre Almeida; www.santanafm.com.br; Roberto Capri: Minas Gerais, 1918; IBGE: Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, 1957; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960)
     

A estação em 1917, "caprichosamente reformada pelo Dr. Abrahão Leite, Engenheiro da E. F. Oeste de Minas". Foto do livro Minas Gerais, de Roberto Capri (1918), acervo Carlos Cornejo

A estação, c. 1956, tendo ao lado uma locomotiva elétrica Metropolitan-Wickers. Foto Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, vol. XXV, IBGE, 1957

A estação, sem data - talvez anos 1980. Foto Antonio Gomes

A estação em 2003. Foto Gutierrez Lhamas Coelho

A estação em 2005. Foto Jonathan Sobral

A estação em 2005. Foto Jonathan Sobral

A estação, lado da plataforma em 04/2009. Foto Alexandre Almeida

A velha estação, agora com cerda na plataforma, em 25/7/2015. Foto Hugo Caramuru
 
     
Atualização: 26.07.2015
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.