A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Joaquim Leite
Afra
Falcão
...

...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: N/D
...
 
E. F. Oeste de Minas (1897-1931)
Rede Mineira de Viação (1931-1965)
V. F. Centro-Oeste (1965-1975)
RFFSA (1975-1996)
AFRA
Município de Quatis, RJ
Linha-Tronco - km 141,411 (1960)   RJ-2117
Altitude: 514 m   Inauguração: 15.05.1897
Uso atual: demolida   com trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
 
HISTORICO DA LINHA: A linha-tronco da RMV foi construída originalmente pela E. F. Oeste de Minas a partir da estação de Ribeirão Vermelho, onde a linha de bitola de 0,76 chegou em 1888. A partir daí, a EFOM iniciou seu projeto de ligar o sul de Goiás a Angra dos Reis, passando por Barra Mansa por bitola métrica: construída em trechos, somente em 1928 a EFOM chegou a Angra dos Reis, na ponta sul, e no início dos anos 1940 a Goiandira, em Goiás, na ponta norte, e já agora como Rede Mineira de Viação. A linha chegou a ser eletrificada entre Barra Mansa e Ribeirão Vermelho, e transportou passageiros até o início dos anos 1990. Nos anos 1970, o trecho final norte entre Monte Carmelo e Goiandira foi erradicado devido à construção de uma represa no rio Paranaíba, e a linha foi desviada para oeste encontrando Araguari. Hoje (2003) a linha, já não mais eletrificada, é operada pela concessionária FCA.
 
A ESTAÇÃO: Por motivos desconhecidos, a estação de Afra não aparecia nos guias oficiais nem no Guia Levi. É citada no Guia Telegraphico de 1927, como sendo uma parada. Segundo o Guia Geral das Ferrovias, de 1960, ela foi inaugurada em 1897.

Roberto José Dias, nascido na estação em 1960, é quem dá algumas informações em 11/2004, inclusive de sua posição (entre Joaquim Leite e Falcão). Também segundo Roberto, o primeiro trem (desativado mais ou menos em 1970) seguia de Barra Mansa até Arantina, passava e parava na estação de Afra mais ou menos às 18 hs, e voltava de Arantina para Barra Mansa no outro dia. Voltando, passava e parava na estação de Afra mais ou menos 9 hs da manhã. Já o que ele chama de segundo trem, ativado por volta de 1967 e desativado em 1995, seguia de Barra Mansa até Arantina, passava e não parava na estação de Afra até 1969, depois passou a parar, mais ou menos as 11 hs da manhã. Em Arantina, os passageiros baldeavam para o trem que seguia de Ribeirão Vermelho até Arantina. Voltando, passava na estação de Afra mais ou menos as 15 hs. A partir mais ou menos de 1970 os trens passaram a seguir direto para os destinos, um até Barra Mansa e o outro até Ribeirão Vermelho e a troca de trens em Arantina passou a ser somente de locomotivas, os trens seguim em frente com outras locomotivas e maquinistas. "Não poderia deixar de citar também a igreja construída por meu pai, Moisés José de Jesus, e tio, José de Almeida, entre outros, como: Sr. Flávio, família Mariano, Zinho, família Labourão, família da Dona Vicentina, etc. Essa igreja foi construída logo abaixo da estação e da subestação, à beira da estrada de terra que seguia ao lado da estrada de ferro, hoje sendo asfaltada."

"Segundo um funcionário da FCA, que entrevistei em Passa Vinte, da estação de Afra nada mais resta. Há, ainda de pé, o prédio da antiga subestação, porem a ele não tive acesso: a área está cercada" (Gutierrez L. Coelho, 02/2006).

(Fontes: Roberto José Dias; José Antonio Corrêa de Mesquita; Simone Viana e Juliana Luscher; Carlos Latuff; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960)
     

A estação em 1979. Foto José Antonio Corrêa de Mesquita, cedida por Roberto José Dias

A subestação de Afra em pé, mas abandonada, em 02/2008. Foto Carlos Latuff, para o estudo das arquitetas Simone Viana e Juliana Luscher para o IPHAN

O que restou da estação de Afra - a plataforma coberta de mato - em 02/2008. Foto Carlos Latuff, para o estudo das arquitetas Simone Viana e Juliana Luscher para o IPHAN
     
     
Atualização: 07.11.2016
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.