A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
RMV - Linha-tronco
...
Guabiroba
Catiara
Salitre
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: S/D
...
 
E. F. Oeste de Minas (1916-1931)
Rede Mineira de Viação (1931-1965)
V. F. Centro-Oeste (1965-1975)
RFFSA (1975-1996)
CATIARA
Município de Serra do Salitre, MG
Linha-Tronco - km 839,426 (1960)   MG-4376
Altitude: 922 m   Inauguração: 29.11.1916
Uso atual: alojamento da FCA (2021)   com trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
 
HISTORICO DA LINHA: A linha-tronco da RMV foi construída originalmente pela E. F. Oeste de Minas a partir da estação de Ribeirão Vermelho, onde a linha de bitola de 0,76 chegou em 1888. A partir daí, a EFOM iniciou seu projeto de ligar o sul de Goiás a Angra dos Reis, passando por Barra Mansa por bitola métrica: construída em trechos, somente em 1928 a EFOM chegou a Angra dos Reis, na ponta sul, e no início dos anos 1940 a Goiandira, em Goiás, na ponta norte, e já agora como Rede Mineira de Viação. A linha chegou a ser eletrificada entre Barra Mansa e Ribeirão Vermelho, e transportou passageiros até o início dos anos 1990. Nos anos 1970, o trecho final norte entre Monte Carmelo e Goiandira foi erradicado devido à construção de uma represa no rio Paranaíba, e a linha foi desviada para oeste encontrando Araguari. Hoje a linha, já não mais eletrificada, é operada pela concessionária FCA.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Catiara foi inaugurada em 1916.

"Com o aparecimento da ferrovia Rede Mineira de Viação Oeste (1916), o leite produzido era transformado em queijos artesanais e transportados até Serra do Salitre, na estação da Catiara e trocado por sal, querosene, ferragens, tecidos, materiais diversos e medicamentos que os produtores e as donas de casa mais necessitavam" (André Rodrigues, 1999, www.emater.mg.gov.br).

"Com a inauguração da Estação Ferroviária em Catiara, da Rede Mineira de Viação Oeste, em 1916, a localidade tornou-se o centro comercial de todo o Alto Paranaíba e parte do noroeste mineiro, como Paracatu e João Pinheiro, onde comitivas vinham de todos os lados trazendo carnes e toucinho de rolo. O movimento comercial do então Distrito era grande. Na época, com a oportunidade de negócios e princípio da fama do queijo da região, várias fazendas aumentaram a sua produção" (Revista Brasileira do Zebu, no. 15, julho 2003).

Pelo visto, tudo mudou: em 2009 a cidade era muito pequena e pobre, estava à margem da rodovia BR-146 que estava sendo construída pelo governo federal e com certeza a estação não tinha mais importância alguma na distribuição do leite, feito todo ele por caminhões já havia muito tempo. Em 2021 pouca coisa havia sido alterada.


"Na década de trinta, (Catiara) era uma região próspera e foi justamente nessa época que Vô Tivico resolveu comprar um Fordinho 29. O que não era difícil. Apesar de não existirem estradas, o transporte era fácil. Bastava despachar as mercadorias em São Paulo, que em dois ou três meses chegavam à estação de Catiara. Era a ferrovia ligando o mundo a Catiara. A encomenda do Fordinho foi realizada e no grande dia da chegada, a Lira Catiarense afinava seus instrumentos ao som do apito da "coisa", digo, trem, que de longe vinha. Chico Machado estufava as veias do pescoço e a trombeta ecoava. A meninada, com seu uniforme escolar, agitava suas bandeirolas verdes e amarelas. Dona Miquita debruçada na janela aguardava ansiosamente. A expectativa era geral. O Vô Nico já tinha a batuta em punho. Pois num é de vê, sô!? Junto à curva da serra da Catiara, lá vinha o trem e com ele o Fordinho 29. A Lira Catiarense nem desafinou. A garotada, agora mais entusiasmada do que nunca, tremulava suas bandeiras aos gritos de "Viva! Viva, Sô Tivico". O Sô Leleto atiçou os foguetes como se fosse o dia de Nossa Senhora Aparecida e o Maria Fumaça apitava. Uiuiii. Chegou o Fordinho 29. Era uma beleza! Coisa nunca vista naquela região. Tudo fora providenciado a contento. Os carregadores da estação ferroviária já tinham duas pranchetas, da serraria do Ti Neném, prontas para descarregar o carro do vagão. O combustível já estava posto para abastecer o veículo. Só faltou um pequeno detalhe: ninguém sabia dirigir aquele trem, digo "coisa". Foi quando Vô Tivico se apresentou e disse incisivamente e resoluto: - Eu comprei, eu dirijo"
AO LADO: extraído de
www.vaniadiniz.pro.br.

1916
AO LADO:
A festiva inaugração da estação de Catiara em 1916 (A Noite, 3/12/1916).
(Fontes: Eduardo Lana Malta; Eduardo Marini; www.emater.mg.gov.br; www.vaniadiniz.pro.br; A Noite, 1916; Revista Brasileira do Zebu, 2003; Trem da Catiara; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960)
     

A estação nos anos 1950. Foto Trem da Catiara

A estação em 9/2009. Foto Eduardo Marini

A estação em 9/2009. Foto Eduardo Marini

A estação em 4/6/2021. Foto Eduardo Lana Malta
   
     
Atualização: 12.06.2021
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.