A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Indice de estações
...
Maquinista Mezzatti
Pedras Altas
Miguel Carreira
...

Mapa da linha - 1940
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: N/D
...
 
Southern Brazilian R. G. do Sul Ry. Co. Ltd. (1884-1905)
Cie. Auxiliaire des Chemins de Fer au Brésil (1905-1920)
V. F. Rio Grande do Sul (1920-1968)
PEDRAS ALTAS
Município de Pedras Altas, RS
Linha Cacequi-Maritima - km 921,705 (1960)   RS-0253
Altitude:   Inauguração: 02.12.1884
Uso atual: Centro Administrativo da Prefeitura (2012)   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
 
HISTORICO DA LINHA: A linha foi construída em partes: pela Southern Brazilian Rio Grande do Sul Railway Company Limited, sucessora de uma série de concessões anteriores, a Bagé-Marítima, em 1884. De Cacequi a São Gabriel, em meados de 1896 e de São Sebastião a Bagé, no final do mesmo ano, ambos pela pela E. F. Porto Alegre-Uruguaiana. Em 1900, a união São Sebastião-São Gabriel completaria o trecho Bagé-Rio Grande. Era uma linha de grande utilidade pois transportava gado e charque para o porto do Rio Grande, apesar de, no final do século 19, ter baixo movimento por causa dos altos preços do frete, dos maus serviços e da interrupção do serviço dos trens pela Revolução Federalista. Os trens de passageiros partiam de Livramento, em outra linha, chegavam a Cacequi e dali até Bagé. Em Bagé, havia que se trocar de trem para chegar a Rio Grande. Uma série de variantes foi entregue entre 1968 e os anos 1980 - Pedras Altas, Três Estradas, Pedro Osório, Pelotas - que encurtaram e melhoraram seu traçado, eliminando diversas das estações originais. Até 1982 as linhas ainda transportavam passageiros, quando o serviço foi interrompido devido ao desabamento de uma ponte em Pedro Osorio; uma nova linha foi construída logo depois. O transporte de passageiros retornou algum tempo depois mas com trens mistos, que duraram até meados dos anos 1990.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Pedras Altas foi inaugurada em 1884. No início, esta estação é que tinha o nome de Candiota (nome transferido depois para outra estação).

Segundo se conta na região, o nome da estação, que gerou o da cidade, foi dado pelo fato de os engenheiros da ferrovia terem encontrado ali duas pedras muito grandes sobrepostas com cerca de 5 m de altura.

A estação foi construída em 1884, a mais tarde, à sua frente, a sede da fazenda de Joaquim Francisco de Assis Brasil, de nome Castelo de Pedras Altas (ver nota sobre este no quadro à esquerda).

"Meu bisavô Guilherme Minssen trabalhou lá (no castelo), como agrônomo, entre 1904-07. Na ocasião, meu avô, João, ficou estudando em Pelotas e este trecho de mais ou menos 150km de ferrovia era utilizado por eles quase todas as semanas" (Eduardo Minssen, 03/2009).

Com a entrega da variante de Pedras Altas, em abril de 1968, a estação ficou fora da nova linha.

Em 2012, o prédio era sede do Centro Administrativo da Prefeitura local.


AO LADO: De Gonçalo de Reparaz (O Estado de S. Paulo, 15/6/2016).
ACIMA: "O desenho (bico-de-pena), feito pelo meu bisavô, Dr. Guillaume Theodor Minssen, em fevereiro de 1906, da E F de Pedras Altas (linha Pelotas-Bagé). A vista é à partir da Granja de Pedras Altas, onde logo em seguida foi construído o Castelo de mesmo nome, do Dr. Assis Brasil. Os pinheiros que aparecem plantados (Pinus insignis - pinheiro da Califórnia) hoje são árvores magníficas, na aléia da entrada do Castelo. Meu bisavô era engenheiro agrícola e veio da França em 1889" (Texto e desenho cedido por Eduardo Minssen em 15/5/2011) (CLIQUE SOBRE O DESENHO PARA VER EM TAMANHO MAIOR). ABAIXO: O castelo de Assis Brasil, em fotografia de 2007: "Fortaleza de 44 cômodos erguida pelo diplomata, político, agropecuarista e escritor Joaquim Francisco de Assis Brasil (1857-1938) em uma das paisagens mais isoladas do Rio Grande do Sul. O local para construção do castelo foi definido em 1904. O lançamento da pedra angular ocorreu em 1909. Mais do que um luxo, a propriedade tornou-se uma referência para a pecuária gaúcha. Assis Brasil importou vacas jersey da Inglaterra, robustos touros devon, cavalos árabes e ovelhas karakul e ideal. Só criava animais de raça, como galinhas white wyandotte trazidas dos Estados Unidos. Ele também introduziu novas espécies de árvores, como o eucalipto, construiu estrebarias, galpões e porteiras que ainda funcionam. Ainda inventou utensílios, como a bomba de chimarrão de mil furos que jamais entope e leva o seu nome. A intenção de Assis Brasil era demonstrar a possibilidade de desfrutar a natureza sem ficar embrutecido" (Texto e fotografia de Poti Campos).
O escritor e historiador cearense José Capistrano de Abreu visitou a propriedade de seu amigo Assis Brasil em Pedras Altas no verão de 1916 e de lá mandou cartas descrevendo o castelo e os problemas da estação ferroviária: "Escrevo-lhe de Pedras Altas, da granja de Assis Brasil, aonde vim solver um compromisso (...). O tempo de verão não é o mais próprio para vistar uma terra essencialmente fria, mas tenho sido feliz: a dois ou três dias de calor intercalados, tem sucedido sempre a chuva, e a temperatura não pode ser mais agradável. Uma das últimas noites acordei com o frio. Diz-me Assis que talvez o termômetro baixasse a 3º. Há dez anos havia somente campos, com uma ou outra arvore silvestre. Hoje há bosques de eucalipto, pinheiro, carvalho; representam-se, em dezenas de espécies, pessegueiros, macieiras, pereiras, ameixeiras; pela primeira vez vi oliveiras. A casa de morada é um castelo granítico, em cuja construção consumiram-se não menos de cem contos. Em roda nascem buxos americanos, que sob a tesoura assumem formas variadas, entre as quais as de muralhas com ameias; muito interessante um dia destes vê-las tremerem com um vento forte do Norte, que persistiu algumas horas (...). Na granja fabrica-se manteiga que encontra rápida extração; criam-se animais de corrida, que nos prados fluminenses vão levantando prêmios repetidos; há gados Jersey e Devon em exemplares escolhidos. A força do gado está em Ibirapuitã, lá pelas bandas de São Gabriel (...). Moro só, em chalet de madeira, habitado antes de ereto o castelo (...) Pedras Altas, 31 de janeiro de 1916" (carta a Mario de Alencar). "Pelotas, 22 de março de 1916 (...) Quando saí ontem de Pedras Altas, esperava demorar aqui menos de 20 horas, se não, teria vindo hoje pela manhã, ou pelo noturno. O Itajubá encalhou entre Rio Grande e Pelotas: tenho de ficar 36 horas (...). Vou encantado do Rio Grande do Sul: ainda mais iria, se o correio fosse melhor: não sei agora de que é capaz. Pedras Altas é estação de grande movimento, mas não se conseguiu ainda uma agencia postal para lá. Nem mesmo se pode telegrafar diretamente: os telegramas têm de ir primeiro a Cerro Chato ou a Bagé e chegam (a Pedras Altas) quando querem. Imperfeitamente, porque nos últimos dias os jornais têm chegado mais escassa e irregularmente que de costume (...)"
AO LADO: Capistrano de Abreu: carta a Pandiá Calógeras em 1916..
(Fontes: Eduardo Minssen; Tarik Teixeira; Poti Campos; Gonçalo de Reparaz; IPHAE: Patrimônio Ferroviário do Rio Grande do Sul, 2002; O Estado de S. Paulo, 1914; Revista Refesa, maio-jun 1968; Eng. Ariosto Borges Fortes: VFRGS, suas estações e paradas, 1962; www.pampasonline.com.br; José Honório Rodrigues: Correspondência de Capistrano de Abreu, volume 1, Rio de Janeiro, 1954; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960; Guias Levi, 1940-81; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação de Pedras Altas, c. 2002. Patrimônio Ferroviário do Rio Grande do Sul, IPHAE, p. 152

A estação em 11/2007. Foto Poti Campos

A estação restaurada em 2012. Foto Tarik Teixeira
     
Atualização: 04.06.2017
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.